Massacre de Cunhaú e Uruaçu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Massacre de Uruaçu)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde dezembro de 2009)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

O Massacre de Cunhaú e Uruaçu é o nome dado a dois massacres ocorridos no Rio Grande do Norte, nos dias 16 de julho e 3 de outubro em 1645, ambos executados por holandeses.

Versões[editar | editar código-fonte]

Existem algumas versões, porém, a diferença entre elas não são muitas:

Primeira versão[editar | editar código-fonte]

Existia um povoado chamado "Engenho Potengi" que vivia onde hoje é atualmente o município de São Gonçalo do Amarante. Segundo registros, esse povoado pertencia a Estevão Machado de Miranda, cuja família, bem como os habitantes do povoado, resistiam aos ataques dos holandeses.

O povoado foi vítima dos holandeses que quiseram impor o seu domínio militar, além da sua cultura e sua religião. Não aceitando a imposição dos holandeses, estes fizeram um verdadeiro massacre matando todas as famílias (cerca de 70) do povoado.

Esse massacre ficou conhecido como "Massacre de Uruaçu" como momento ímpar de resistência, de fé e de defesa dos princípios de liberdade.

No ano de 1698, os holandeses afastaram-se do povoado e começaram a chegar os primeiros grupos de exploradores, vindos de Pernambuco. Entre eles, os portugueses Ambrósio Miguel de Sirinhaém e Pascoal Gomes de Lima, que chegaram ao povoado no ano de 1710, instalaram suas famílias nas proximidades do rio Potengi, na vizinhança do antigo e histórico Engenho Potengi que deu início a organização do novo povoamento. Foram esses portugueses que construíram dois sobrados e uma capela em homenagem a São Gonçalo do Amarante, com a imagem do santo padroeiro esculpida em pedra e colocada imponentemente no altar.

Este massacre é narrado em detalhes em uma carta de Lopo Curado Garro.

Segunda versão[editar | editar código-fonte]

Em 16 de julho de 1645 o padre André de Soveral e outros 70 fiéis católicos foram cruelmente mortos por centenas de soldados holandeses e índios potiguares. Os fiéis participavam da missa dominical na Capela de Nossa Senhora das Candeias, no Engenho Cunhaú, município de Canguaretama, no litoral sul potiguar. Os holandeses eram calvinistas e teriam promovido o massacre por intolerância ao catolicismo.

Três meses depois, em 3 de outubro de 1645, aconteceu outro martírio, no qual 80 pessoas foram mortas por holandeses, entre elas, o camponês Mateus Moreira. Segundo ficou registrado por cronistas da época, ele teve o coração arrancado pelas costas. O massacre aconteceu na Comunidade Uruaçu, em São Gonçalo do Amarante, distante de Natal 18 km.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  1. Feriados Estaduais Rio Grande do Norte 2011. www.calendarioseferiados.com. Página visitada em 8 de setembro de 2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre Rio Grande do Norte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.