Maria, Princesa Real e Princesa de Orange

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Maria Henrietta Stuart)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Maria Henriqueta
Princesa Real
Princesa de Orange
Cônjuge Guilherme II de Orange
Descendência
Guilherme III
Casa Stuart
Pai Carlos I de Inglaterra
Mãe Henriqueta Maria da França
Nascimento 4 de novembro de 1631
Londres, Inglaterra
Morte 24 de dezembro de 1660 (29 anos)
Enterro Canterbury, Inglaterra

Maria Henriqueta Stuart (em inglês: Mary Henrietta Stuart; em neerlandês: Maria Henriëtte Stuart), Princesa Real, Princesa de Orange e Condessa de Nassau (4 de novembro de 1631 - 24 de dezembro de 1660) foi a filha mais velha do rei Carlos I de Inglaterra e da sua consorte, Henriqueta Maria. Ela foi esposa de Guilherme II, Príncipe de Orange e Conde de Nassau, e foi a mãe do rei Guilherme III de Inglaterra. Maria Stuart ou de Orange, como ela também era conhecida, foi a primeira filha de um britânico soberano a deter o título de Princesa Real.

Infância e Adolescência[editar | editar código-fonte]

Maria Stuart nasceu no Palácio de St. James, em Londres. O seu pai, Carlos I, a coroou Princesa Real em 1642, estabelecendo assim a tradição de que a filha mais velha do soberano britânico ostentasse esse título. O título veio a ser criado quando a rainha consorte Henriqueta, filha do rei Henrique IV de França, imitou a forma como a filha mais velha do rei da França era intitulada em estilo francês (Madame Real). Até essa altura, a filha mais velha do monarca inglês e escocês tinha diversos títulos diferentes como Lady ou Princesa (as filhas mais jovens dos reis britânicos não foram consistentemente intituladas no estilo Sua Alteza Real até a ascensão de Jorge I, em 1714).

Casamento[editar | editar código-fonte]

Seu pai quis casar a princesa real com o filho de Filipe IV, rei da Espanha, enquanto seu primo, Karl Ludwig, o eleitor palatino, era também um pretendente para a mão dela. Ambas as propostas foram rejeitadas, pois já ela estava noiva de Guilherme, filho e herdeiro de Frederico-Henrique, príncipe de Orange e das Províncias Unidas, e de Amália de Solms-Braunfels. O casamento ocorreu em 2 de maio de 1641 em Londres, mas não foi consumado por vários anos, devido à pouca idade da noiva. No entanto, em 1642, Maria foi para a República Holandesa com a sua mãe, a rainha Henriqueta e, em 1644, ela começou a tomar o seu lugar na vida pública.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Casamento da princesa Maria Henriqueta Stuart com o príncipe Guilherme II por Antoon van Dyck, no Rijksmuseum
Casamento da princesa Maria Henriqueta Stuart com o príncipe Guilherme II por Antoon van Dyck, no Rijksmuseum
O filho de Maria Stuart, Guilherme, Príncipe de Orange, posteriormente rei Guilherme III
O filho de Maria Stuart, Guilherme, Príncipe de Orange, posteriormente rei Guilherme III

Em março de 1647, seu marido, Guilherme II, sucedeu seu pai. No entanto, em novembro de 1650, ele morreu de varíola. O único filho do casal, Guilherme (mais tarde, Guilherme III), nasceu poucos dias depois de seu falecimento. A princesa de Orange, viúva, foi obrigada a compartilhar a guarda do seu filho recém-nascido, com a avó Amália, a viúva de Frederico-Henrique, príncipe de Orange. Ela era impopular entre os holandeses, devido à sua simpatia com a sua família, os Stuarts, e devido à opinião pública, que estava zangada devido À sua hospitalidade demonstrada para com os seus irmãos, os exilados Carlos II e o duque de York (mais tarde, James II); ela estava proibida de receber seus familiares. De 1654 a 1657, a princesa passou a maior parte de seu tempo fora da Holanda.

Em 1657, ela se tornou regente em nome de seu filho para o Principado de Orange, mas as dificuldades da sua posição levaram-na a implorar a ajuda de Luis XIV, o rei francês, que respondeu pela apreensão Orange. A Restauração de Carlos II, na Inglaterra e na Escócia, reforçou bastante a posição da viúva princesa de Orange e do seu filho, na Holanda. Em setembro de 1660, ela retornou à Inglaterra.

Morreu de varíola em Londres, e foi enterrada na Abadia de Westminster. Mais tarde em 1689, o seu filho, Guilherme III, se tornou Rei da Inglaterra, da Escócia e da Irlanda, além de se tornar Príncipe de Orange.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.