Massacre de Ein al Zeitun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O massacre de Ein al Zeitun ocorreu em 1 de maio de 1948 na aldeia árabe de Ein al-Zeitun (também conhecida como Zaytun Ein, Ein ez Zeitun e Ain el Zeitun) ao norte de Safed, hoje território de Israel, então parte do Mandato Britânico da Palestina. Entre 30 e 70 prisioneiros árabes foram mortos pela Palmach. Ein al Zeitun neste momento era uma aldeia árabe de cerca de 800 habitantes.

O ataque em Ein al Zeitun foi realizado pelo 3º Batalhão da Palmach sob o comando de Moshe Kelman, como uma operação preliminar para aliviar o cerco árabe do bairro judeu de Safed. Morteiros Davidka foram utilizados pela primeira vez. A vila foi tomada sem muita dificuldade. A maior parte dos aldeões fugiram durante a batalha, e o restante, cerca de 30 a 100 civis com idades compreendidas entre os 20 a 40 foram violentamente expulsos depois.

Os soldados Palmach então começaram a destruir a aldeia. O oficial Elad Peled da Palmach recordou que "Uma tarde, os nossos homens começaram a caminhar até a aldeia. A intoxicação da vitória cegou-los e eles foram frenéticos, rompendo e destruindo os bens. Os judeus de Safad viram Ein Zeitun tomada e esmagada, e foram participar. Esta foi a vingança pelo abate de que os árabes de Ein Zeitun realizaram contra os judeus e de Safad Ein Zeitim. "(P. 233 Morris, Abbasi p. 14)

Segundo o soldado da Palmach Netiva Ben-Yehuda, os homens estavam em cativeiro amarrados e jogados na sarjeta em Ein al Zeitun. Kelman, então decidiu "livrar-se deste problema por completo", mas a maioria dos seus homens se recusaram. Finalmente ele encontrou dois dispostos a fazê-lo e os presos foram mortos. Dois dias mais tarde, a notícia do massacre vazou e temia-se que a investigadores britânicos ou investigadores das Nações Unidas iriam chegar, para alguns soldados incluindo Ben-Yehuda, foram interrogados para desvendar o paradeiro dos corpos e desenterrá-los.

A confirmação do massacre é conhecida a partir de outras fontes FIL (cf. Morris) e dos contos árabes (ver Nazzal).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Benvenisti, Meron (2000). Sacred Landscape: The Buried History of the Holy Land Since 1948. University of California Press. ISBN 0-520-21154-5, p. 130.
  • Morris, Benny (2004). The Birth of the Palestinian Refugee Problem Revisited. Cambridge University Press, 2004, pp. 222-223.
  • Abbasi, M. (2004). The battle for Safad in the war of 1948: A revised study. International Journal of Middle East Studies, vol. 36, 21–47.
  • Nazzal, M. (1978). The Palestinian Exodus from Galilee, 1948. Institute for Palestinian Studies, p. 36.
  • Quigley, John B. (2005). Case for Palestine: An International Law Perspective. Duke University Press. ISBN 0-8223-3539-5, p. 61.