Mateus 6

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pai Nosso.
1886-1896. Por James Tissot, atualmente no Brooklyn Museum, em Nova Iorque.

Mateus 6 é o sexto capítulo do Evangelho de Mateus no Novo Testamento. Ele contém a porção intermediária do Sermão da Montanha e inclui o Pai Nosso[1] .

A primeira parte, em Mateus 6:1-18, conhecida como Discurso sobre a ostentação, trata da expressão interior e exterior da piedade, como a doação de esmolas, a oração privada e o jejum[2] , que são as três mais importantes formas da piedade judaica. Jesus endossa estes atos e reafirma a sua importância. Por toda a seção, ele reforça que tanto a fé quanto a piedade não devem ser ostensivas e, idealmente, devem ser feitas em segrego. Ele condena fortemente a utilização de mostras públicas de piedade, afirmando que os piedosos que o são apenas para impressionar os outros em nada impressionam a Deus. No trecho entre os versículos 9 e 13, Jesus ensina o Pai Nosso.

Mateus 6:19-34 trata das posses, prioridades e confiança[2] . A primeira parte, até o versículo 24, tem três elementos sobre dois tesouros, dois olhos e dois mestres. A segunda, que vai até o final do capítulo e é conhecida como "Olhai os lírios do campo", trata da confiança em Deus e também tem três elementos, com as razões para que não sejamos ansiosos[2] .

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por:
Mateus 5
Capítulos do Novo Testamento
Evangelho de Mateus
Sucedido por:
Mateus 7

Referências

  1. Matthew by David L. Turner 2008 ISBN 0801026849 page 210
  2. a b c Matthew by Charles H. Talbert 2010 ISBN 0801031923 pages 87-91

Ligações externas[editar | editar código-fonte]