Maria Ana da Áustria, governadora dos Países Baixos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Arquiduquesa Maria Ana da Áustria
Governadora dos Países Baixos Austríacos
Reinado 24 de março de 174416 de dezembro de 1744
Cônjuge Carlos Alexandre da Lorena
Nome completo
Maria Anna Eleonore Wilhelmine Josepha von Österreich
Casa Habsburgo
Pai Carlos VI, Sacro Imperador Romano-Germânico
Mãe Elisabeth de Brunswick-Wolfenbüttel
Nascimento 18 de setembro de 1718
Palácio Imperial de Hofburg, Viena, Áustria
Morte 16 de setembro de 1744 (25 anos)
Bruxelas, Países Baixos Austríacos
Enterro Cripta Imperial de Viena

Maria Ana Eleonora Guilhermina Josefa de Habsburgo (em alemão: Maria Anna Eleonore Wilhelmine Josepha von Österreich) (Viena, 18 de setembro de 1718 - Bruxelas, 16 de setembro de 1744) foi arquiduquesa da Áustria e princesa da Lorena, irmã mais nova da imperatriz Maria Teresa da Áustria.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria Ana nasceu no Palácio Imperial de Hofburg, em Viena. Ela e Maria Teresa foram as únicas filhas sobreviventes de Carlos VI, imperador do Sacro Império Romano-Germânico, e de Isabel Cristina de Brunswick-Wolfenbüttel. As duas irmãs foram criadas em Kaiserhof, em Viena. Durante sua juventude, ela conheceu seu futuro cunhado, Francisco Estêvão da Lorena, e o irmão mais novo deste, Carlos Alexandre da Lorena. Os dois príncipes estavam na Áustria para terem uma boa educação; a mãe deles, Isabel Carlota de Orleães, estava na França.

Em 1725, negociações com a rainha da Espanha, Isabel Farnésio, tiveram Maria Ana como possível esposa de Filipe, duque de Parma, que na época tinha apenas cinco anos de idade. Supunha-se que este arranjo estabilizasse as relações com a Espanha. Uma aliança entre a Espanha e a Áustria foi assinada em 30 de abril de 1725 e, deste modo, garantiu-se a Sanção Pragmática dos Habsburgos (que permitia o direito de Maria Teresa de suceder às terras de seu pai como sua filha mais velha), a qual foi declarada primeiramente em 1713. Baseado nos termos do tratado, o Império Austríaco abdicava de todos os direitos ao trono espanhol. Também foi acordado que a Espanha invadiria Gibraltar com a ajuda dos austríacos. Apesar disto, a Guerra Anglo-Espanhola pôs fim às ambições de Isabel de Parma e, com o Tratado de Sevilha (9 de novembro de 1729), viu o abandono dos planos de casamento austro-espanhóis.

Maria Ana apaixonou-se por Carlos Alexandre da Lorena, o irmão mais novo do esposo de Maria Teresa, Francisco Estêvão. Havia muita resistência a um casamento, não menos que o desejo de seu pai de um genro politicamente mais importante.

O futuro esposo de Maria Ana era seu primo-terceiro, ambos bisnetos do imperador Fernando III, através de dois de seus filhos, o imperador Leopoldo I e Leonor Maria da Áustria.

Foi só depois da morte de Carlos VI que Isabel Cristina de Brunswick-Wolfenbüttel deu sua aprovação para o casamento, o qual foi concluído na Igreja de Santo Agostinho, em Viena, em 7 de janeiro de 1744. O casamento foi reconhecido por carta-patente assinada no dia seguinte após a cerimônia.

Semanas depois do matrimônio, o casal foi escolhido para serem governadores dos Países Baixos Austríacos em sucessão à arquiduquesa Maria Isabel, tia de Maria Ana, falecida em 1741. Eles deixaram Viena em 3 de fevereiro e chegaram a Westwezel em 24 de março, onde foram recebidos por Carlos Fernando de Königsegg-Erps, um membro do Conselho Supremo dos Países Baixos. O casal de príncipes foi saudado com muita celebração. Uma cerimônia fora organizada para sua chegada; esta incluía um Te Deum e muitos bailes e banquetes.

Eles passaram apenas um mês juntos nos Países Baixos, pois Carlos teve que participar da guerra contra a Prússia, enquanto que Maria Ana, grávida pela primeira vez, permaneceu em Bruxelas. Carlos partiu oficialmente em 4 de maio. Durante sua estadia em Bruxelas, Maria Ana foi assistida por um estadista austríaco, o conde Venceslau Antônio de Kaunitz-Rietberg.

Em outubro de 1744, no Palácio de Carlos Alexandre da Lorena, Maria Ana deu a luz a uma criança natimorta; sem conseguir se restabelecer, ela faleceu em 16 de dezembro do mesmo ano, devido às consequências daquele parto difícil. Tanto o corpo dela quanto o de seu filho foram sepultados na Cripta Imperial de Viena. Carlos Alexandre não mais se casou e permaneceu no cargo de governador até sua morte, em 1780. Ele foi muito popular e faleceu em Bruxelas, como sua esposa.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Ana da Áustria, governadora dos Países Baixos