Marginalização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Em ecologia, marginalização é o processo social de se tornar ou ser tornado marginal (relegar ou confinar a uma condição social inferior, à beira ou à margem da sociedade).[1] Ser marginalizado significa estar sempre junto da sociedade do poeta em que se sucede

da sociedade, forçado a ocupar as beiras ou as margens e a não estar no centro das coisas. Pessoas marginalizadas não são consideradas parte da sociedade.

Pobreza[editar | editar código-fonte]

São vários os fatores que causam a marginalização na sociedade. Dentre esses, sem dúvida a pobreza é o principal. Pois, pela insuficiência orçamentária, o indivíduo entra na marginalização cultural e social, porque fica sem acesso a saúde, alimentação, moradia e educação. Isso é bastante evidente nas grandes cidades, em que muitas pessoas vivem à margem do contexto social, sem desfrutar das oportunidades e privilégios. Esses indivíduos acabam vivendo alienados da sociedade.

Fenômeno migratório[editar | editar código-fonte]

Outro fator que contribui para a marginalização social é o fenômeno migratório. As pessoas da zona rural que têm muita dificuldade de sobreviver na roça, pela falta de emprego, pela escassez de água, enfim pela vida dura no campo, alimentam a ideia de que, nas grandes cidades, vão melhorar de vida. Imaginam que lá é tudo mais fácil. Saem então da sua terra, muitos vendem o terreno que possuem e vão em busca de uma vida melhor. Só que a vida que tinham no campo não proporcionou a eles oportunidades de estudar. Com o avanço da tecnologia, eles, então, têm dificuldades de encontrarem emprego, pois as empresas necessitam de mão de obra qualificada. Como os migrantes rurais não possuem estudo, não conseguem emprego. Muitos aceitam qualquer tipo de emprego para garantir sua subsistência. E, com frequência, até as crianças são impelidas a irem à busca de seu sustento, adquirindo, assim, o subemprego, que contribui para o orçamento da família.

É muito grande a quantidade de meninos de rua que encontramos pelas cidades: várias dessas são oriundas de famílias de emigrantes. Alguns conseguem se manter e, com dificuldades, se estabilizam, mas uma grande parte dessas pessoas acaba sendo vítimas de marginalização social. Alguns, para se manterem, começam a entrar na vida do crime pelas péssimas condições de vida, moradia, saneamento básico, alimentação etc. Essa população tem maior incidência de doenças e de deficiência física e mental. Esse fenômeno é retratado na literatura brasileira, por exemplo, em clássicos como Vidas Secas (1938), de Graciliano Ramos. O livro trata de uma família nordestina composta por Fabiano, Sinhá Vitoria, filho mais novo e filho mais velho e a cachorra Baleia. A cidade da família está passando por uma terrível seca, e a família foge em busca de uma vida melhor. Na verdade, eles fogem para se livrarem da morte, que era iminente.

Deficiência[editar | editar código-fonte]

A deficiência é também um fator que causa a marginalização. O preconceito com os deficientes é muito grande, o que causa exclusão social. A palavra "deficiente" tem um sentido pejorativo em nosso mundo. Muitas vezes, é chamado de "anomalia" ou "insuficiência". Pode ser a falta de um órgão ou ausência de uma função fisiológica, uma deficiência pode ser até um sinal de marginalização. Mas a palavra "deficiente" não é negativa. Ela determina uma realidade humana. Pela realidade da sociedade tecnológica em que vivemos, que valoriza a perfeição, a deficiência é interpretada como sinal de perda de qualidade de produção. Os deficientes são marginalizados pelo sistema produtivo, pois são considerados improdutivos. A deficiência não é uma doença, mas um preconceito.[2]

Referências

  1. Mullaly, B. (2007). Oppression: The focus of structural social work. In B. Mullaly, The new structural social work (pp. 252–286). Don Mills: Oxford University Press
  2. Silva,Maria Cecília da Aprendizagem e Problemas,São Paulo: Ícone, 1997