Mary Donaldson, Princesa Herdeira da Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mary
Princesa Herdeira da Dinamarca
Condessa de Monpezat
Cônjuge Frederico, Príncipe Herdeiro da Dinamarca
Descendência
Príncipe Christian
Princesa Isabella
Príncipe Vincent
Princesa Josefina
Nome completo
Maria Elizabeth Donaldson
Pai John Dalgleish Donaldson
Mãe Henrietta Clark Donaldson
Nascimento 5 de Fevereiro de 1972 (42 anos)
Hobart, Tasmânia, Austrália
Família real dinamarquesa
Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
Royal coat of arms of Denmark.svg

SM a Rainha
SAR o~ Príncipe Consorte


SAR a princesa Benedita
SAS o príncipe Richard


SM a Rainha dos Helenos
SM o Rei dos Helenos



Mary Elizabeth, Princesa Herdeira da Dinamarca, Condessa de Monpezat, (em dinamarquês Mary Elizabeth, Kronprinsesse af Danmark, grevinde af Monpezat, nascida Maria Elizabeth Donaldson; Hobart, 5 de Fevereiro de 1972) é a esposa de Frederico, Príncipe Herdeiro da Dinamarca.

Família[editar | editar código-fonte]

Maria Isabel nasceu a 5 de Fevereiro de 1972, em Hobart, na Tasmânia, Austrália.

A princesa é a filha mais nova de John Dalglesh Donaldson (Porto Seton, Escócia, 05 de setembro de 1941), bacharel em Matemática pela Universidade de Edimburgo em 1963 e com um doutorado pela Universidade da Tasmânia em 1967, onde foi professor de Matemática Aplicada, chefe do departamento e reitor, e também trabalhou e pesquisou na Nasa, nas Universidades de Houston, Montreal, Oxford, koreanske Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia (KAIST), Aarhus e Copenhague. Sua mãe, já falecida, era Henrietta Clark Donaldson (Porto Seton, Escócia, 12 de maio de 1942 - Tasmânia, 20 de novembro, 1997), que foi assistente executiva do vice-reitor da Universidade da Tasmânia e faleceu de complicações relacionadas a uma cirurgia do coração. Henrietta e John casaram-se em Edimburgo, Escócia, a 31 de Agosto de 1963 e emigraram para a Austrália em Novembro do mesmo ano. Viúvo, o professor John Donaldson casou-se novamente, em 5 de setembro de 2001, com Susan Moody (Oxford, Reino Unido, 18 jan 1940), uma autora da Grã-Bretanha. Maria tem três irmãos, Jane Alison Stephens, um farmacêutico, nascido em 26 de dezembro de 1965, Patricia Anne Bailey, enfermeira, nascida em 16 de março, 1968, e John Stuart Donaldson, um geólogo, nascido em 09 de julho de 1970.[1] [2] [3] [4] [5] [6]

Devido ao local de nascimento de seus pais, Maria possuía dupla cidadania, britânica e australiana. O nome de Maria ('Maria Isabel') é o mesmo nome de sua avó paterna.

Educação[editar | editar código-fonte]

Primeira Educação[editar | editar código-fonte]

Ingressou na escola em 1974, em Clear Lake City Elementary School, em Houston, Texas. Frequentou a Pré-escolar Sandy Bay de 1975 a 1977. De 1978 até 1982, ela estudou na Escola Primária Waimea Heights. Seguiu os estudos na Taroona High School de 1983 a 1986, e depois continuou os seus estudos no Colégio Hobart Matriculation para os próximos dois anos. Maria revelou que se dedicou a atividades extra-curriculares na escola relacionadas à música e ao esporte. Estudou piano, tocava clarinete e evoluiu até tocar flauta, no Waimea Heights. No Taroona High School, Maria era capitã das meninas do hóquei, participava das equipes de natação e era muito envolvida em atividades equestres, o que a levou a montar competitivamente em seu cavalo, Diana. No Hobart Matriculation atuou no time de basquete até terminar seus estudos. Segundo seus colegas, ela frequentava aulas mais avançadas de Ciência, Matemática, Inglês e se desempenhava bem em todas as disciplinas, mas era notável, especialmente em matemática, ciências e esportes.

