Margaret Atwood

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Margaret Atwood
Nacionalidade Canadá canadiano(a)
Data de nascimento 18 de novembro de 1939
Local de nascimento Ontario, Canadá
Ocupação Romancista, poetisa, ensaísta, contista

Margaret Eleanor "Peggy" Atwood (Ottawa, 18 de novembro de 1939) é uma escritora canadense (ou canadiana): romancista, poetisa, ensaísta e contista, que foi reconhecida com inúmeros prêmios literários internacionais importantes. Recebeu a Ordem do Canadá, a mais alta distinção em seu país.

Infância[editar | editar código-fonte]

Nascida em Ottawa, Ontario, Canadá, Atwood é a segunda dos três filhos[1] de Margaret Dorothy (née Killam), uma nutricionista de Woodville, Nova Scotia[2]  e de Carl Edmund Atwood, um entomologista.[3]  Graças às pesquisas de seu pai sobre a entomologia das florestas, Atwood passou muito tempo de sua infância próxima às florestas do Norte do Quebec, viajando entre Ottawa, Sault Ste. Marie, e Toronto. Ela só foi à escola em tempo integral quando estava na oitava série. Tornou-se uma leitora voraz de literatura, de livros de mistério, de contos de fada dos Irmãos Grimm e de histórias em quadrinhos. Frequentou o Colégio Leaside High School, em Leaside, Toronto, e formou-se em 1957.[3]  Atwood começou a escrever com seis anos.

Educação[editar | editar código-fonte]

Margaret Atwood decidiu que gostaria de escrever profissionalmente quando tinha 16 anos. Em 1957, ela começou a estudar no Victoria College, na Universidade de Toronto, época em que publicou poemas e artigos no Acta Victoriana, o jornal literário da faculdade.[4]  Jay Macpherson e Northrop Frye foram seus professores. Graduou-se em 1961 no Bacharelado em Artes e Inglês (com honras), mas estudou também filosofia e francês.[3]

Após ter ganhado a Medalha E.J. Pratt, em 1961, por seu livro de poemas Double Persephone, Atwood começou a estudar no Radcliffe College de Harvard com a bolsa de estudos Woodrow Wilson. Tornou-se mestra pela Radcliffe em 1962 e continuou os estudos de pós-graduação na Universidade de Harvard por dois anos, mas não terminou a dissertação, “The English Metaphysical Romance" ("O Romance Metafísico Inglês"). Lecionou língua e literatura inglesas na Universidade de British Columbia (1965), Universidade Sir George Williams, em Montreal (1967–68), Universidade de Alberta (1969–70), Universidade York, em Toronto (1971–72), entre outras.

Em junho de 2011, Atwood recebeu um diploma honorário de Doutora em Literatura (honoris causa) da Universidade Nacional da Irlanda, Galway. Em 16 de novembro de 2012, ela recebeu um diploma honorário do Royal Military College of Canada. Ela também possui diplomas honorários de várias outras universidade canadenses, assim como da Universidade de Oxford, da Universidade de Cambridge e da Sorbonne.

Margaret Atwood e a Ficção Científica[editar | editar código-fonte]

The Handmaid's Tale recebeu o primeiro Prêmio Arthur C. Clarke Award em 1987. Também foi nomeado ao Nebula Award de 1986 e ao Prometheus Award de 1987, ambos prêmios para ficção científica. No entanto, Atwood nega a ideia de que The Handmaid's Tale e Oryx and Crake sejam ficção científica. Ao jornal The Guardian, ela afirmou que eles são ficção especulativa: "Em ficção científica tem monstro e naves espaciais; ficção especulativa poderia realmente acontecer."[5]

Margaret Atwood e o Feminismo[editar | editar código-fonte]

