Maria Paula Gonçalves da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paula
Informações pessoais
Nome completo Maria Paula Gonçalves da Silva
Modalidade Basquetebol
Nascimento 11 de março de 1962 (52 anos)
Osvaldo Cruz,  São Paulo
Nacionalidade  Brasil
Compleição Altura: 1,74 m
Medalhas
Jogos Olímpicos
Prata Atlanta 1996 Equipe
Campeonato Mundial de Basquetebol
Ouro Austrália 1994 Equipe
Jogos Pan-Americanos
Ouro Havana 1991 Basquete Fem.

Maria Paula Gonçalves da Silva (Osvaldo Cruz, 11 de março de 1962), é uma ex-jogadora de basquetebol brasileira, mais conhecida como Paula ou Magic Paula (em referência ao jogador americano Magic Johnson). É considerada uma das melhores jogadoras de basquetebol de todos os tempos.[carece de fontes?]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Paula começou a jogar com apenas dez anos de idade e destacou-se tanto que, em 1974, foi convidada pelo técnico do Assis Tênis Clube para integrar o time da cidade.

Paula jogou tanto como ala quanto como armadora, e mostrou eficiência fazendo assistências, cobrando lances livres e convertendo cestas de três pontos. Após um ano e meio, o time acabou. Paula foi então para Jundiaí, jogar na equipe do Colégio Divino Salvador. Passados três meses, com apenas catorze anos, foi convocada pela primeira vez para a seleção brasileira adulta. Depois de quatro anos no Divino, já consagrada, Paula transferiu-se para o Unimep, em Piracicaba. Lá jogou durante oito anos, até que voltou para o Cica/Divino Salvador. Pouco tempo depois, a jogadora resolveu dar uma guinada na carreira e aceitou a proposta do time espanhol Tintoretto. Porém, uma lesão no joelho e uma certa dificuldade de adaptação ao estilo de treino da equipe espanhola colaboraram para que Magic Paula voltasse ao Brasil, em 1991, quando vestiu a camisa do BCN/Piracicaba.

Nos Jogos Pan-americanos de Havana, realizados em 1991, a seleção brasileira feminina disputou as finais do torneio com as próprias cubanas e Fidel Castro compareceu ao jogo. Nesse jogo, Magic Paula brilhou no segundo tempo: fez cinco arremessos de três pontos e acertou quatro, e as brasileiras venceram por 97 a 76. Na entrega da medalha de ouro, Fidel Castro pediu para Paula ficar de costas e apontando para sua camisa, fez um gesto negativo com o dedo como se tivesse a intenção de não entregar o ouro à atleta e, brincando, chamou-a de "bruxa".

Em 1993, Paula foi para a Associação Atlética Ponte Preta, em Campinas, onde jogou ao lado de Hortência e conquistou o título mundial de clubes. Após certos confrontos pessoais com Hortência, Paula voltou à Piracicaba para defender o Unimep. Em 1994, ela conquistou o título inédito do campeonato mundial de seleções, realizado na Austrália, onde a seleção brasileira derrotou os Estados Unidos, na semifinal, por 110 a 107, e a China na partida decisiva, por 96 a 87.

Em 1996, já jogando pelo Microcamp, além de ser campeã paulista pela oitava vez, brilhou novamente na seleção nos Jogos Olímpicos de Atlanta, conquistando a medalha de prata. Despediu-se da seleção brasileira, mas continuou na quadra, disputando os campeonatos paulistas e nacionais, até o adeus definitivo, com a camisa do BCN/Osasco, no início de 2000.

Após o encerramento da carreira no basquete, Paula teve uma curta participação no Ministério do Esporte. Foi convidada para assumir a Secretaria Nacional de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, porém a passagem pelo órgão Federal durou apenas 158 dias. Paula pediu demissão após um polêmico incidente no qual ficou constatado que o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) pagou a estadia de membros do Ministério durante a realização dos Jogos Pan-americanos de Santo Domingo.

Em novembro de 2005, Magic Paula foi oficialmente confirmada para integrar o Hall da Fama do Basquete Feminino e, em abril de 2006, ela embarcou para Knoxville, no Tennessee, para participar da cerimônia.

Paula é a segunda maior pontuadora da história da seleção brasileira adulta, tendo marcado 2.537 pontos em 150 partidas oficiais (foi a que mais jogou), média de 16,9 pontos por partida.

Clubes[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Assis Tenis Clube (1974-75)
  • Brasil Divino Salvador ( 1976-1979)
  • Brasil Unimep (01/1980-08/1988)
  • Brasil Minercal (12/1984) - emprestada pelo UNIMEP apenas para o Sul-americano de clubes daquele ano
  • Brasil Cica-Divino Salvador (08/1988-08/1989)
  • Espanha Tintoretto (09/1989-05/1990)
  • Brasil BCN-Piracicaba (06/1990-02/1992)
  • Brasil Ponte Preta (02/1992-03/1994)
  • Brasil CESP-Unimep (03/1994-04/1996)
  • Brasil Leites Nestlé (12/1995; 02/1996)
  • Brasil Microcamp-Campinas (04/1996-07/1998)
  • Brasil BCN-Osasco (07/1998-02/2000)

Participações[editar | editar código-fonte]

  • Seis campeonatos mundiais - FIBA (jogadora brasileira que mais disputou mundiais)
  • Quatro campeonatos pré-olímpicos - COI
  • Quatro campeonatos pan-americanos - COI
  • Dois Jogos Olimpícos - COI

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]