Ensino Superior[editar | editar código-fonte]

Maria matriculou-se na Universidade da Tasmânia, em 1989 e graduou-se, em 1994, como Bacharel em Direito e Comércio (Bachelor of Commerce and Law - BCom.LLB). Na universidade deu um vislumbre do que seria um de seus interesses como futura princesa: escreveu uma análise sobre a violência doméstica, “The Battered Wives Syndrome” (Síndrome das Mulheres Maltratadas), que tratava sobre legítima defesa, de como a violência doméstica afeta o padrão reacional e comportamental das mulheres.[7]

Em 1993, segundo revelou, foi finalista na maioria dos tribunais da universidade, um fórum onde estudantes de Direito fazem a prática de apresentar os seus argumentos com peso e convicção. No entanto, após concluir a sua formação universitária com dois graus, não trabalhou como advogada, mas continuou seus estudos e carreira baseada em seus estudos de Comércio.

Após se graduar, Maria iniciou um programa de pós-graduação e qualificou-se, entre 1994 e 1996, com um certificado de Publicidade e Propaganda da Federação de Publicidade da Austrália (The Advertising Federation of Australia - AFA[8] ) e um certificado de Marketing Directo da Associação de Marketing Directo da Austrália (Australian Direct Marketing Association - ADMA[9] ).

Idiomas[editar | editar código-fonte]

A sua língua materna é o inglês, e o dinamarquês é a sua segunda língua. Ela estudou francês e passou uma temporada de cinco meses em Paris.[10]

Carreira Profissional[editar | editar código-fonte]

Os Principes da Dinamarca no Casamento Real da Suécia

Maria teve uma carreira constante na área de marketing e publicidade e trabalhou em Melbourne, Sydney, Edimburgo, Paris e Copenhague. Enquanto estudava, Maria foi assistente na empresa de relações públicas Kingcash que tinha como diretor, entre 1993 a 1995, seu então namorado Brent Annells, com quem ela manteve um relacionamento de 7 anos durante os anos 90 [11] . Conforme detalhado em suas biografias[12] [13] [14] , após a conclusão de sua formação universitária, mudou-se para Melbourne, qualificou-se nos domínios da comercialização e conquistou um estágio com a agência mundial de publicidade DDB Needham, em 1995. Rapidamente, após o término do programa de pós-graduação ela foi promovida ao cargo de Executivo de Contas para clientes de gestão. Dezoito meses mais tarde, em 1996, foi contratada para uma posição como Gerente de Contas com MOJO Partners, atualmente publicis MOJO, empresa em que permaneceu por 2 anos, também em Melbourne. Em 1998, seis meses após a morte de sua mãe, renunciou ao cargo para viajar extensivamente na América e na Europa, especialmente no Reino Unido, e em particular na terra natal de seus pais, a Escócia, onde ela aceitou um contrato de três meses como Gerente de Contas com Rapp Collins Worldwide de Edimburgo. Em Sydney, Maria exerceu desde o início de 1999 a função de Directora de Contas da agência internacional Young & Rubicam. Entretanto, foi convidada para o cargo de Primeira Diretora de Vendas da agência de publicidade Love Branding, empresa onde trabalhava quando conheceu Frederik, e para lá transferiu-se em Junho de 2000 mas permaneceu por um curto período de tempo. Obteve a posição de Directora de Vendas e membro da Equipe de Administração de uma agência imobiliária australiana especializada em imóveis de luxo, a Belle Proprieties[15] . Maria tranferiu-se para lá na primavera (australiana) de 2000 e ali permaneceu até dezembro de 2001, quando, por fim, tomou a decisão de mudar para a Europa, onde ficaria mais perto de Frederik. No primeiro semestre de 2002, Maria trabalhou por um curto período em Paris, onde ensinou inglês em uma escola de negócios inglesa, a Business English School. Na Dinamarca foi contratada pela Microsoft Business Solutions com um projeto de Consultora para o desenvolvimento empresarial, comunicação e marketing e lá permaneceu por um ano, de 5 de setembro de 2002 até pouco antes do seu noivado em 24 de setembro de 2003.

