Margarida de Abreu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Margarida de Abreu
Nascimento 26 de Novembro de 1915
Lisboa
Morte 29 de Setembro de 2006 (90 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal portuguesa
Ocupação coreógrafa

Margarida de Abreu (Lisboa, 26 de Novembro de 1915 - Lisboa, 29 de Setembro de 2006) é uma coreógrafa portuguesa. É identificada com a fundação do balé clássico em Portugal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Margarida de Abreu nasceu em Lisboa a 26 de Novembro de 1915.

Em 1932 viaja para Genebra, Suíça, onde frequenta o Institut Jacques Dalcroze. Prossegue os seus estudos no Deutsche Tanz Schule em Berlim e no Hellerau Laxemburg Schule em Viena. Em 1937 e 1938 frequenta estágios de ensino no Sadler’s Wells (hoje denominado Royal Ballet School).

Regressa a Portugal em 1939 para ensinar dança no curso de Teatro do Conservatório Nacional onde leccionará até se reformar, em 1986.

Em 1946 editou o seu Manifesto numa tiragem de 500 exemplares pela Bertrand Irmãos onde define a Dança como "Plástica da atitude, expressão da máscara, harmonia do movimento, contraponto do gesto, sugestão do ambiente.", onde caracteriza o Bailado como "Associação íntima e quase orquestral de dança, música, espírito e decoração" e onde levanta a ponta do véu para o início dos trabalhos do Circulo de Iniciação Coreográfica (CIC) criado por si e que começou actividade nesse mesmo ano ("...é o programa original da escola." […] "Mas vai fazê-lo com tanto entusiasmo e tanta fé que talvez o futuro não tenha ânimo de atraiçoar tão nobre ideal."). O CIC foi criado com vista a divulgar o bailado clássico através de espectáculos, colaboração em temporadas de Ópera e formação de intérpretes.

Bilhete para bailado do Circulo de Iniciação Coreográfica no Teatro Nacional de São Carlos, 1949

Entre 1946 e 1960 , percorre salas de todo o país com cerca de 40 espectáculos: Lisboa (13), Coimbra (5), Torres Novas (3), Leiria (2), Castelo Branco (2), Beja (2), Santarém, Caldas da Rainha, Algés, Covilhã, Sintra, Almada, Guimarães, Queluz, Bragança, Ovar e São João da Madeira. Entre estes, o CIC colaborou em Temporadas de Ópera no Teatro Nacional de São Carlos (TNSC) (1947/49/50) e no Coliseu de Lisboa (CL)(1952/53/54/55).

Em 1960 é convidada a remodelar e co-dirigir a Companhia de bailado Verde Gaio juntamente com o seu ex-aluno Fernando Lima, actividade que durará até 1978.

Entre 1964 e 1972 integra o Centro de Estudos de Bailado (CEB) do Instituto de Alta Cultura (vulgo Escola de Bailado do TNSC), enquanto coreógrafa.

Em 1986 reforma-se da sua actividade no Conservatório Nacional e cria o "Grupo Studium Margarida de Abreu", com sede em Lisboa.

Em 1988 colabora como coreógrafa no filme Os Canibais, sob direcção de Manoel de Oliveira e em 1992, também como coreógrafa, colabora no filme Aqui D'El Rei!, de António-Pedro Vasconcelos.[1]

Margarida de Abreu faleceu a 29 de Setembro de 2006, em Lisboa.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 1979 é feita Comendadora da Ordem de Instrução Pública, a 21 de dezembro,[2] e recebe o troféu da Casa da Imprensa. No ano seguinte recebe a Medalha Almeida Garrett, no TNSC. Em 1988 recebe o Troféu do semanário Se7e e dois anos depois, 1990, recebe a Medalha de Mérito Artístico pelo Conselho Brasileiro de Dança. A 25 de Outubro de 2005 recebe o "Prémio Annualia da Editoral Verbo" na sala Siaca do CCB, em Lisboa, pelas mãos do Presidente da República Dr. Jorge Sampaio.

Referências

  1. Margarida de Abreu (em inglês) no Internet Movie Database
  2. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2013-01-03. "Resultado da busca de "Margarida Abreu"."
  • Abreu, Margarida, Manifesto, Lisboa, Bertrand Irmãos, 1946,
  • Carmo, Simão Marcelino e, Impacto do Manifesto de Margarida de Abreu na sociedade cultural portuguesa a partir de 1946 (tr. académico não editado), Lisboa, 2010
  • Carmo, Teresa Maia e, "Margarida de Abreu" in Guedes, Fernando (dir.), Annualia 2005-2006, Lisboa, Verbo, 2005
  • Moreau, Mário, O Teatro de S. Carlos: Dois Séculos de História (vol.1), Lisboa, Hugin, 1999
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.