Maurício I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde junho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.


Maurício I
Imperador bizantino
Emperor Maurice.jpg
Soldo de Maurício I
Governo
Reinado 582 - 682
Consorte Constantina
Antecessor Tibério II
Sucessor Focas
Dinastia Justiniana
Vida
Nome completo Flavius Mauricius Tiberius Augustus
Nascimento 539
Morte novembro de 602 (63 anos)
Constantinopla
Filhos Teodósio
Tibério
Pedro
Paulo
Justino
Justiniano
Anastácia
Teoctiste
Cleópatra

Flávio Maurício Tibério Augusto (em latim Flavius Mauricius Tiberius Augustus, 539novembro de 602), foi imperador bizantino no período de 582 a 602. Foi indicado por Tibério II como seu herdeiro e sucessor, casando-se com a filha deste último, Constantina. Tornou-se imperador com a morte de seu sogro, uma semana após o casamento.

História[editar | editar código-fonte]

Durante seu reinado, Maurício teve que lidar com guerras intermináveis em todas as fronteiras e, apesar de suas qualidades como governante, logrou apenas adiar a desintegração do grande império de Justiniano I.

Logo após a sua coroação, Maurício interferiu, em 590, numa guerra de sucessão na Pérsia, ao auxiliar um dos pretendentes a conquistar o trono persa. Em troca, a Mesopotâmia oriental e a Armênia voltaram ao controle do Império Bizantino.

As províncias dos Bálcãs haviam sido devastadas pelos eslavos e somente se recuperariam séculos mais tarde. Os eslavos avançaram até o Peloponeso, de modo que diversas campanhas - vitoriosas - e exaustivas - tiveram que ser empreendidas para contê-los. No ocidente, Maurício organizou em exarcados os territórios bizantinos ameaçados na Itália e na África, agora sujeitos a governadores militares (exarcas).

Em 602, Maurício, sempre às voltas com a falta de recursos financeiros, decidiu que o exército deveria invernar além do Danúbio, o que se mostraria um equívoco sério. As tropas, exaustas, amotinaram-se e proclamaram um certo Focas como seu líder, exigindo que Maurício abdicasse em favor de seu filho, Teodósio, ou do general Germano, sogro de Teodósio.

Ambos foram acusados de traição, mas o imperador e sua família tiveram que refugiar-se em Nicomédia, devido a distúrbios em Constantinopla. Teodósio, por sua vez, dirigiu-se para a Pérsia. Focas entrou em Constantinopla e foi coroado imperador. Maurício e sua família foram capturados. Ele e seus filhos varões foram executados; Constantina e as filhas foram poupadas e enviadas a um mosteiro. Maurício é venerado como um santo da Igreja Ortodoxa.

Obras[editar | editar código-fonte]

Maurício é considerado o autor do "Strategicon", um tratado de estratégia considerado a primeira e única teoria de emprego de armas combinadas até a Segunda Guerra Mundial.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maurício I
Precedido por
Tibério II
Imperador bizantino
582602
Sucedido por
Focas