Maria Creuza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria Creuza
Informação geral
Nome completo Maria Creuza Silva Lima
Nascimento 26 de fevereiro de 1944
Origem (Esplanada, Bahia
País  Brasil
Gênero(s) MPB
Período em atividade 1966-presente

Maria Creuza Silva Lima (Esplanada, 26 de fevereiro de 1944) é uma cantora brasileira.

Constam da relação de seus sucessos canções como "Festa no terreiro de Alaketu" (de Antônio Carlos Pinto), "Mas que doidice" (de Antônio Carlos e Jocafi), "Eu disse adeus" (de Roberto Carlos), "Pois é" (de Chico Buarque e Tom Jobim) e "Eu sei que vou te amar" (de Tom Jobim e Vinicius de Moraes).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos dois anos de idade, Maria Creuza mudou-se com a família para Salvador. Ainda adolescente, destacou-se como crooner do grupo 'es Girls, o que lhe valeu o convite para se apresentar em programas de emissoras de rádio. Ela gravou músicas em inglês, contratada por uma gravadora local e, por quatro anos, comandou o "Encontro com Maria Creuza" (da TV Itapoan, de Salvador).

Década de 1960[editar | editar código-fonte]

Em 1966, Maria Creuza interpretou a canção "Se Não Houvesse Maria" (composta por Antonio Carlos Pinto) no festival "O Brasil Canta" (da extinta TV Excelsior). no ano seguinte, defendeu "Festa no Terreiro de Alaketu" (também de Antonio Carlos) no "III Festival de Música Popular Brasileira" (da TV Record). Naquele mesmo ano, ela gravou a canção em um compacto simples que registrou também "Abolição" (de Antonio Carlos). Em 1969, a canção "Mirante" (de Aldir Blanc e César Costa Filho) deu a Maria Creuza o o prêmio de Melhor Intérprete e o terceiro lugar no "IV Festival Universitário da Canção Popular", do Rio de Janeiro. Naquele ano, Creuza interpretou "Catendê" (de Antonio Carlos e Jocafi) no "V Festival da Música Popular Brasileira" (da TV Record).

Década de 1970[editar | editar código-fonte]

Em 1970, Maria Creuza foi convidada por Vinicius de Moraes para participar de uma excursão pelo Uruguai (em Punta del Este, com Dorival Caymmi) e Argentina (em Mar del Plata, com Toquinho). Na Argentina, a cantora baiana gravou com o poeta e Toquinho o álbum "Vinícius En La Fusa com Maria Creuza e Toquinho", um dos melhores LPs gravados ao vivo da música brasileira. No repertório, Maria Creuza interpretou, entre outras canções do poeta, "A Felicidade", "Garota de Ipanema", "Eu Sei Que Vou Te Amar" (canção que contou ainda com a declamação pelo poetinha de "Soneto da Fidelidade", para delírio do público argentino), '"Se Todos Fossem Iguais" e "Lamento no Morro" (todas de Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Canto de Ossanha" (canção muito aplaudida pela platéia argentina) e "Samba em Prelúdio" (ambas de Vinícius e Baden Powell), "Minha Namorada" (de Vinícius e Carlos Lyra - além da belíssima interpretação de "Catendê".

No ano seguinte, ela gravou o seu melhor álbum, "Yo... Maria Creuza", contendo as faixas "Mas que Nada" (de Jorge Ben), "Dindi" (de Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), "Chega de Saudade" (de Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Por Causa de Você" e "Estrada do Sol" (ambas de Tom Jobim e Dolores Duran), "Das Rosas", "Saudade da Bahia" e "Marina" (todas de Dorival Caymmi), "Chove lá fora" (de Tito Madi), "Corcovado" (de Tom Jobim), "O Cantador" (de Dori Caymmi e Nelson Motta) e "Maria vai com as outras" (de Toquinho e Vinicius de Moraes).

Em 1972, Maria Creuza lançou com Vinicius de Moraes e Toquinho o álbum "Eu sei que vou te amar", que incluia ainda "Se Todos Fossem Iguais A Você" e "Que Maravilha" (de Toquinho e Jorge Ben), entre outras, seguindo em turnê na França e na Itália. Naquela ano, ela gravou o LP "Maria Creuza". Em 1973, a cantora lançou o disco "Eu disse adeus", com destaque para a faixa-título do LP (de Roberto Carlos), "Feijãozinho com Torresmo" (de Walter Queiroz) e "Apelo" (de Baden Powell e Vinicius de Moraes). O álbum foi lançado também em espanhol para o mercado europeu.

No ano seguinte, foi lançado o álbum "Sessão Nostalgia", contendo entre outras "Para falar a verdade" (de Rildo Hora e Sergio Cabral) e "Vingança" (de Lupicínio Rodrigues). Participou ainda naquele ano do "II Festival Mundial de Música Popular", em Tóquio (Japão), com a canção "Que diacho de dor" (de Antonio Carlos e Jocafi), premiada com o segundo lugar. Em 1975, foi lançado "Maria Creuza e os grandes mestres do samba", com destaque para as faixas "Chega pra lá" (de Élton Medeiros e Joacyr Santana) e "Amor de mãe" (de Nelson Cavaquinho e Guilherme de Britto).

