Maurício Waldman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde julho de 2009).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Maurício Waldman (São Paulo, 2 de dezembro de 1955) é um ambientalista, ativista social brasileiro, com contribuições junto a diversas áreas do conhecimento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu pai era um imigrante polonês e sua mãe, brasileira filha de italianos, ambos de origem judaica. Na sua trajetória como militante, Waldman colaborou com Chico Mendes e esteve presente em várias organizações, dentre as quais o Comitê de Apoio aos Povos da Floresta de São Paulo, o Centro de Estudos Africanos da Universidade de São Paulo e o CEDI: Centro Ecumênico de Documentação e Informação (São Paulo e Rio de Janeiro). Também participou em mobilizações sindicais e no movimento ambientalista, particularmente em prol da preservação dos recursos hídricos e dos mananciais da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP).

Entre os anos 80 e 1992, Waldman se notabilizou enquanto membro do Partido dos Trabalhadores (PT), elaborando documentos políticos e trabalhando na organização financeira e política do partido na cidade de São Paulo. Waldman fundou a Comissão de Assuntos Judaicos (1988) e a Secretaria dos Ecologistas (1989), ambas associadas ao Diretório Estadual do PT-SP (ou Regional, DR-SP) e além disso, integrou a Coordenação Nacional de Movimentos Populares do partido. Em 1989 foi alçado à posição de Administrador do DR-SP, a mais alta posição na burocracia partidária paulista. Ademais, atuou na esfera administrativa, assumindo em 1990 a gerência do Parque Chico Mendes na zona leste da capital e no ano seguinte (1991), a Coordenadoria de Meio Ambiente em São Bernardo do Campo, a mais importante cidade do ABC Paulista, região industrial que constituiu o berço do PT.

Contudo, Waldman entrou em desacordo com a administração de São Bernardo do Campo - no momento administrada pelo PT - em razão da omissão e de iniciativas institucionais que no seu entendimento, se desdobravam no avanço dos loteamentos clandestinos e no comprometimento da preservação da região dos mananciais, reconhecidamente vital para o abastecimento de água da RMSP. Tal situação determinou rompimento com o então prefeito Maurício Soares (1992) e logo em seguida, seu desligamento do PT (1993).

Paralelamente, Waldman retomou sua vida universitária e profissional. Pesquisando sobre topologia, imaginário, meio ambiente, modernidade, sociedade tradicional africana e a construção do espaço-tempo na África Subsaariana, obteve o título de Mestre em Antropologia Social (África) na Universidade de São Paulo, USP (1997). Profissionalmente, destacou-se como Diretor da Escola do Serviço SOS Criança de São Paulo (1998), da Escola do Complexo Imigrantes da FEBEM - Fundação Estadual do Bem Estar do Menor (1999), como Chefe da Coleta seletiva de Lixo da capital paulista (2000) e Editor da Associação dos Geógrafos Brasileiros - Seção Local São Paulo (2002-2003). No ano2000 iniciou seu Doutorado, enfocando a questão dos recursos hídricos, das regiões metropolitanas brasileiras, do meio ambiente, do tempo social metropolitano e da Represa Billings na região do ABC Paulista. Com este trabalho, o mais extenso com foco na temática dos recursos hídricos e do espaço urbano moderno (5 volumes), Waldman recebeu o título de Doutor em Geografia Humana pela USP (2006).

Waldman tem se destacado enquanto produtor de textos voltados para diversas temáticas, a saber: ecologia e educação ambiental, recursos hídricos, Resíduos sólidos urbanos, desenvolvimento, Timor-Leste, conflito árabe-israelense, judaísmo, religião, ecumenismo, topologia, geografia, antropologia, cidadania, racismo, África Subsaariana e afro-educação, incluindo diversos livros, artigos acadêmicos e coletâneas.

Correntemente, Maurício Waldman atua como conferencista, pesquisador, consultor e educador, responsável por cursos de capacitação e treinamento junto a empresas públicas e particulares, administrações municipais, universidades e ONG.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]