Matilda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Matilda (pt: Matilde) é uma obra de Roald Dahl, ilustrada por Quentin Blake. Foi publicada pela primeira vez em Londres em 1988 por Jonathan Cape. Foi adaptada para o cinema em 1996, nos Estados Unidos, sob direção de Danny DeVito.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

"Matilda" conta a história de uma menina de mesmo nome. No início do livro, Roald Dahl diz que os seus pais são muito maus e que só gostam do seu filho, não importa o quão malcriado ele seja. Esse é o caso de Matilda. É uma menina superdotada, porém seus pais são implicantes e não conseguem enxergá-la, obrigando-a a assistir a programas televisivos que não acrescentam em nada a educação das pessoas e negando-lhe a leitura de livros.

Certo dia, Matilda decide ir até a biblioteca pública, local que passa a frequentar diariamente e inicia sua leitura. Surpreende a bibliotecária, Sra. Felps, ao ler todos os livros da seção infantil, dando início imediato na leitura de livros muito avançados para uma criança de 4 anos, como O Jardim Secreto, de Frances Hodgson Burnett, O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, de C.S. Lewis, Tolkien, entre outros clássicos e escritores famosos. Mais tarde descobre que pode pegar os livros emprestados para lê-los em casa, e assim faz até que seu pai, sr. Losna destrói um dos livros emprestados, forçando-a a pagar por ele com o dinheiro de mesada.

Matilda decide se vingar do pai, e assim faz travessuras sem nunca ser descoberta. Notavelmente ela consegue colar o chapéu na cabeça dele com supercola, simular um fantasma na sala (usando um papagaio alugado de seu amigo Fred, que morava bem próximo a sua casa), fazendo-o ficar apavorado e peripécias como tingir seus cabelos de louro-claro como os da mãe.

Após muito esforço, Matilda convence seu pai de que está na hora de estudar, então o pai a matricula na Escola Primária Crunchem Hall, onde encontra a gentil professora Srta. Jennifer Mel, que percebe sua inteligência excepcional e tenta mandá-la para uma série superior, mas a malvada diretora, Srta.Trunchbull, rejeita a proposta.

Um dia a diretora visita a aula. A amiga de Matilda, Lavanda, coloca uma salamandra na jarra de onde a diretora beberia água juntamente com um copo, exclusivos da diretora. A Srta.Trunchbull coloca a culpa em Matilda, que fica com tanta raiva que derruba o copo, fazendo assim com que a salamandra caia sobre os peitos avantajados da Srta.Trunchbull, descobrindo então seus poderes sobrenaturais.

A Srta. Mel fica curiosa sobre os poderes de Matilda e a para tomar chá em sua casa. É nesse momento que Matilda descobre que a Srta. Mel é uma mulher muito pobre, e que por isso vive em um casebre extremamente pequeno e sem conforto algum, tais como comer margarina ao invés de manteiga, açúcar, sentar em caixotes de madeira ao invés de estofado, tomar banho com balde e esponja, ao invés de um grandioso chuveiro quente, usando um fogareiro à parafina ao invés de um fogão, sem geladeira e sem cama, dormindo no chão. É também o momento em que a Srta. Mel diz a Matilda que costuma se alimentar o suficiente durante o almoço na escola para que não tenha fome até o outro dia. Durante o chá, Matilda pergunta a sua professora o por que dela viver daquela forma, então a Srta. Mel, de forma muito humilde, conta como chegou ali, conta que o seu pai ficara viúvo e chamara sua cunhada solteira para cuidar da srta. Mel, que na época tinha dois anos. Sua tia a maltrata muito e aos cinco anos ela também perde o pai. A tia começa a maltrata-la ainda mais, ganha a casa através de um documento supostamente feito pelo pai da humilde professora. Por ter "cuidado" da sobrinha, exige quase todo o dela como pagamento, por dez anos, deixando uma mera libra para o sustento da jovem moça, por isso ela vivia na miséria. A tia era ninguém menos que a Srta Trunchbull.

Matilda decide que já está na hora de se livrar da diretora, por isso arma um plano. Quando a Srta. Taurino vai ministrar a aula como acontecia todas as quintas-feiras, Matilda usa seus poderes para erguer o giz como se ele estivesse controlado por um fantasma e escrever no quadro mensagens que explicitamente indicam que o fantasma é do pai da Srta. Mel. Com isso, a diretora foge e o testamento aparece, de forma que a Srta. Mel ganha a casa e todas as economias do pai, que ainda encontravam-se seguras no banco. O Sr. Trinado, delegado de ensino, assume a diretoria da escola, coloca Matilda numa classe mais elevada, como a Srta. Mel gostaria e, graças ao esforço diário com os estudos, Matilda perde seus poderes, como gostaria.

Após mais uma tarde de chá, atividade que a Srta. Mel e Matilda faziam todos os dias na Casa Vermelha, nome pelo qual a casa do Dr. Mel era chamada, desde que finalmente herdara os bens do pai, Matilda volta para sua casa, ao chegar encontra os pais fazendo as malas as pressas para partir definitivamente para a Espanha, pois a polícia havia descoberto que o sr. Losna era receptor de carros roubados. Ao ver a situação, Matilda corre até a casa da Srta. Mel e pede a Srta. Mel para que possa ficar com Matilda. A Srta. Mel aceita contanto que os pais de Matilda concordem. Então as duas voltam correndo até a casa de Matilda e fazem o pedido ao Sr. e Sra. Losna, eles permitem que Matilda fique e partem. O único a se despedir de Matilda é o irmão, acenando brevemente para a menina.

Paulo Antunes (discussão) 02h08min de 19 de março de 2013 (UTC)

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

'