Em 1977, Maria Creuza gravou "Meia noite", álbum que registrou canções como "Dom de iludir" (de Caetano Veloso) e "Onde anda você" (de Vinicius de Moraes e Hermano Silva) e também participou da trilha sonora do filme "Os pastores da noite" - lançada em LP posteriormente. No ano seguinte, foi lançado o disco "Doce veneno", que incluiu "Trocando em miúdos" (de Chico Buarque e Francis Hime) e "Último desejo" (de Noel Rosa). Em 1979, foi gravado o álbum "Pecado", com destaque entre outras para "Tempo de voar" (de Carlinhos Vergueiro, J. Petrolino e Toquinho) e "Começaria tudo outra vez" (de Gonzaguinha).

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Na década de 1980, foram lançados os álbuns "Maria Creuza" (1980), "Sedução" (1981), "Poético" (1982, dedicado a Vinicius de Moraes), "Paixão acesa" (1985), "Pura magia" (1987), "Da cor do pecado" (1989) e "Com acúcar e com afeto" (1989).

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Em 1991, Maria Creuza gravou "Todo sentimento", álbum que incluia "Na baixa do sapateiro" (de Ary Barroso) e "Chuvas de verão" (de Fernando Lobo). Dois anos depois, a cantora participou do songbook de Vinicius de Moraes, dividindo com Carlos Lyra a faixa "Samba da bênção" (de Baden Powell e Vinicius de Moraes). Em dezembro de 1998, Maria Creuza integrou o elenco de cantores que apresentou, no auditório da Academia Brasileira de Letras, as "14 Canções do Século" - escolhidas pela crítica especializada do Rio de Janeiro e de São Paulo para celebrar o centenário da Academia. Em 1999, Maria gravou en Espanha -com direção musical, produção e arranjos de Gabriel Sopeña e Mauricio Villavecchia- La Mitad del Mundo/A metade do Mundo. O disco obteve criticas excelentes, por sua proposta que acercava a Bossa tradicional a sons mediterráneos, pontuada por momentos como as enfatizadas versões de Samba em Prelúdio (Baden Powell e Vinicius, dueto com Toquinho) e Dama do Casino, de Caetano Veloso; e foi acompanhado de uma ampla gira em 2000 e 2002. Ademais, Maria cantou em espanhol La Mitad del mundo (de Gabriel Sopeña) e Istambul, com texto escrito por ela misma.

Presente[editar | editar código-fonte]

Em 2001, seus LPs "Eu disse adeus" (1973) e "Poético" (1982) foram relançados e dois anos depois a cantora gravou o álbum "Você e eu", interpretando obras de Vinicius de Moraes, que contou com a participação de Roberto Menescal ao violão. Em 2006, foi lançado o álbum "Maria Creuza Ao Vivo", gravado no Teatro Guaíra (de Curitiba). No repertório, "A Felicidade", "Eu sei que vou te amar", "Chega de saudade", "Garota de Ipanema", "Tarde em Itapoã" (de Toquinho e Vinicius de Moraes), "Berimbau" (de Baden Powell e Vinicius de Moraes), "Rosa Morena" (de Dorival Caymmi) e "Você abusou" (de Antonio Carlos e Jocafi), entre outras.

Atualmente, Maria Creuza tem realizado concertos regularmente no Vinicius Bar, no Rio de Janeiro, alternadas a apresentações na Europa.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Festa no terreiro de Alaketu/Abolição (1967) Compacto simples
  • Vinicius de Moraes en La Fusa (1970)
  • Yo... Maria Creuza (1971) RGE LP, CD
  • Maria Creuza (1972) RGE LP
  • Eu sei que vou te amar. Vinicius de Moraes, Maria Creuza e Toquinho (1972) RGE LP
  • Eu disse adeus (1973) RCA Victor LP
  • Sessão nostalgia (1974) RCA Victor LP
  • Maria Creuza e os grandes mestres do samba (1975) RCA Victor LP
  • Meia noite (1977) RCA Victor LP
  • Doce veneno (1978) RCA Victor LP
  • Pecado (1979) RCA Victor LP
  • Maria Creuza (1980) RCA Victor LP
  • Sedução (1981) RCA Victor LP
  • Poético (1982) RCA Victor LP
  • Paixão acesa (1985) Arca Som LP
  • Pura magia (1987) Arca Som LP
  • Da cor do pecado (1989) Som Livre LP
  • Com açúcar e com afeto (1989)
  • La Mitad del Mundo/A Metade do Mundo (1999) Zanfonia CD
  • Você e eu (2003) Albatroz CD
  • Maxximum (Maria Creuza) (2005) Sony BMG CD
  • Maria Creuza ao vivo (2006) Albatroz CD
  • Creuza e Gabriel (2007) Albatroz CD

Ligações externas[editar | editar código-fonte]