Namoro e Casamento com o Príncipe Frederico da Dinamarca[editar | editar código-fonte]

Namoro[editar | editar código-fonte]

Os príncipes herdeiros Frederico da Dinamarca e Maria Donaldson.

Maria conheceu Frederico num bar de Sydney, durante as Olimpíadas de 2000, no dia 16 de Setembro. Maria recorda-se que seu primeiro encontro com Frederico foi por acaso, já que ela decidiu no último momento aceitar o convite de um dos seus colegas de apartamento para conhecer uns espanhóis que estavam participando dos jogos. Na verdade, se tratava de uma festa de alguns australianos e dois sobrinhos do rei espanhol, mais o Príncipe Frederico, o Príncipe Joaquim, Príncipe Nicolau da Grécia e a Princesa Marta Luísa da Noruega. Maria inicialmente ignorava suas identidades: "Eu não sabia quem eles eram. Meia hora depois, um dos meus colegas me perguntou: Você sabe que essas pessoas são os príncipes e a princesa?". A própria anfitriã da noite, Beatrice Tarnawski, reconheceu, em entrevista de 2002, que desconhecia que os príncipes estariam presentes: "Tínhamos combinado de nos encontrar com o sobrinho do Rei da Espanha, Bruno Alejandro Gomez-Acebo, a quem conheci através da minha irmã. Bruno tinha acabado de chegar em Sydney com alguns amigos, assim que eu chamei Maria Donaldson e Andrew Miles [amigo comum com Maria ] para se juntar a mim (...). Quando chegamos ao hotel Regent (...) o sobrinho do rei trazia consigo uma surpresa: um grupo de príncipes europeus (incluindo Martha Louise da Noruega), que queria conhecer a cidade (...) eu decidi ir com meu plano e fui para o Slip Inn (...). Esse foi o princípio". Enquanto isso, Maria estava à espera a frente do bar, quando Frederico chegou e a cumprimentou apresentando-se como Fred[16] [17] . Maria relata que sentou-se entre o seu atual marido, Príncipe Frederico e o irmão dele, Príncipe Joaquim. Ela lembra-se que eles começaram a conversar e simplesmente não pararam desde então. Frederico viajou secretamente diversas outras vezes para visitar Maria em Sydney, e eles começaram a namorar em segredo.

Aparição pública[editar | editar código-fonte]

Em 15 de Novembro de 2001, a revista dinamarquesa Billed Bladet é a primeira a publicar a foto de Maria Donaldson, como a namorada australiana do Príncipe Frederico. Em Janeiro de 2003, em Hobart, Frederico e Maria dão a sua primeira aparição pública de afeto, um beijo no rosto diante de vários fotógrafos. Maria Donaldson passa a ser a namorada oficial do Príncipe Herdeiro da Dinamarca.

Noivado[editar | editar código-fonte]

Por volta de Setembro de 2003, Frederico e Maria viajaram para Roma, Itália, onde se acredita que Frederico pediu Maria em casamento. John Donaldson, pai de Maria , disse que, enquanto estava trabalhando na Coreia, ele recebeu uma carta de Frederico pedindo a mão de sua filha em casamento. Depois, houve uma conversa por telefone e o Sr. Donaldson ficou muito feliz que o Príncipe realizou o processo formal. John Donaldson, cedeu a mão de sua filha e acreditou que ele seria um bom marido para ela.