Atwood, que se envolveu no diálogo intelectual feminino no Victoria College, na Universidade de Toronto, frequentemente retrata personagens femininas dominadas pelo patriarcado em seus romances.[6] Ainda assim, ela nega que The Edible Woman, por exemplo, publicado em 1969 e que coincidiu com a segunda onda do movimento feminista, é feminista e alega tê-lo escrito quatro anos antes do movimento. Atwood acredita que o rótulo feminista só pode ser aplicado a escritores que conscientemente trabalham na moldura do movimento feminista.[7]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Estrela de Margaret Atwood na Calçada da Fama do Canadá.[8]

Foi ganhadora do Prêmio Arthur C. Clarke e do Prémio Príncipe das Astúrias na categoria "letras". Foi indicada várias vezes para o Booker Prize, tendo o ganhado no ano 2000 com o romance O Assassino Cego, e para o Governor General's Award, vencendo duas vezes.

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

  • The Edible Woman (1969); A mulher comestível, Editora Globo, 1987
  • Surfacing (1972), O laço sagrado, traducao: Cacilda Ferrante; adaptacao: Caio Fernando Abreu. Editora Globo, 1989.
  • Lady Oracle Madame Oráculo (1976), Madame Oráculo, trad. Lea Viveiros de Castro, Rocco, 2008
  • Life Before Man (1979), A vida antes do homem, Marco Zero, 1986; Rocco, 1995
  • Bodily Harm (1981), Lesão corporal, Rocco, 2008, trad, Ana Deiró.
  • The Handmaid's Tale (1985) - ganhador do Prémio Arthur C. Clarke de 1987 e do Governor General's Awards de 1985; (primeira edição no Brasil sob o título A história da Aia, Marco Zero, 1987 trad. Marcia Serra; segunda edição sob o título O conto da aia, 2006, Rocco, 2006. trad. Ana Deiró).
  • Cat's Eye'Olho de Gato (1988) Olho de gato, trad. Maria José Silveira, Marco Zero, 2000
  • The Robber Bride (1993), A noiva ladra, trad. de Debora Landsberg, Rocco, 2000
  • Alias Grace (1996) - vencedor do Giller Prize de 1996. Vulgo Grace, Rocco 2008
  • The Blind Assassin (2000) - vencedor do Booker Prize de 2000. O assasino cego, Rocco, 2001, 2002, tradução de Lea Viveiros de Castro, Bertrand Brasil, 2009 trad. Elisa T. S. Vieira.
  • Oryx and Crake (2003), Oryx and Crake trad. Lea Viveiros de Castro, Rocco 2004.
  • The Penelopiad A Odisseia de Penélope (2005) Rocco, 2005, trad. Celso Nogueira.
  • God's Gardeners (2009)
  • The Year of the Deluge O Ano do Dilúvio; 2009. O ano do dilúvio, Rocco , 2011, trad. Marcia Frazão)
  • MaddAddam (2013)

<[9] /ref>

Poesia[editar | editar código-fonte]

Contos[editar | editar código-fonte]

Livros infantis[editar | editar código-fonte]

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (em inglês) Margaret Atwood: Queen of CanLit. Arquivos CBC. Acesso em: 6 de abril de 2011.
  2. (em inglês) Hazel Foote, The Homes of Woodville, M.A. Jorgenson, Woodville, NS (1997), p. 109
  3. a b c (em inglês) http://www.luminarium.org/contemporary/atwood/atwood.htm
  4. (em inglês). http://actavictoriana.ca/
  5. (em inglês). Potts, Robert (2003-04-26). "Light in the wilderness"The Guardian. Acesso em 30 de maio de 2013.
  6. (em inglês) Cooke, Nathalie. Margaret Atwood: A Critical Companion. Connecticut: Greenwood Press, 2004. Print.
  7. (em inglês) Tolan, Fiona. Margaret Atwood: Feminism and Fiction. Netherlands: Rodopi B.V., 2007. Print.
  8. (em inglês) Canadaswalkoffame - Site acessado em 10 de Agosto de 2010.
  9. Fundação Biblioteca Nacional

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Margaret Atwood