Matsumoku

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Matsumoku Industrial foi uma fábrica japonesa fundada em 1900, e permaneceu em atividade até 1987. Estabelecida em meados de 1900 como uma fabricante de diversos produtos feitos em madeira, porém ficou mais conhecida por suas guitarras e baixos de alta qualidade, incluindo algumas guitarras Epiphone e Aria.

1983 Aria Pro II, PE-R100

História[editar | editar código-fonte]

A Matsumoku foi criada em Matsumoto, Japão, como um negócio em família para a fabricação de produtos em madeira, que se especializou em construir tansu (um tipo de baú) e butsudan (um tipo de sacrário). Logo após Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a Singer Corporation estabeleceu a Companhia de Máquinas de Costura Singer, Japão, e inaugurou unidades de produção em Nagoia. A Matsumoku Industrial foi contratada para construir os gabinetes de máquinas de costura, e em 1951, se tornou uma subsidiária de propriedade parcial da Singer, Japão. A Matsumoku também fabricou gabinetes de amplificadores, caixas de som e gabinetes de madeira para empresas de áudio e televisão.

Produção[editar | editar código-fonte]

Etiqueta na boca de um Westone

No início dos anos 60[1] (ou a partir do meio dos anos 50), a Matsumoku começou a atuar em outros mercados de produção em madeira, pois diversas empresas subcontratadas da Singer foram transferidas para as Filipinas[1] e, como a Matsumoku tinha em sua equipe luthiers talentosos, e funcionários muito habituados a trabalhar com madeira, finalmente se aventurou na produção de violões e violinos. Violões clássicos modestos, pequenos violões acústicos de corda de aço, e violinos foram construídos e comercializados em meados dos anos 60[1] . No entanto, como outras companhias japonesas estavam produzindo instrumentos similares, a Matsumoku se destacou produzindo guitarras acústicas e elétricas de alta qualidade. Muitas das primeiras guitarras acústicas da Matsumoku sobrevivem, diversas delas devendo seu design para a Hofner, Framus, e Gibson. No final dos anos 60, a Matsumoku adquiriu novas fresadoras, tornos e prensas especializadas e começou a aumentar a produção de instrumentos musicais. Combinado com sua equipe de talentosos artesãos, a Matsumoku foi capaz de proceder a produção em massa de guitarras de alta qualidade.

No entanto, por produzir guitarras principakmente sob contrato, o papel da Matsumoku era extremamente desconhecido fora dos círculos de construtores de guitarras do Japão até seu nome começar a aparecer nas chapas de parafusos, headstocks, e etiquetas internas no final dos anos 70.

A Matsumoku produziu guitarras, ou partes de guitarras, para a Vox, Guyatone, FujiGen Gakki, Kanda Shokai (Greco), Hoshino Gakki (Ibanez), Nippon Gakki (Yamaha), Aria e Norlin (companhia-mãe da Gibson). A Unicord de propriedade americana contratou a Matsumoku para fabricar a maioria das suas guitarras Univox e Westbury. ?St. A Louis Music Company? importou as guitarras Electra Guitars feitas pela Matsumoku. J. C. Penney vendeu as guitarras Skylark da Matsumoku através de sua divisão de catálogo. A Matsumoku fabricou muitas das primeiras guitarras Greco e também as Memphis, Vantage, Westbury, Westminster, Cutler, Lyle e Fell. A Washburn Guitars contratou a Matusmoku para fabricar a maioria das suas guitarras elétricas de 1979 até 1985. Apesar dos nomes mencionados refletirem o envolvimento da Matsumoku, muitos dos nomes foram posteriormente vendidos para outras companhias, que fizeram guitarras completamente diferentes em qualidade e timbre.

Em 1979, a Matsumoku começou a comercializar suas próprias guitarras sob o nome Westone.

No início dos anos 70, a Matsumoku começou a utilizar fresadoras, roteadores e tornos de Controle Numérico Computadorizado (CNC), uma das primeiras fábricas de guitarras a fazê-lo. Mesmo assim, 60% do processo de produção ainda era feito à mão, incluindo plainagem, instalação de trastes, colagem e montagem. Essas máquinas cortavam, mas processos manuais ainda garantiam instrumentos de alta qualidade com características únicas.