Em 24 de setembro de 2003, a Corte dinamarquesa anunciou que a Rainha Margarida planeava dar o seu consentimento para o casamento de seu filho e Maria Donaldson. Em 8 de Outubro de 2003, o noivado de Frederico, Príncipe Herdeiro da Dinamarca e Maria Elizabeth Donaldson é anunciado. O casamento real iria-se realizar no dia 14 de Maio de 2004. O casal apareceu na varanda do Palácio de Amalienborg, em Copenhaga, seguindo depois para o Palácio de Fredensborg para uma conferência de imprensa.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Selo para comemorar o casamento do príncipe herdeiro Frederik e Princesa Mary

No dia 14 de Maio de 2004, Frederico e Maria Elizabeth casam-se na Catedral de Copenhaga. Maria teve três damas de honra australianas: suas irmãs, Jane e Patricia e sua melhor amiga, Amber Petty. As três eram responsáveis pela cauda de seis metros do vestido da noiva. Ela usou um vestido desenhado pelo estilista dinamarquês Uffe Frank. Zadok the Priest, composta por George Frideric Handel para a coroação britânica, foi tocada para a entrada de Maria na Igreja.

Após o casamento, Frederico e Maria percorreram as ruas de Copenhaga numa carruagem. Eles foram para o castelo de Amelienborg e apareceram à varanda, onde o casal trocou diversos beijos e abraços em frente da multidão que exibiam bandeiras dinamarquesas e australianas.

O casamento teve a presença de muitas famílias reais da Europa, além de membros do governo da Austrália.

Foi servido um baquete numa tenda aramada nos jardins do Palácio de Fredensborg. Os pais de Frederico e o pai de Maria , John, fizeram os seus discursos. O mais memorável e emocionante foi o que Frederico fez à sua esposa.

O casal partiu em lua-de-mel por volta das duas da manhã, e acredita-se que eles tenham passado por alguns países de África como Tanzânia, Zanzibar e Quênia.

Após o casamento, Maria obteve a cidadania dinamarquesa, abrindo mão das anteriores (Britânica e Australiana).

Filhos[editar | editar código-fonte]

Principe Chirstian, segundo na linha da sucessão ao trono

Em 25 de abril de 2005, a Corte dinamarquesa anunciou que a Princesa Maria estava grávida do seu primeiro filho. A Princesa continuou com suas atividades e trabalhando intesamente (algo pela qual ela foi bastante admirada). Porém, no 7.° mês de gestação, Maria foi internada devido às suas contrações. Isto poderia ter sido o início do trabalho de parto ou apenas um aviso do corpo para ela diminuir o ritmo. Maria teve alta hospitalar no dia seguinte e, seguindo as instruções médicas, cancelou todas as atividades que estavam agendadas. O Príncipe Frederico esteve todo o tempo ao lado de sua esposa.

No dia 15 de outubro de 2005, à 01:57 (hora local), a Princesa Maria deu à luz um menino, no Hospital Universitário de Copenhaga (o Rigshospitalet). O Príncipe Frederico esteve sempre no hospital. O pequeno Príncipe nasceu saudável, com um apgar 10 após o primeiro minuto de vida. Ele pesava 3,5 kg e media 51 cm. Maria , Frederico e o pequeno príncipe deixaram o hospital no dia 18 de outubro e deram uma rápida entrevista a caminho do carro. Maria disse estar emocionada por se ter tornado mãe e Frederico (numa entrevista anterior) afirmou ter chorado quando o seu filho nasceu. De acordo com a tradição dinamarquesa, o nome do bebé só foi revelado no seu batizado, que decorreu em 21 de janeiro de 2006, na Capela do Palácio de Christiansborg, em Copenhaga. Ele foi batizado com o nome Christian Valdemar Henri John.

