Massacre de Vassy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Massacre de Vassy em 1562, impressão de Hogenbergo, final do século XVI.

Massacre de Vassy ou Massacre de Wassy é o nome dado ao assassinato de fiéis huguenotes e cidadãos em uma ação armada pelas tropas de Francisco, Duque de Guise, em Vassy, na França, em 1º de março de 1562. A tragédia é identificada como o primeiro grande evento nas Guerras Religiosas Francesas. A série de batalhas que se seguiram concluídas com a assinatura do Édito de Amboise no ano seguinte, em 19 de março de 1563.

Os acontecimentos em torno do Massacre de Vassy se tornaram amplamente conhecidos por uma série de quarenta gravuras publicadas em Genebra sete anos mais tarde.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Depois da ascensão de Henrique II ao trono francês, os seguidores dos ensinamentos religiosos de João Calvino, conhecidos como huguenotes, foram perseguidos na França. Catarina de Médici, regente de Carlos IX, propôs o Édito de janeiro (ou Édito de Saint-Germain), com a esperança de que o calvinismo e catolicismo pudessem co-existir em França e que as lutas fossem cessar.

Massacre[editar | editar código-fonte]

Francisco, Duque de Guise

Em 1º de março de 1562, Francisco (François), o segundo duque de Guise, viajando para suas propriedades, parou em Wassy (Vassy) e decidiu assistir a Missa. Ele encontrou uma grande congregação de huguenotes segurando cerimônias religiosas em um celeiro que era a sua igreja. Alguns homens do grupo do duque tentaram empurrar o seu caminho dentro e foram repelidos. Eventos escaladas, as pedras começaram a voar, e o duque foi atingido. Indignado, ele ordenou a seus homens a fortalecer a cidade e atearam fogo à igreja, matando 63 huguenotes desarmados e ferindo mais de cem pessoas.[2]

Consequência[editar | editar código-fonte]

O massacre provocou hostilidades abertas entre alguns seguidores de cada religião, o que provocou a primeira guerra de uma longa série de guerras religiosas na França, que continuaram em grande parte ininterruptas há mais de um século.[3]

Os Burbons, liderada pelo Príncipe de Condé, e proclamando que eles estavam liberando o rei e regente de vereadores "maus", organizou uma espécie de protetorado sobre as igrejas protestantes e começou a apreender e guarnecer cidades estratégicas ao longo do Loire. Embora os huguenotes tinham começado a se mobilizar para a guerra antes de Vassy,[4] Condé usou o massacre como prova de que o Édito tinha sido quebrado, dando mais peso para sua campanha e, como início das hostilidades, o Edito foi de fato revogado sob pressão da facção dos Guise.

Os principais compromissos da guerra ocorreu em Ruão, Dreux e Orleães. No cerco de Ruão (Maio-outubro de 1562), a coroa recuperou a cidade com o custo de Antônio de Navarra, que morreu de seus ferimentos. A batalha de Dreux (Dezembro de 1562), viu a captura de Condé pelos Guise e Montmorency, o governador-geral, por parte dos Bourbons. Em fevereiro de 1563, no cerco de Orleães, Francisco, Duque de Guise foi baleado e morto pelo huguenote Poltrot de Méré; o Guise considerou este um assassinato sob as ordens do inimigo do Duque, o almirante Gaspar II de Coligny, como estava fora de combate direto. A agitação popular causada pelo 'assassinato', juntamente com o fato de Orleães estar segurando no cerco levou Catarina a mediar uma trégua e o Edito de Amboise (1563).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jean Ehrmann, "Massacre and Persecution Pictures in Sixteenth Century France" in Journal of the Warburg and Courtauld Institutes, vol. 8, (1945), London: The Warburg Institute, pp. 195-199
  2. Lindsay, Thomas M.. History of the Reformation Reformation in Switzerland, France, the Netherlands, Scotland and England (em inglês). [S.l.]: Charles Scribner's Sons; Kessinger Publishing, 2003. p. 189. ISBN 978-0-7661-6367-6. OCLC 3960339.
  3. González, Justo L.. The Story of Christianity: The Reformation to the present day (em inglês). [S.l.]: Zondervan, 2010. p. 128. ISBN 978-0-06-185589-4.
  4. Knecht, The French Civil Wars, p86

Ligações externas[editar | editar código-fonte]