Maria da Jugoslávia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Maria da Roménia
Rainha da Jugoslávia
Princesa da Roménia
Maria da Roménia
Governo
Consorte Alexandre I da Jugoslávia
Vida
Nascimento 6 de Janeiro de 1900
Coburgo, Flag of the German Empire.svg Império Alemão
Morte 22 de junho de 1961 (61 anos)
Londres, Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido
Sepultamento Cemitério de Frogmore, Inglaterra (1961-2013); Oplenac, Topola, Sérvia (desde 2013)
Filhos Pedro II da Jugoslávia
Príncipe Tomislav
Príncipe André
Pai Fernando I da Roménia
Mãe Maria de Saxe-Coburgo-Gota

Maria da Jugoslávia (6 de janeiro de 1900 - 22 de junho de 1961) foi a esposa do rei Alexandre I da Jugoslávia. Antes era uma princesa da Roménia, filha do rei Fernando I da Roménia e da princesa Maria de Edimburgo.

Primeiros anos e família[editar | editar código-fonte]

Maria nasceu em Coburgo, na Alemanha durante o reinado do seu avô materno Alfredo, Duque de Saxe-Coburgo-Gota e do seu tio-avô Carlos I da Roménia. Era conhecida por Mignon na família para se destingir da sua mãe.

A sua mãe era a princesa-herdeira da Roménia, uma neta da rainha Vitória. O seu bisavô materno era o czar Alexandre II da Rússia. O pai oficial de Maria era o rei Fernando I da Roménia, embora muitos tenham apontado o grão-duque Boris Vladimirovich, primo da mãe, como seu pai biológico.

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Maria com os seus dois filhos mais novos.

Casou-se com o rei dos servos, croatas e eslovenos, Alexandre I, em Belgrado no dia 8 de junho de 1922, de quem teve três filhos:

Tornou-se rainha-mãe da Jugoslávia quando, após o assassinato do marido em Marselha em 1934, o seu filho mais velho se tornou no rei Pedro II, o último da Jugoslávia. Após o seu exílio, mudou-se para uma quinta em Inglaterra onde viveu uma vida relativamente normal sem qualquer extravagância real. Maria era bem educada. Falava várias línguas fluentemente e gostava de pintar e esculpir. Também sabia conduzir um carro sozinha, algo não muito habitual para um membro da realeza na altura.

Trabalho humanitário[editar | editar código-fonte]

A rainha Maria era muito amada e respeitada pelo povo da Jugoslávia e a sua reputação continua. Ela continua a ser, aos olhos dos servos, uma das maiores humanitárias dos Balcãs.

Há ruas com o seu nome como a "Ulica kraljice Marije" ou "Rua da Rainha Maria" bem como várias escolas e outras organizações.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]