Mauritânia romana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mauritânia (Antiguidade))
Ir para: navegação, pesquisa
Mauritânia romana em amarelo.

Mauritânia era o nome antigo da região que corresponde à costa mediterrânea dos modernos estados de Marrocos, Argélia ocidental e as cidades espanholas de Ceuta e Melilla. Na região floresceu um reino berbere a partir do século III a.C. que tornou-se um reino cliente dos romanos em 33 a.C. Toda a região foi incorporada ao Império Romano quando Ptolemeu da Mauritânia morreu sem herdeiros em 40 d.C.

Na década de 430, a região foi tomada pelos vândalos e só foi reconquistada pelas forças do general bizantino Belisário em 533. Depois disso, houve um período de fraco controle central no qual a Mauritânia foi praticamente independente. A província foi definitivamente perdida quando os omíadas conquistaram todo o Magrebe por volta de 698 Em 743, os berberes derrotaram os omíadas durante a Revolta Berbere, reconquistaram sua independência e fundaram muitos reinos muçulmanos na região até 1912, quando a França e a Espanha conquistaram a região, apesar da feroz resistência. Em 1956, a região reconquistou sua independência e corresponde ao moderno estado do Marrocos.

Reino da Mauritânia[editar | editar código-fonte]

Reino da Mauritânia
Mapa da Mauritânia ca. 216 a.C. durante a Segunda Guerra Púnica, ainda sob o domínio de Cartago.
Mapa da Mauritânia ca. 216 a.C. durante a Segunda Guerra Púnica, ainda sob o domínio de Cartago.

A Mauritânia era um reino tribal dos mauros na costa mediterrânea do norte da África a partir de pelo menos o século III a.C. A costa havia feito parte dos domínios de Cartago desde antes do século IV a.C., mas o interior sempre foi controlado pelas tribos berberes, que se assentaram na região durante a início da Idade do Ferro.

Rei Atlas foi um lendário rei da Mauritânia a quem se atribui a invenção do globo celeste. O primeiro rei histórico conhecido dos mauri é Bagas, que reinou durante a Segunda Guerra Púnica. Os mauri mantinham estreitos contatos com o Reino da Numídia e Boco I (fl. 110 a.C.) era sogro de Jugurta da Numídia.

A Mauritânia tornou-se um reino cliente do Império Romano em 33 a.C. e os novos senhores colocaram Juba II da Numídia no trono da Mauritânia e, quando ele morreu em 23 d.C., seu filho, educado em Roma, Ptolemeu o sucedeu. Contudo, Calígula mandou matá-lo em 40 d.C. e Cláudio anexou o reino quatro anos depois, organizando uma província imperial em seu território.

Reis da Mauritânia[editar | editar código-fonte]

Os reis conhecidos da Mauritânia são:

Imagem nome reinado observações
Bagas fl. 225 a.C.
Boco I ca. 110 – ca. 80s a.C.
Boco II 49 – ca. 33 a.C. em conjunto com Bogud
Bogud 49 – ca. 38 a.C. em conjunto com Boco II
Portrait Juba II Louvre Ma1886.jpg Juba II 25 a.C. – 23 d.C. rei cliente romano
Ptolemy of Mauretania Louvre Ma1887.jpg Ptolemeu 20 – 40 último rei da Mauritânia; começou como co-governante com Juba II; assassinado por Calígula

Província romana[editar | editar código-fonte]

Provincia Mauretania Sitifensis
Província da Mauritânia Sitifense
Província do(a) Império Romano e Império Bizantino

293ca. 590
Location of Mauritânia Sitifense
A Mauritânia Sitifense está à direita neste mapa da Diocese da Hispânia ca. 400
Capital: Sitifis
Governador: Praeses
Período : Antiguidade Tardia
 -  Morte do último rei da Mauritânia, Ptolemeu 293
 -  Conquistada pelos vândalos 430s
 -  Reconquistada depois da Guerra Vândala 534
 -  Fundida na Mauritânia Prima ca. 590
 -  Conquista muçulmana do Magrebe Séc. VII

No século I, o imperador Cláudio dividiu a província da Mauritânia em duas, a Mauritânia Cesariense e a Mauritânia Tingitana, com o rio Mulucha separando as duas a aproximadamente 60 km a oeste de Oran. A Tingitana, chamada assim por causa de sua capital, Tingis (moderna Tânger), corresponde ao norte de Marrocos incluindo os enclaves espanhóis. A Cesariense, que também recebeu seu nome por causa da capital, Cesareia, abrangia a Argélia central e ocidental até Kablylie.

