Mariano Procópio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mariano Procópio

Mariano Procópio Ferreira Lage (Barbacena, 23 de junho de 1821 - Juiz de Fora, 14 de fevereiro de 1872) foi um engenheiro e político brasileiro, construtor da primeira estrada pavimentada do país - "uma das glórias da engenharia nacional" e "uma das obras mais arrojadas do mundo" a sua época.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Maria José de Santana, 1.ª baronesa de Santana,[1] viajou a estudos para a Europa em 1840, onde encontrou pessoalmente Louis Jacques Mandé Daguerre, que criou a fotografia um ano antes.[2]

Foi eleito deputado provincial em 1861 e representante de Minas Gerais na Assembléia Geral do Império entre 1861-1864 e 1869-1872. Fundou a Companhia União Indústria, com a qual projetou e construiu a Estrada União e Indústria, ligando Petrópolis a Juiz de Fora.

Fundou a Colônia D. Pedro II (1858) para imigrantes germânicos que vieram trabalhar na construção da rodovia, e ainda a Escola Agrícola União e Indústria (1869). Foi fundador e presidente do Jockey Club Brasileiro no Rio de Janeiro e oficial da Legião de Honra da França.

Iniciou em 1861 a construção da Villa Ferreira Lage, embrião do que seria posteriormente o primeiro museu histórico de Minas Gerais, o Museu Mariano Procópio, fundado em 1915 por seu filho Alfredo Ferreira Lage. Investidor de imóveis e ações, deixou inúmeros bens à sua família ao falecer em 1872 em Juiz de Fora.

Referências

  1. a b Mariano Procópio Ferreira Lage - Sua Vida, Sua Obra, Descendência, Genealogia (Wilson de Lima Bastos), 1991
  2. A MORTE E O MORRER EM JUIZ DE FORA: Transformações nos costumes fúnebres, 1851-1890 (PDF) 91 pp. Universidade Federal de Juiz de Fora (2007). Página visitada em 16 de outubro de 2011. "Mariano Procópio Ferreira Lage, cunhado e filhos desde cedo dedicaram-se à fotografia. Em 1840, Mariano Procópio, quando de sua viagem de estudos à Europa, conheceu pessoalmente Louis Jacques Mande Daguerre (1787-1851), responsável, um ano antes, pela descoberta da fotografia. Em 1865, seu cunhado, Constantino Machado Coelho, foi considerado pelo naturalista americano Luiz Agassis, quando de sua passagem pela região, como excelente fotógrafo. Posteriormente, Alfredo chegou a ser presidente do photo-club do Rio de Janeiro, participando de sua primeira exposição em 1904."