Maria e Frederico sempre disseram que desejavam ter uma família grande e que não tinham dúvida de que Christian seria um ótimo irmão. Em 26 de outubro de 2006, a Corte dinamarquesa anunciou que a Princesa Maria estava grávida do seu segundo filho. O nascimento ocorreu em 21 de abril de 2007, dando à luz uma menina no Hospital Universitário de Copenhagua (o Rigshospitalet). A bebé nasceu às 16:02 (hora local) com 3 kg e 350 gramas e 50 cm de altura. O Príncipe Frederico esteve sempre ao lado de Maria , e o pequeno Príncipe Christian ficou com os avós paternos. Maria , Frederico e a pequena princesa deixaram o hospital dois dias depois. Eles disseram que apelidaram a recém-nascida de Lillepigen ('menininha') até ao seu batizado, que ocorreu em 1 de julho, na Capela do Palácio de Fredensborg. Ela foi batizada com o nome Isabella Henrietta Ingrid Margrethe.

Em 06 de agosto de 2010 a Casa Real dinamarquesa anunciou que a princesa seria mãe de gêmeos em janeiro de 2011. A princesa deu à luz um casal de gêmeos em 08 de janeiro de 2011 o menino foi chamado de Vincent e a menina de Josephine.

Palácio de Frederik VIII

Residência oficial e património[editar | editar código-fonte]

A residência oficial dos Príncipes Herdeiros da Dinamarca e sua família é o Palácio de Frederik VIII. Este palácio é uma ala do Palácio de Amalienborg.

O Príncipe Herdeiro recebe um subsídio governamental de cerca de 14.500.000 de coroas dinamarquesas (cerca de € 1.950.000), das quais a Princesa Herdeira tem direito a 10%.

Vida como Princesa[editar | editar código-fonte]

Patrocínios[editar | editar código-fonte]

Família real dinamarquesa, no Palácio de Amalienborg.

Desde 2004, a Princesa Maria tem vindo a trabalhar com várias organizações, missões e programas. Seus patrocínios relacionam-se com os domínios da cultura, da moda, da ajuda humanitária, de apoio à investigação e ciência, da sociedade e com temas de saúde e desporto.

No contexto das questões de imigrantes na Dinamarca, Maria visitou as zonas desfavorecidas migrantes de Vollsmose 2006[18] , Gellerup (2007).[19] e Vilborg (2010)[20] , e tem participado de projetos de integração e de ensino da lígua dinamarquesa para refugiados[21] [22] [23] . Como patrona do Conselho Dinamarquês de Refugiados ela visitou Uganda (2008)[24] e leste da África (2011)[25] e apoia campanhas de doação para a região[26] [27] .

Maria tem desempenhado um papel activo na promoção de um anti-bullying programa baseado em um modelo australiano sob os auspícios da Dinamarca, o Save the Children[28] . Maria também está envolvida em uma nova campanha de sensibilização e de práticas seguras entre os dinamarqueses sobre o câncer de pele, através do Danish Cancer Society. As organizações que patrocina relataram resultados positivos através da sua relação com Maria , e há vários relatos na imprensa dinamarquesa e em alguns dos sites das próprias organizações de que Maria está completamente envolvida no trabalho que desempenha junto deles. Maria está envolvida em programas de apoio antiobesidade e de vacinação para crianças na União Europeia através da gabinete para a Europa da Organização Mundial de Saúde.

A Princesa Maria é também patrona do Fundo de População das Nações Unidas, do Maternity Worldwide, e é também representante do Victor Chang Cardiac Research Institute em Sydney. Maria é membro do Comité Internacional de Mulheres Líderes para a Saúde Mental e dá o seu apoio a uma série de outras causas dinamarquesas, e participa em eventos do setor e conferências internacionais convocadas na Dinamarca e fora dela.

A Fundação Maria[editar | editar código-fonte]

Em 11 de Setembro de 2007, a Princesa anunciou a criação do The Maria Foundation (em português: A Fundação Maria , no Palácio de Amalienborg). O principal foco da fundação é a cooperação no entendimento da diversade cultura e ao "direito de pertencer". A Fundação Maria procura melhorar a vida comprometida com o ambiente, doença ou outra circunstância que possa isolar ou excluir os indivíduos da sociedade. A Princesa Maria é a presidente da Fundação.[29] ).

