Maria Esperança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria Esperança
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Criador(es) Inés Rodena
(obra original)
Yves Dumont
(adaptação)
Thereza di Giácomo
(supervisão de texto)
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Jacques Lagoa
Luís Antônio Piá
Henrique Martins
(direção geral)
David Grimberg
(direção de núcleo)
Elenco Bárbara Paz
Ricardo Ramory
Tânia Bondezan
Norton Nascimento
Nico Puig
Clarisse Abujamra
Ângela Figueiredo
Walter Breda
Vanessa Goulart
Ernando Tiago
ver mais
Tema de abertura "Maria Esperança", Bárbara Paz
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil SBT
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 26 de março de 20077 de agosto de 2007
N.º de episódios 97 (original)
95 (reprise)
Cronologia
Último
Último
Amigas e Rivais
Próximo
Próximo
Programas relacionados La italianita (1973)
Rina (1977)
Rubí rebelde (1989)
María Mercedes (1992)
Inocente de ti (2004)

Maria Esperança foi uma telenovela brasileira produzida e exibida pelo SBT entre 26 de março e 7 de agosto de 2007, foi substituída por Amigas e Rivais.

Escrita por Yves Dumont com supervisão de texto de Thereza di Giácomo, adaptada da radionovela de Inés Rodena, Enamorada, baseado em outro remake, Maria Mercedes, teve direção de Jacques Lagoa e Luís Antônio Piá, direção geral de Henrique Martins e direção de núcleo de David Grimberg.

Contou com Bárbara Paz, Ricardo Ramory, Tânia Bondezan, Nico Puig, Manoelita Lustosa, Ângela Figueiredo, Vanessa Goulart, Ernando Tiago, Greta Antoine, Bárbara Bruno e Fabiana Alvarez nos papéis principais.

Foi reexibida pelo SBT entre 17 de janeiro e 31 de maio de 2011, em 95 capítulos, substituindo Esmeralda e antecedendo Cristal.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Maria Esperança é baseada na radionovela Enamorada escrita por Inés Rodena, que em 1973 foi transformada na telenovela venezuelana La italianita, produzida pela RCTV, a mesma ainda levaria ao ar Rubí rebelde em 1989. A mexicana Televisa produziu três telenovelas baseadas na radionovela: Rina em 1977, María Mercedes em 1992 e Inocente de ti em 2004. Ainda seria produzida nas Filipinas María Mercedes, produzida em 2013 pela ABS-CBN.

Produção[editar | editar código-fonte]

A parceira da Televisa no Brasil, o SBT, levou ao ar duas das adaptações feitas pela Televisa, Rina e María Mercedes, sendo que desta última, protagonizada por Thalía, foi a base de Maria Esperança.[1] O plano da rede de Silvio Santos era fazer de Bárbara Paz uma nova Thalia.[1] O SBT pagou um curso intensivo de canto para Bárbara Paz e escalou um produtor musical para acompanhá-la. A atriz gravou um rap que deixou os executivos do SBT muito entusiasmados.[1] Durante a produção musical, a proposta era que Bárbara cantasse todas as músicas do CD de Maria Esperança, mesclando músicas inéditas com regravações.[1] O SBT teria participação na venda dos CDs e nos eventuais shows de Bárbara Paz.[1] Ainda, caso Maria Esperança fizesse sucesso, o SBT pretendia produzir as outras duas novelas da chamada Trilogía de las Marías, Marimar e Maria do Bairro, sempre com Bárbara Paz como protagonista. E, se Bárbara desse certo como cantora, ela interpretaria também as trilhas sonoras das duas outras telenovelas.[1] Bárbara Paz também fez aulas de malabarismo e cantou na abertura da trama,[2] mas afirmou que não pretende seguir a carreira de cantora, "Gravei apenas o videoclipe da abertura. Posso até eventualmente fazer uma apresentação ou outra, mas não tenho essa pretensão",[3] e disse que Maria Esperança não teria tantas lágrimas quanto Marisol, "Não choro tanto quanto na época da Marisol. Maria é mais guerreira", disse a atriz.[3] Esta foi a décima primeira produção do SBT em parceria com a Televisa.[2]