Aria[editar | editar código-fonte]

Aria Pro II, TS-600 com elaborado sistema de seleção de captadores
Traseira da TS-600 apresentando o braço neck-thru em 5 peças

Shiro Arai fundou a Arai and Company em 1953 como uma importadora de violões clássicos. Em 1960, a Arai contratou a Guyatone para fabricar guitarras. Nessa época, a Guyatone era um dos fabricantes japoneses de instrumentos musicais líder de mercado. No entanto, a Guyatone não conseguia alcançar os requisitos de produção da Arai, e, em 1964, a Arai and Company contratou a Matsumoku para construir seus instrumentos musicais.

As primeiras guitarras Guyatone de Shiro Arai apresentaram problemas quando exportadas, causados principalmente pelos climas mais secos da América: frisos começaram a soltar, peças do corpo a descolar, e braços quebraram justamente na junção do headstock. Esses problemas foram resolvidos rapidamentte com a Matsumoku. A solução era utilizar madeiras que tivessem secado por, no mínimo, dois anos, colas mais fortes com tempo de prensa mais longo, e uma característica que permaneceu através de toda a produção da Matsumoku: o braço em maple feito em 3 peças.

A relação entre as duas companhias era amigável e simbólica. A Aria focava nas vendas em ambos os mercados, dómestico e de exportação, e forneceu desenvolvimento de design. A Matsumoku devotou suas energias em engenharia e construção de guitarras e outros instrumentos elétricos de cordas. Através de seus 22 anos de relacionamento comercial, a Aria permaneceu como o principal cliente da Matsumoku. A Matsumoku geralmente preferiu usar a Aria como seu agente de negócios, e muitos dos contratos da Matsumoku foram escritos pela Aria com a Matsumoku declarada ou subentendida como fabricante subcontratado.

O engenheiro de design Nobuaki Hayashi (atualmente com a Atlansia) se tornou parte da equipe de engenharia da Matsumoku no meio dos anos 70. O pseudônimo de Hayashi, "H. Noble", apareceu em muitos dos instrumentos da Aria Pro II que ele desenvolveu. As guitarras da Aria que seguiram apresentaram inovações memoráveis de design e um movimento definitivo além das formas das Gibson e Fender. Hayashi é mais conhecido como designer do baixo SB-1000 e as guitarras PE series da Aria Pro II.

As guitarras da Arai and Company foram por pouco tempo lançadas sob o nome Arai, e então mudaram para a familiar Aria em aproximadamente 1966. Aria Diamond foi o nome escolhido para as primeiras guitarras acústicas/elétricas. De 1975 adiante, depois da chegada de Hayashi, todas foram denominadas Aria Pro II. A Aria tinha duas fábricas que produziam guitarras além da Matsumoku, uma que fazia violões clássicos, e outra que fazia guitarras de nível médio e guitarras específicas.

Epiphone[editar | editar código-fonte]

Epiphone Casino 1983, feita pela Matsumoku

A Gibson decidiu mover a produção da Epiphone para o Japão no início dos anos 70, e escolheu a Aria como sua contratante. Como subcontratada pela Aria, a Matsumoku fabricou a maioria das guitarras elétricas da Epiphone feitas no Japão desde 1970 até 1986 (algumas guitarras elétricas sólidas foram feitas por outras fábricas japonesas, e pelo menos um modelo foi feito em Taiwan). Os modelos incluem a série sólida ET (Crestwood) a série SC (Scroll) e o modelo 1140 (Flying V), inclusive as guitarras elétricas semisólidas da Epiphone: 5102T/EA-250, Sheraton, Riviera, Casino, e Emperor.

As primeiras Epiphone semisólidas feitas pela Matsumoku e os baixos acústicos possuiam braços com quatro parafusos. Como os custos de produção de braços parafusados eram menores, alguns guitarristas as consideraram instrumentos inferiores. No entanto, não era a construção do braço que era inferior (como descrito acima, a maioria dos braços da Matsumoku eram da mais alta qualidade). Ao invés disso, era a falta de reforço no encaixe do braço que poderia possibilitar essa área a agir como uma dobradiça, causando problemas futuros com ação alta devido à tensão no encaixe do corpo pelas cordas. Colecionadores de guitarras da Matsumoku desse período comumente resolveram esses problemas fabricando e instalando calços de braço customizados permanentes. As guitarras acústicas de braço colado seguiram no final de 1975. As especificações nas guitarras acústicas da Epiphone mudaram durante a era Matsumoku.