Estilo[editar | editar código-fonte]

A princesa Maria em 2005

A princesa é frequentemente retratada vestindo a moda dinamarquesa, quarta maior indústria de exportação do país. Usa Julie Fagerholt, Malene Birger, Uffe Frank, Kenth Fredin, mas também aprecia designers internacionais como Hugo Boss, Prada e Chanel. Ela assistiu desfiles de moda, tanto como forma de promover a moda dinamarquesa[30] [31] como por interesse pessoal. Ela também tem um consultor de estilo pessoal desde o seu noivado.[32]

Maria também posou e deu entrevistas para diversas revistas internacionais e dinamarqueses: em 2004, ela foi entrevistada e fotografada na Vogue Australiana, misturando peças de estilistas estrangeiros com peças de designers dinamarqueses, como Georg Jensen e Malene Birger. Foi fotografada por Dansk, uma revista dedicada à moda danesa. Em 2010, ela foi fotografada na Vogue Alemã, com seu marido e filhos, embora o tema principal deste ensaio não fosse a moda, mas a arte contemporânea da Dinamarca, presente no palácio renovado de Amalienborg.[33] [34] [35] . Ao posar para Womans Weekly (Austrália) também vestiu estilistas de seu novo país. Foi matéria de capa da Parade Magazine (Estados Unidos), em 2009, juntamente com seu marido.[36] [37] e entrevistada para os programas de Andrew Denton[38] (Austrália) e USA Today[39] (Estados Unidos).

Seu estilo lhe permitiu ser comparada com ícones do século XX como a Princesa Diana e Jackie Kennedy[40] [41] [42] [43] [44] [45] [46] [47] [48] [49]

Afilhados[editar | editar código-fonte]

A princesa Maria é uma madrinha de:

Popularidade[editar | editar código-fonte]

Após 4 anos como princesa, em que sempre gozou de grande popularidade, Maria se tornou em 2008, segundo pesquisa dirigida a cerca de 23 mil votantes, o membro mais popular da realeza dinamarquesa, ultrapassando a Rainha Margarida e o seu próprio marido, o herdeiro da Coroa, Frederico, assim como aos outros membros da família real.[50] [51] Pelos seus trabalhos humanitários, a princesa foi também nomeada a mulher do ano pela revista dinamarquesa Alt for damerne[52] e destinou o seu prémio a obras de caridade. Em 2009, sua alta popularidade foi confirmada em pesquisa de Gallup para o diário Jyllands-Posten.[53]

Em 2010, o Instituto de Análisis Nation Branding, que calcula o valor monetário dos símbolos nacionais, concluiu que a princesa Maria da Dinamarca é um valor de 12 milliarder de coroas dinamarquesas para a Dinamarca. O valor tão alto é porque a família real dinamarquesa é um produto "único" que chama a atenção para outros países. Quando a realeza da Dinamarca, apoiar o comércio da Dinamarca em países estrangeiros, significa que as portas se abrem às autoridades estrangeiras, o que não seria o caso com representantes de organizações não-monárquicos.[54]

Títulos, honras e armas[editar | editar código-fonte]

Monograma Real
Monograma Real Duplo
Brasão de Armas

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • Senhorita Maria Isabel Donaldson (1972-2004)
  • Sua Alteza Real a Princesa Herdeira Maria Isabel da Dinamarca (2004-2008)
  • Sua Alteza Real a Princesa Herdeira Maria Isabel da Dinamarca, Condessa de Monpezat (2008-presente)

Honras[editar | editar código-fonte]

  • Cavaleiro da Ordem do Elefante (RE),  Dinamarca
  • Medalha Comemorativa do 75º aniversário de sua Alteza Real o príncipe consorte  Dinamarca
  • Medalha Comemorativa do 70.º aniversário de sua Majestade a Rainha  Dinamarca
  • Medalha comemorativa de rubi do Jubileu de sua Majestade a Rainha  Dinamarca
  • Ordem de São Olavo, Grande Cruz,  Noruega (No.St.0.1.)
  • Ordem dos Stara Planina, 1.ª cl.,  Bulgária (Bu.SP1.)
  • Ordem da Estrela Polar, Grande Cruz,  Suécia (Sv.N.Stj.1.)
  • Grande Cruz da Ordem da Beneficiência  Grécia
  • Grande Cruz da Ordem da Rosa Branca  Finlândia
  • Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, Grande Cruz,  Brasil (Br.SK1.)