Granja Viana, Alphaville e a faculdade Anhembi Morumbi, em São Paulo, serviram de locações externas para a telenovela.[2]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Em março de 2007, pouco antes da estreia, o Ministério da Justiça classificou a telenovela como imprópria para menores de 14 anos, inadequada para antes das 21h. O SBT a queria livre.[4] Mas em junho de 2007, com a telenovela no ar, o Ministério da Justiça instaurou um procedimento administrativo em que ameaçou reclassificar para as 21h por ter mostrado uma personagem levando tiros, o que levou o ministério a concluir que a telenovela apresenta "violência do tipo assassinato", algo que, na cartilha do órgão, não deve ser mostrado a menores de 12 anos. O SBT argumentou que os tiros eram "artisticamente necessários para dar lógica à seqüência dos acontecimentos" e que suprimiu "detalhamentos de porte e uso de armas".[5]

Maria Esperança foi chamada pelo site Teledramaturgia de "Uma das mais fracas novelas do SBT da década".[2] A revista ISTOÉ Gente definiu a telenovela escrevendo "cenários pobres, iluminação falha e texto esquisito. Por mais que bons atores como Tânia Bondezan e Walter Breda se esforcem, uma óbvia direção de elenco os transforma em estereótipos. Dizem que a esperança é a última que morre, mas a vida desta não parece ser muito longa".[6]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Maria Esperança foi anunciada pelo SBT junto com as outras atrações Charme, Você É o Jurado e SBT Realidade, lançados com o slogan A concorrência vai tremer.[6] Mas estreou com um péssimo índice: 2 pontos. Nas primeiras semanas foi marcando entre 2 e 4 pontos, até bater seu recorde dia 2 de maio de 2007 onde atingiu média de 6 pontos. Depois desse dia, a trama foi subindo na audiência e fechou sua penúltima semana com ótima média de 7 pontos. Seu último capítulo, exibido em 7 de agosto de 2007 marcou média de 8 pontos e picos de 10. Sua reprise estreou em 17 de janeiro de 2011 marcando 6 pontos. A trama atingiu médias entre 5 e 7 pontos. Seu último capítulo em 31 de maio marcou 7 pontos e picos de 10, tendo média geral de 5 pontos, assim como na sua exibição original.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Maria é uma jovem que sustenta sozinha a família, vendendo flores e bilhetes de loteria pelas ruas. Abandonada pela mãe ainda quando criança, ela vive com o pai, Ramiro, um alcoólatra que nunca teve como sustentar os filhos, e os irmãos: Guilherme, jovem revoltado e problemático, Isabel, adolescente fútil e ambiciosa, e André, um adorável garoto de princípios, no fundo o único que valoriza a luta de Maria para manter a família unida.[7] Sua mãe, Maria Helena, deixou os filhos por uma vida melhor nos Estados Unidos. No país, ela reconstruiu sua vida e teve mais um filho.

Santiago Trajano Queiróz é um homem rico e amargurado, milionário, detesta os poucos parentes que tem – a tia Malvina e os primos Eduardo e Beatriz - ele, apesar de ser jovem, sofre de um câncer incurável, planeja deixar seus parentes sem nada. Santiago conhece Maria vendendo bilhetes na porta de sua casa e tem a ideia de casar-se com ela e deixar todo seu dinheiro para Maria.

Enquanto Malvina é uma mulher ambiciosa, que faz de tudo para conquistar o que deseja, seu filho Eduardo é um rapaz esforçado, que guarda uma triste história – sua noiva foi morta ao sair da igreja no dia do casamento, fato presenciado por Maria. Eduardo conhece Maria vendendo bilhetes no sinal e se encanta com ela.[7]

