Marco Simoncelli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marco Simoncelli
Marco Simoncelli 2009 Valencia.jpg
Apelido(s) Super Sic, Urso do cabelo duro
Nacionalidade  Itália
Data de Nascimento 20 de Janeiro de 1987 (27 anos)
Natural de Cattolica, Itália
Data de Falecimento {{{Morte}}}
Local do Falecimento Kuala Lumpur, Malásia
Website Página Oficial
Registros no MotoGP
Equipe Atual San CarloHonda Gresini
Moto # 58
Títulos 250cc - 2008
Largadas 34
Vitórias 0
Pódios 2
Pole positions 2
Voltas Rápidas 0
Pontos 265
Posição no campeonato de 2011 6º (139 pts)

Marco Simoncelli (Cattolica, 20 de janeiro de 1987 - Kuala Lumpur, 23 de outubro de 2011) foi um motociclista italiano, campeão mundial na categoria 250cc e que, em 2011, disputou o mundial de MotoGP pela equipe San Carlo Honda Gresini. Era conhecido por apelidos como "Super Sic", na Europa, e "Urso do cabelo duro" no Brasil.

Mesmo fora da moto, o italiano de 24 se destacava na multidão, com 1,83m de altura e a cabeleira selvagem que se tornou marca registrada - segundo ele, uma homenagem ao guitarrista Jimi Hendrix. Sua rapidez, estilo e determinação eram reconhecidos entres os pilotos da MotoGP, e o acidente do domingo Malaio encerrou a escala de um dos maiores nomes da nova geração da motovelocidade mundial.

Carreira[editar | editar código-fonte]

A carreira de Marco Simoncelli começou nas micro-motos. Foi vice-campeão italiano em 1996 e apesar do tamanho, seguiu nas mini-motos até 2000, conquistando dois tíulos nacionais. No ano seguinte, ele passou a competir na classe 125cc, foi campeão italiano e venceu o campeonato europeu em 2002, ano em que estreou no Mundial, com uma 13ª posição no Grande Premio de Portugal.

A primeira temporada completa foi em 2003, com Aprilia, marcando pontos em seis corridas e culminando com um 4º lugar no GP de valência. Em 2004, os resultados foram muitos melhores: duas poles e a primeira vitória, debaixo de chuva no GP da Espanha, em Jerez de La Fronteira. Pouca sorte e muitos tombos o deixaram em 11º no ranking da temporada. Em 2005 ele subiu para 5º, com seis pódios e uma vitória. A boa campanha resultou em uma promoção para as 250cc em 2006, na equipe Gilera, mas a moto não ajudava e ele ficou em 10º no Mundial por dois anos consecutivos.

A temporada 2008 havia começado e a Gilera continuava lenta, mas Marco estava dispostoa tudo para mostrar o seu valor. Depois de problemas no Catar, vieram dois segundos lugares (Portugal e China) e uma corrida eletrizante na Itália. Na magica pista Mugello, depois de ultrapassagens e encontrões com os rivais espanhões Álvaro Bautista e Hector Barberá, Simoncelli chegou ao degrau mais alto do pódio pela primeira vêz na categoria. A festa em casa foi tamanha que os dirigentes da equipe enfim conseguiram uma moto competitiva para a final da temporada. Simoncelli retribuiu com mais cinco vitórias e dez pódios, comquistando o título mundial com o 3º lugar em Sepang, mesma pista do acidente fatal de 2011.

Pouco antes do início da temporada 2009 Marco aprontou das suas, se machucou em um treino de moto-cross com o amigo valentino Rossi e perdeu as duas primeiras etapas do mundial. Mesmo assim, o cabeludo conseguiu seis vitórias e dez pódios, perdendo o título para Hiroshi Aoyama na ultima etapa do Mundial, despois de um tombo quando liderava.

O ex-campeão da 125cc Fausto Grecini o convidou para integrar a equipe satélite da Honda na MotoGP. O primeiro ano foi confuso, com muitos tombos e uma 4ª coloção em Portugal como melhor resultado. Simoncelli tinha tal obstinação em acelerar tudo que parecia não medir as consequências dos próprios atos.

Essa vontade alucinada de vencer chamou a atenção da Honda, que ofereceu ao Gresini uma moto de fábrica para Simoncelli, com despesas pagas. O piloto sabia 2011 era tempo de decisão colocou a faca entre os dentes e partiu para a caça ao título mundial. Quinto no Catar; tombo na Espanha quando liderava; discussão com Lorenzo e três tombos em Portugal; a polêmica trombada com Dani Pedrosa, na França, que quebrou a clavícula e perdeu a chance de brigar pelo campeonato...Criticado por alguns e amado por muitos, Simoncelli seguiu com sua estratégia vai-ou-cai; de pole a 6º colocado no GP da Catalunha; tombo na Inglaterra quando estava em 2º e tombo levando Lorenzo junto na Holanda, resultado opacos até o 3º lugar na República Checa, primeiro pódio na MotoGP.

