Martirológio Romano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Martirológio Romano (latim: Martyrologium Romanum) é o catálogo dos santos e beatos honrados pela Igreja Católica Romana. Apesar do nome, inclui todos os santos conhecidos e não apenas os mártires. A sua primeira versão foi escrita no século XVI e aprovada pelo papa Gregório XIII em 1586, tendo sido revisto múltiplas vezes. A actual edição do Martirológio Romano (2001), que actualizou a edição de 1956, inclui 6 538 santos e beatos, mas o seu número total é maior, já que em muitos casos se refere apenas um nome, acompanhado pela menção: «e companheiros mártires». É um livro litúrgico que constitui a base dos calendários litúrgicos que determinam a data das festas religiosas anuais. O documento está ordenado segundo os dias do calendário, nele se anotando o local e a data de morte, o título canónico (apóstolo, mártir, confessor, virgem, ou outro), o tipo de memória litúrgica e algumas notas sobre a sua espiritualidade e factos relevantes da vida e obra.

História[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros tempos da história do Cristianismo criou-se a tradição de guardar a memória daqueles que morriam por causa da sua : os mártires. Cada igreja particular, isto é cada diocese, tinha o seu martirológio, ou seja um elenco dos seus membros que tinha sofrido o martírio. A partir daí passou a dar-se importância litúrgica ao dia em que os fiéis comemoravam a passagem dos mártires à vida eterna, referido como o «dies natalis», e passou a comemorar-se o dia da sua morte com a celebração da sua memória, particularmente nos templos e localidades onde repousavam as suas relíquias.

No século XVI a Igreja Católica Romana decidiu unificar os vários martirológios num documento único, dito universal, do qual constassem todos os santos e beatos como tais oficialmente reconhecidos pelas autoridades eclesiásticas. Compilou-se então o Martirológio Romano, obra de que se encarregou o cardeal Cesare Baronio. Com a evolução, e com a declaração de novos santos, algo em que os últimos anos foram pródigos, foram introduzidas sucessivas modificações no documento, procurando mantê-lo actualizado através de edições periódicas. Daí resultaram centenas de revisões e correcções, gerando frequentemente erros.

Edições recentes[editar | editar código-fonte]

A edição mais recente do Martirológio Romano data do ano de 2001, a qual substitui a versão precedente, compilada em 1956, a qual, apesar de recente, estava desactualizada em consequência das numerosas canonizações e beatificações feitas durante o papado de João Paulo II.

A revisão foi feita conforme estabelecido no Concílio Vaticano II, sendo excluídos os santos e beatos sobre os quais se não possui notícia certa. No final ficaram 6 538 nomes, cada um dos quais acompanhado por uma breve nota contendo o lugar da morte, a qualidade de santo ou beato, o título denotando o seu "status" eclesial (apóstolo, mártir, mestre da fé, missionário, confessor, bispo, presbítero, virgem, cônjuge, viúvo ou filho), a actividade que desenvolveu e o seu carisma.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AA.VV., Il martirologio romano. Teologia, liturgia e santità, 2005 (ISBN 8820977478);
  • Martyrologium Romanum: Ex Decreto Sacrosancti cumenici Concilii Vaticani II Instauratum Auctoritate Ioannis Pauli PP II Promulgatum, 2004 (ISBN 8820972107).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]