Armas[editar | editar código-fonte]

Com o casamento em 2004, a Princesa Maria foi homenageada com a Ordem do Elefante, e seu pai John Dalgleish Donaldson com a Ordem do Dannebrog. De acordo com os estatutos das Ordens dinamarquês Royal, tanto a princesa e seu pai foi concedido um pessoal brasão de armas, este para exibição na Capela das Ordens Real de Frederiksborg Castle. O principal campo do revestimento do Princess Crown 'de armas é tingido e mostra uma gules MacDonald águia e um barco Sable tinctured ambos simbolizando sua ascendência escocesa. O campo principal é azul tingido e mostra duas estrelas douradas Commonwealth do Brasão de armas da Austrália, e uma rosa de ouro no meio, descrito como seu símbolo pessoal. Sobre o escudo é colocada a coroa heráldica do príncipe herdeiro da Dinamarca.

O brasão de armas de seu pai é quase idêntica ao da Princesa, mas tem um símbolo do ouro infinto e é representado (simbolizando a sua carreira como um matemático australiano), ao invés do ouro Rose. Acima de seu escudo é colocado um capacete em barrado e coberto com um leão gules galopante, que é voltada para fora. O leão é derivado do brasão escocês e também dos braços da Tasmânia e Hobart. Ambos os brasões foram aprovados em 2006 e colocados na Capela das Ordens Real em 2007.

O revestimento do Princess Crown 'de armas e seus detalhes ainda não foram publicadas no site oficial da Internet do casal Crown Princely.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Em 2004, foi lançado um filme americano chamado "Um Príncipe em Minha Vida" (em inglês "The Prince & Me") sobre a história de um príncipe dinamarquês que se apaixona por uma plebéia americana durante a faculdade. No entanto, o filme não foi baseado no romance de Frederik e Maria , já que foi filmado antes do noivado do casal.

Biografias e livros[editar | editar código-fonte]

Foram publicados 3 livros dedicados à Princesa Herdeira Maria : Maria , Crown Princess of Denmark de Karin Palshoj e Gitte Redder, Something About Maria - From Girl About Town to Crown Princess de Emma Tom, e Maria , Princesse med Stil de Jan Körner e Jim Lyngvild. Parte do conteúdo das duas primeiras biografias está disponível no Google Books.

Há também outros dois livros, com críticas à família real e aos príncipes herdeiros, 1015 Kopenhagen K e Kongen og dronningen af Grønland, ambos de Trine Villemann.