Malvina mata Santiago, sem saber que ele casou com Maria e quando descobre fica revoltada e move céus e terras para tomar o dinheiro dela. Ao saber que ela é apaixonada por Eduardo, Malvina manipula seu filho e faz com que ele se case com Maria para que assim possa controlá-la e tomar seu dinheiro, mas sem querer ele acaba se apaixonando. Malvina não aceita isso e com ajuda do seu mordomo Aurélio e de uma antiga namorada de Eduardo, Renata, tenta mantê-los afastados e acabar de vez com Maria. Enquanto Maria Helena, volta dos Estados Unidos, e se aproxima de sua antiga família sem mostrar sua real identidade.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Bárbara Paz interpretou Maria "Esperança" Muniz Hurtado Trajano Queiroz.
Ator Personagem
Bárbara Paz Maria Muniz Hurtado Trajano Queiroz[7] [8]
Ricardo Ramory Eduardo Trajano Queiroz
Tânia Bondezan Malvina Trajano Queiroz
Nico Puig Santiago Trajano Queiroz[7]
Walter Breda Ramiro Hurtado[7]
Ângela Figueiredo Maria Helena Muniz Cavalcanti
Fabiana Alvarez Renata Albuquerque
Giácomo Pinotti Rodolfo Cavalcanti
Vanessa Goulart Beatriz Trajano Queiroz maia
Greta Antoine Isabel Muniz Hurtado[7]
Rafael Paiva Teodoro "Téo"
Manoelita Lustosa Filomena "Filó" Beiju[7]
Clarisse Abujamra Rosa Canales
Rogério Márcico Otávio Camargo
Bárbara Bruno Eugênia Albuquerque
Ernando Tiago Aurélio Vasconcelos
César Pezzuoli Dr. Alberto Medeiros
Suzana Abranches Augusta "Guta"
Marcelo Várzea Giovanni "Gigio" Lucarelli
Débora Gomez Camila de Jesus
Mariana Dubois Sofia Canales
Liza Vieira Taís
Fernando Neves Argemiro Mascarenhas (Bafo)
Pablo Rodrigues Francisco Oliveira dos Santos (Chico Só)
Norton Nascimento Bento de Jesus
Maria Célia Camargo Dona Conceição
Maurício Agrella Gabriel Soares
Kika Julianelli Laura
Ana Saab Malu
Caio Romei Caco
Andrez Ghizze Totó
Wellington de Oliveira locutor Willy Junior
Eduardo Paiva Felipe
Ana Paula Vieira Fabíola
Adriana Ferrari Rafaela
Fabiana Meyreles Ermínia
Daniel Morozetti Guilherme Muniz Hurtado[7]
Alejandra Sampaio Suelly
Maurício de Barros Adolfo (Chaveirinho)
Kelly Nascimento Gilda
Augusto Zacchi Thomás
Alexandre Sertor Bisteca
Camila Mahara Tina
Rafael Chagas André "Andrézinho" Muniz Hurtado[7]
Renan Bega Danilo (Grilo)
Daniel Amaral Gustavo "Tavito" Muniz Cavalcante
Cauê Bonifácio João (Jardineiro)
Valéria Simeão Helena
Carolina Maia Felipa
Flávia Tavares Josefa
Welder de Lavor Florista

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Maria Esperança
Trilha sonora de vários artistas
Lançamento 2007
Gênero(s) vários
Gravadora(s) SBT Music

Capa: Bárbara Paz

Ouça o artigo (info)
Este áudio foi criado a partir da revisão datada de 17 de janeiro de 2013 e pode não refletir mudanças posteriores ao artigo (ajuda com áudio).

  1. Maria Esperança - Bárbara Paz
  2. Você É Tudo - Jorge Vercilo
  3. História de Amor - Fafá de Belém
  4. Me Liga - Felipe Dylon
  5. Sentimental - Fernanda Porto
  6. Jardim Secreto - Acustika
  7. Não Vou Ficar - Duda Monteiro
  8. As Quatro Estações - Vânia Abreu
  9. Nosso Amor É Assim - Leandro Lopes
  10. Vai - Alma D'jem
  11. Melhores Dias de um Verão - Flávio Venturini
  12. Um Dia Normal - Paralelo 8
  13. A música em mim - Fred Martins e Zélia Duncan
  14. Beatriz - Zizi Possi
  15. Luna Rossa - Fred Rovella

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

País Canal
 Angola TV Zimbo
 Portugal tvi

Versões[editar | editar código-fonte]

Maria Esperança está baseada na radionovela Enamorada escrita por Inés Rodena, outras versões que foram produzidas com base nesta radionovela foram:

Referências

  1. a b c d e f Daniel Castro (14 de fevereiro de 2007). SBT faz Bárbara Paz virar cantora até de rap Folha de São Paulo UOL. Visitado em 7 de novembro de 2014.
  2. a b c d Maria Esperança Teledramaturgia. Visitado em 7 de novembro de 2014.
  3. a b Fernando Oliveira (26 de março de 2007). A nova mexicana do Silvio ISTOÉ Gente Terra Networks. Visitado em 7 de novembro de 2014.
  4. Daniel Castro (15 de março de 2007). Água fria Folha de São Paulo UOL. Visitado em 7 de novembro de 2014.
  5. Daniel Castro (28 de junho de 2007). Pólvora Folha de São Paulo UOL. Visitado em 7 de novembro de 2014.
  6. a b A concorrência não tremeu ISTOÉ Gente Terra Networks (9 de abril de 2007). Visitado em 7 de novembro de 2014.
  7. a b c d e f g h i Fernanda Crancianinov (26 de março de 2007). "Maria Esperança" do SBT distribui conflitos para todos os gostos (em português) Folha Online. Visitado em 1 de janeiro de 2012.
  8. Fernando Oliveira (2007). A nova mexicana do Silvio (em português) ISTOÉ Gente. Visitado em 1 de janeiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]