Se enganou quem esperava que depois do champanhe checo Marco acertaria o passo. Uma série de quartos lugares o seguiu até a famosa pista australiana de Phillip Island, onde depois de três tombos na mesma curva durante os treinos, Simoncelli andou muito bem e voltou ao pódio, em uma inédita 2º colocação, atrás apenas do herói local Casey Stoner, imbatível em casa a cinco anos e novo campeão do mundo da MotoGP.

No domingo seguinte, na pista de Sepang que lhe dera o título das 250cc três anos antes, treinou bem e estava feliz no grid de largada da ultima corrida da vida dele. Este é o resumo profissinal de extravagente Marco Simoncelli, um piloto que preferia o campo às grandes cidades, priorizava a paixão sobre a razão, ouvir em vez de falar. Agressivo e veloz dentro da pista, simples, sincero e brincalhão fora dela. Simoncelli deixa saudades em uma legião de fãs. O craque italiano das pistas morreu do jeito que sempre viveu: em alta velocidade.

Morte[editar | editar código-fonte]

Simoncelli morreu após um acidente envolvendo Colin Edwards e Valentino Rossi na segunda volta do GP da Malásia, 17ª etapa da temporada de 2011 da MotoGP. O piloto chegou a ser socorrido a um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos.[1] [2]

O seu funeral foi realizado na sua cidade natal no dia 27 de outubro de 2011.

Resultados na MotoGP[editar | editar código-fonte]

Ano Classe Moto 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Pos Pts
2002 125 cc Aprilia JPN RSA SPA FRA ITA CAT NED GBR GER CZE
27
POR
13
BRA
21
PAC MAL
Ret
AUS
Ret
VAL
Ret
33º 3
2003 125 cc Aprilia JPN
21
RSA
20
SPA
14
FRA
Ret
ITA
17
CAT
16
NED
20
GBR
16
GER
12
CZE
14
POR
Ret
BRA
11
PAC
Ret
MAL
11
AUS
Ret
VAL
4
21º 31
2004 125cc Aprilia RSA
Ret
SPA
1
FRA
Ret
ITA
Ret
CAT
7
NED
7
BRA
6
GER
10
GBR
Ret
CZE
19
POR
6
JPN
6
QAT
6
MAL
Ret
AUS
Ret
VAL 11º 79
2005 125cc Aprilia SPA
1
POR
10
CHN
6
FRA
5
ITA
Ret
CAT
2
NED
4
GBR
4
GER
3
CZE
3
JPN
Ret
MAL
9
QAT
3
AUS
3
TUR
6
VAL
5
177
2006 250cc Gilera SPA
Ret
QAT
8
TUR
11
CHN
6
FRA
8
ITA
7
CAT
Ret
NED
7
GBR
10
GER
Ret
CZE
9
MAL
8
AUS
10
JPN
9
POR
7
VAL
Ret
10º 92
2007 250 cc Gilera QAT
9
SPA
Ret
TUR
9
CHN
Ret
FRA
6
ITA
9
CAT
9
GBR
Ret
NED
6
GER
7
CZE
Ret
RSM
Ret
POR
7
JPN
7
AUS
7
MAL
8
VAL
11
10º 97
2008 250cc Gilera QAT
Ret
SPA
Ret
POR
2
CHN
4
FRA
2
ITA
1
CAT
1
GBR
2
NED
3
GER
1
CZE
3
RSM
6
IND
C
JPN
1
AUS
1
MAL
3
VAL
1
281
2009 250cc Gilera QAT JPN
17
SPA
3
FRA
1
ITA
2
CAT
Ret
NED
3
GER
1
GBR
4
CZE
1
IND
1
RSM
Ret
POR
1
AUS
1
MAL
3
VAL
Ret
231
2010 MotoGP Honda QAT
11
SPA
11
FRA
10
ITA
9
GBR
7
NED
9
CAT
Ret
GER
6
USA
Ret
CZE
11
IND
7
RSM
14
ARA
7
JPN
6
MAL
8
AUS
6
POR
4
VAL
6
8th 125
2011 MotoGP Honda QAT
5
SPA
Ret
POR
Ret
FRA
5
CAT
6
GBR
Ret
NED
9
ITA
5
GER
6
USA
Ret
CZE
3
IND
12
RSM
4
ARA
4
JPN
4
AUS
2
MAL
C
VAL 6º* 139
  • * Temporada em andamento.


Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre motociclismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.