Árvore Genealógica[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. AU: 170504 - John D. Donaldson gæsteprofessor ved Aarhus Universitet. Au.dk (21-11-2007). Página visitada em 17-01-2009.
  2. OCIAM Report 2002-3 Oxford Centre for Industrial and Applied Mathematics; p.3
  3. [1]
  4. Susan Moody - British Council Arts.
  5. [2]
  6. .html Socsci
  7. Berlinske Tidende, 13/09/2009
  8. [3]
  9. [4]
  10. .aspx
  11. Healey, Kelvin: Old flame ends his long silence, Sunday Tasmanian 23 May 2004.
  12. http://www.kongehuset.dk/publish.php?dogtag=k_en_fam_Maria
  13. Karin Palshoj & Gitte Redder Maria , Crown Princess of Denmark, Allen & Unwin, Australia (2006) ISBN 1-74114-749-2
  14. Emma Tom Something About Maria : From Girl About Town to Crown Princess Pluto Press Australia, North Melbourne (2005), ISBN 1-86403-273-1
  15. http://www.belleproperty.com.au
  16. http://www.hola.com/casasreales/2002/11/18/federicoMaria -1
  17. http://www.couriermail.com.au/common/story_page/0,5936,17707311%255E954,00.html
  18. http://www.monstersandcritics.com/people/royalwatch/news/article_1196807.php
  19. http://danishroyalwatchers.blogspot.com/2007/03/Maria -visits-gellerup-in-rhus.html
  20. http://www.dr.dk/Regioner/Vest/Nyheder/Viborg/2010/09/05/192605.htm
  21. http://www.billedbladet.dk/Kongelige/ArticleFolder/2010/11/Kronprinsesse%20Maria %20paa%20skolebaenken.aspx
  22. http://www.fyens.dk/article/996240:Odense--Maria -fik-froeen-tilbage-i-Vollsmose?image=1
  23. http://www.nyidanmark.dk/da-dk/Nyheder/Pressemeddelelser/Integrationsministeriet/2007/Oktober/aarets_integrationsprisvindere_er_kaaret.htm
  24. http://www.hellomagazine.com/royalty/2008/09/30/princess-Maria -uganda
  25. http://www.hellomagazine.com/royalty/201109026047/princess-Maria -africa-mission
  26. http://www.bt.dk/nyheder/72-millioner-til-afrikas-fattige
  27. http://www.billedbladet.dk/Kongelige/ArticleFolder/2010/1/Frederik%20og%20Maria %20stoetter%20indsamling%20til%20Haiti.aspx
  28. http://www.theinsider.com/news/770473_Princess_Maria _of_Denmark_promotes_anti_bullying_program
  29. fonden.dk
  30. http://www.hola.com/realeza/casa_danesa/200908079762/princesa/Maria /moda/1
  31. http://www.hola.com/realeza/casa_danesa/2010051414349/Maria -dinamarca/premios-moda/leccion-estilo/1
  32. http://www.billedbladet.dk/Kendte/Nyheder/2010/9/Anja%20Alajdis%20nye%20korte%20frisure%20se%20den%20her.aspx
  33. http://www.smh.com.au/articles/2004/10/30/1099028264042.html
  34. http://coolspotters.com/public-figures/crown-princess-Maria -of-denmark/and/brands/georg-jensen#medium-952816
  35. http://www.vogue.de/people-parties/people-news/star-news-royal-style
  36. http://www.parade.com/news/2009/04/what-is-royalty-in-the-21st-century.html
  37. http://www.amazon.com/Frederik-Princess-Denmark-magazine-issue-Do/dp/B0030CEOUM
  38. http://www.abc.net.au/tv/enoughrope/transcripts/s1313163.htm
  39. http://www.msnbc.msn.com/id/26184891/vp/45015773#45015773
  40. Maria channels Diana to be the new 'People's Princess' at News.com. au, 3 October 2008
  41. https://www.hola.com/casasreales/2005/03/08/Maria -reina/
  42. http://www.gala.fr/le_gotha/les_couples/frederik_et_Maria _de_danemark_54027#
  43. http://www.purepeople.com/13342-PHOTOS-Frederik-et-Maria -de-Danemark-un-couple-royal-et-glamour-a-Pekin-.html
  44. Cut from Royal Cloth Copenhagen Post online, 22 April 2004
  45. http://www.berlingske.dk/danmark/Maria -slaegter-ingrid-og-jackie-paa
  46. http://www.bt.dk/article/20060810/ROYALT/108100110/1255
  47. http://www.bunte.de/royals/bunte-royal//bunte-royal_aid_4165.html
  48. http://old.vogue.de/vogue/2/1/content/06157/2/index.php
  49. http://www.hellomagazine.com/royalty/specials/denmarkroyal/pagina_4_1.html
  50. Popularidade da Princesa Maria (em inglês)
  51. %20er%20mest%20populaer.aspx Popularidade da Princesa Maria (em inglês)
  52. Popularidade da Princesa Maria (em dinamarquês)
  53. monarquiaconfidencial.com
  54. %20er%2012%20milliarder%20kroner%20vaerd%20for%20Danmark.aspx