Curiosamente, a Gibson mudou o visual e o som da guitarra acústica mais vendida da Epiphone, a Casino, quando a produção foi transferida para o Japão. Na sua introdução em 1964, a Casino era muito procurada por guitarristas de rock, mas as vendas diminuiram no final dos anos 60. A Gibson decidiu relançá-la direcionando para músicos de jazz e mudou o cordal para o da Riviera, e os captadores para mini-humbuckers. O resultado foi uma Casino que parecia mais com uma Riviera em escala menor. A Casino foi restaurada para as suas especificações de 1965 em meados de 1975, e mais ou menos ao mesmo tempo, a Matsumoku iniciou a produção de archtops com braço colado.

Características distintas[editar | editar código-fonte]

Traseira da CSB-400 Aria Pro II, mostrando o braço em 3 peças de maple

Muitas guitarras fabricadas pela Matsumoku, incluindo as archtops da Epiphone, utilizavam braços em 3 peças de maple com as fibras da secção central orientadas a 90 graus da madeira das laterais. Essa técnica de construção garantia braços extremamente fortes, não propensos a partir ou empenar. Uma variação muito utilizada disso era o braço em 5 peças com duas faixas finas de walnut ou ébano separando as três secções. A Matsumoku fez muitas guitarras e baixos sólidos com a técnica neck-through-body (braço através de corpo), a maioria com braços em 5 peças.

A Matsumoku geralmente utilizava a companhia Nisshin Onpa, que possuia a marca Maxon Effects, como subcontratada para seus captadores. Alguns captadores Maxon possuem o logo "M" estampado na traseira.

O nome Matsumoku apareceu na plaqueta de parafusos do braço de algumas guitarras que eles construíram. As primeiras Greco e algumas Aria Pro II dos anos 80 possuem Matsumoku na plaqueta de parafusos do braço. Outras plaquetas de braço vinham em branco ou simplesmente possuiam "Japan" estampado nelas.

Muitas guitarras e baixos de braço colado da Matsumoku possuem o nome do inspetor estampado dentro da cavidade do captador do braço.

Fim da produção[editar | editar código-fonte]

Epiphone Casino 1983, Hon (Estampa do Nome) "Kuro" - provável nome do inspetor. "78" é o número da produção, não o ano

A Gibson se reestruturou depois de ser vendida pela Norlin, e começou a mover a produção da Epiphone para outros fabricantes japoneses e para a Coréia. Em 1986, o mercado de costura caseira estava em um pesado declínio e a Singer quase faliu. A Matsumoku não tinha condições de se comprar da Singer e, em 1987, fechou.

Depois que a Matsumoku fechou as operações, a Aria continuou a produção das guitarras e baixos Aria Pro II através de suas próprias fábricas e outros fabricantes. Algumas guitarras top de linha e edições especiais ainda são fabricadas no Japão, no entanto, a maioria das guitarras da Aria são agora produzidas na Coréia e China.

Informações sobre a contribuição da Matsumoku para a construção de instrumentos são mais conhecidas atualmente, em grande parte por causa da Internet. Os produtos da Matsumoku desfrutam de uma forte procura entre devotos entusiastas.

Notáveis usuários de guitarras Matsumoku[editar | editar código-fonte]

  • Kurt Cobain (Nirvana), guitarras Univox Hi-Flyer, Epiphone ET-270, Aria Pro II Cardinal Series CS-250
  • John Taylor (Duran Duran), baixo Aria Pro II SB-1000
  • Cliff Burton (Metallica), baixo Aria Pro II SB-1000
  • Elvin Bishop, Electra Model 2281
  • Neal Schon (Journey), Aria Pro II PE series (diversos modelos)
  • Frank Keith IV, Epiphone EA-260 bass
  • Danny P. Hurley, guitarra Univox Coily

‘’’Nota’’’: Costuma haver confusão entre Matsumoku e Matsumoto. Matsumoto é uma cidade na região da Prefeitura de Nagano no Japão, onde a FujiGen Gakki, Gotoh, e outras companhias de instrumentos musicais possuem fábricas. Matsumoto Musical Instrument Manufacturers Association também é o nome de uma cooperativa de fabricação de instrumentos musicais encabeçada pela Gotoh.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c フジゲン創成期(エレキギター生産の始まり) (em japonês) Matsumoto Guitars, The Junk Guitar Museum Matsumoto (2012).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]