Mary Anderson (atriz)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mary Anderson
Nome completo Mary Antoinette Anderson
Outros nomes Mary Anderson de Navarro
Nascimento 28 de julho de 1859
Sacramento, Califórnia
Morte 29 de maio de 1940 (80 anos)
Broadway, Worcestershire
Nacionalidade Estados Unidos americana
Cônjuge Antonio Fernando de Navarro (casamento em 1890)
Ocupação atriz

Mary (Antoinette) Anderson ou Mary Anderson Navarro (Sacramento, Califórnia, 28 de julho de 1859 — Broadway, Worcestershire, 29 de maio de 1940) foi uma atriz de teatro americana.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Mary Antoinette Anderson era filha de Charles Henry Anderson, um nova-iorquino educado em Oxford, e de sua esposa, Antonia Leugers. Pouco depois de Mary nascer, o casal mudou-se para Louisville, Kentucky, onde seu pai alistou-se no Exército dos Estados Confederados durante a Guerra Civil Americana. Ele foi morto em ação em Mobile, Alabama, quando ela tinha três anos.

Mary foi educada no convento das irmãs ursulinas e na instituição educacional feminina Presentation Academy em Louisville. Era uma aluna pouco dedicada com exceção de seu interesse em ler Shakespeare. Incentivada por seu padrasto, o Doutor Hamilton Griffin, foi enviada para Nova York aos 14 anos para ter dez aulas com o ator George Vandenhoff, seu único treinamento profissional.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1875, Mary fez sua primeira aparição no palco por ocasião de uma apresentação beneficente no Macauley's Theatre em Louisville, Kentucky no papel de Julieta de Shakespeare. O gerente do teatro, Barney Macauley, ficou bastante impressionado e estendeu a locação do teatro para uma semana onde Mary além de Julieta, interpretou outros papéis adicionais, incluindo Julia em O Corcunda, de James Sheridan Knowles, Bianca em Fazio, de Henry Hart Milman, e em Evadne, de R. L. Sheil.

Compromissos posteriores em St. Louis, Nova Orleães e no teatro de John McCullough em São Francisco levaram a um contrato com John Thomson Ford. Começando como Lady Macbeth em seu teatro Washington em 1877, Mary deu início a uma extensa turnê pelos Estados Unidos, culminando com a apresentação por seis semanas da peça The Lady of Lyons, de Edward Bulwer-Lytton no 5th Avenue Theatre, em Nova York. A crítica especializada não foi totalmente favorável a ela, mas o público passou a chamá-la de "Nossa Mary".

A partir deste ponto, ela teve uma carreira de doze anos ininterruptos de sucesso, com apresentações regulares em Nova York e turnês pelos Estados Unidos. Em 1879 Mary foi em uma viagem para a Europa, para se encontrar com Sarah Bernhardt e Adelaide Ristori. Em 1883, depois de estrelar em uma produção americana de Pigmaleão e Galateia, de W. S. Gilbert, viajou para os palcos londrinos, no Lyceum Theatre, permanecendo na Inglaterra por seis anos recebendo grande aclamação inclusive no Shakespeare Memorial Theatre, em Stratford-upon-Avon. Em sua primeira temporada, estrelou a Comedy and Tragedy de Gilbert.[1]

Em 1887, em Londres, Mary se apresentou em The Winter's Tale no duplo papel de Perdita e Hermione (a primeira atriz a incluir esta inovação). Esta produção teve 160 apresentações, e foi levada de volta para os Estados Unidos. Mary convidou o escritor William Black a aparecer na produção, mas, mesmo em um papel sem fala, ele congelou e interrompeu sua participação.[2] Em 1889, porém, Mary desmaiou no palco, devido ao grave esgotamento nervoso durante uma apresentação no Albaugh's Theatre em Washington. Após dissolver de sua companhia de teatro, ela anunciou sua aposentadoria aos trinta anos de idade. Alguns comentaristas, especialmente da imprensa britânica, atribuíram este acontecimento às críticas hostis da imprensa em seu retorno para os Estados Unidos.[3] A autora Willa Cather foi mais longe e culpou uma crítica especificamente dolorosa de um amigo próximo.[4]

Performances[editar | editar código-fonte]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Com recomendações médicas para descansar depois de seu desmaio, Mary Anderson visitou a Inglaterra. Em 1890 se casou com Antonio Fernando de Navarro, um desportista e advogado americano de descendência basca, que foi Mordomo Particular Papal da Espada e da Capa. Mary Anderson ficou então conhecida como Mary Anderson de Navarro. Eles se estabeleceram em Court Farm, Broadway, Worcestershire, onde ela cultivou um interesse pela música e se tornou uma notável anfitriã com um círculo distinto de convidados músicos, escritores e eclesiásticos. Ela também deu à luz um filho e uma filha em seu feliz casamento.[5] [6]

Uma católica devota, Mary tinha uma capela construída em seu sótão, com janelas de vidro colorido projetadas por Paul Woodroffe. Foi citada como um modelo inspirador para a personagem do romance Lúcia de Edward Frederic Benson, representado por uma soprano de ópera chamada Olga Bracely[7] [8] ou da própria Lúcia,[9] [10] bem como o protótipo para a heroína do romance de William Black, As Estranhas Aventuras de uma Casa-Barco.[10]

Ela resistiu aos incentivos para que voltasse ao teatro, mas fez alguns eventos para angariar fundos durante a Primeira Guerra Mundial, em Worcester, Stratford e Londres. O último incluiu papéis como Galateia, Julieta e Clarice na peça Comedy and Tragedy de W. S. Gilbert.[11] Mary publicou dois livros de suas memórias, A Few Memories (1896) e A Few More Memories (1936), e colaborou com Robert Smythe Hichens na adaptação teatral de Nova York de seu romance, O Jardim de Alá (1911).

Morte[editar | editar código-fonte]

Mary Anderson morreu em sua casa, em Broadway, Worcestershire, em 1940, aos 80 anos de idade.

Legado[editar | editar código-fonte]

O terreno doado por Anderson para os monges franciscanos agora é o Mosteiro Monte de São Francisco, e abrigo para o Centro Mary Anderson, uma colônia de artista. Em 1989, o trecho da rodovia US Route 150 que une a propriedade doada foi chamado de The Mary Anderson Memorial Highway.[12]

Referências

  1. Comedy and Tragedy no The Gilbert and Sullivan Archive.
  2. Thomas Wemyss Reid. William Black, Novelist. London and New York: Harper and Brothers, 1902, p. 283.
  3. Return of Mary Anderson, New York Times, 7 de outubro de 1911
  4. The Kingdom of Art: Willa Cather's First Principles and Critical Statements, ed. Bernice Slote, Lincoln: University of Nebraska Press, 1966. Google Books
  5. New York Times MARY ANDERSON HAS ANOTHER PLAY IDEA; Former Actress... dated Wednesday October 25, 1911
  6. New York Times Sunday 8 de outubro de 1905 Mary Anderson to Modjeska: Sends Her Good Wishes for Polish Actress's Farewell Tour
  7. Mr Benson remembered in Rye, and the world of Tilling, Cynthia & Tony Reavell, 1984
  8. The Papers of the Bibliographical Society of America, Contributor Adolf Carl von Noé, v.47 1953, University of Chicago Press
  9. "Anderson, Mary", Encyclopædia Britannica. 2007. Encyclopædia Britannica Online. [1]
  10. a b Dictionary of American Biography, The American Council of Learned Societies, Sribner, 1959
  11. Obituary, Mme. de Navarro, The Times, 30 de maio de 1940
  12. INDOT: Memorial Highways and Bridges INDOT.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]