Da região saiu pelo menos um imperador romano, o equestre Macrino, que tomou o trono depois do assassinato de Caracala em 217, mas que foi depois derrubado e executado por Heliogábalo no ano seguinte.

Depois da reforma de Diocleciano em 293, a Mauritânia foi novamente dividida, desta vez em três províncias por causa da separação da pequena região de Sitifense da Mauritânia Cesariense para formar a nova Mauritânia Sitifense, com capital na cidade de Sitifis.

A Notitia Dignitatum (circa 400) ainda as menciona, duas delas sob a autoridade do vigário da Diocese da África, o duque e praeses provincial da Mauritânia e Cesariense (dux et praeses provinciae Mauritaniae et Caesariensis), ou seja, um governador de estatuto de vir spectabilis que também detinha o alto posto militar de "duque", o comandante de oito comandantes das unidades de fronteira, cada um chamado de prepósito do limite (praepositus limitis): columnatense (columnatensis), vidense (vidensis), prepósito do limite inferior (praepositus limitis inferioris; a fronteira sul), fortense (fortensis), muticitanos (muticitani), audiense (audiensis), caputcelense (caputcellensis) e augustense (augustensis). Um praeses era o governador da Sitifense.

E, sob a autoridade do vigário da Diocese da Hispânia, um comes rei militaris da Tingitana, também um vir spectabilis, encarregado dos seguintes comandantes fronteiriços (limitanei): prefeito da ala hercúlea (praefectus alae herculeae) em Tamuco, tribuno da coorte secundária da Hispânia (tribunus cohortis secundae hispanorum) em Duga, tribuno da coorte primeira hercúlea (tribunus cohortis primae herculeae) em Aulucos, tribuno da coorte primária dos itureus (Tribunus cohortis primae Ityraeorum) em Castrabarense, outro tribuno da coorte (tribunus cohortis) em Sala, tribuno da corte pacatianense (tribunus cohortis pacatianensis) em Pacaciana, tribuno da coorte terciária dos ástures (tribunus cohortis tertiae asturum) em Tabernas e tribuno da coorte friglense (tribunus cohortis friglensis) em (e, aparentemente, também a partir de) Friglas. A ele também estavam subordinadas três unidades de cavalaria extraordinárias: équites escutários seniores (equites scutarii seniores), équites sagitários seniores (equites sagittarii seniores) e équites corduenos (equites cordueni). Adicionalmente, havia ainda um praeses, que era o governador civil da Tingitana.

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província da Mauritânia Sitifense e que aparecem no Annuario Pontificio como sés titulares são[1] :

  • Acufida (Cafrida)
  • Arae na Mauritânia (Ksar-Tarmounth)
  • Assava (Hammam-Guergour)
  • Asuoremixta
  • Castellum na Mauritânia (ruínas de Aïn-Castellou?)
  • Cedamusa (perto dos Montes Fdoulès)
  • Cellae na Mauritânia (Kherbet-Zerga)
  • Cova
  • Eminentiana
  • Equizetum (Lacourbe, Ouled Agla)
  • Ficus (na região de El-Ksar or Djemâa-Si-Belcassem)
  • Flumenpiscense (ruínas de Kherbet-Ced-Bel-Abbas?)
  • Gegi
  • Ierafi (no vale do Bou-Sellam?)
  • Lemellefa (Bordj-Redir)
  • Lemfocta (entre Tiklat e Mlakou)
  • Lesvi
  • Macri
  • Macriana na Mauritânia
  • Maronana (ruínas de Aïn-Melloud?)
  • Medianas Zabuniorum (Medjana)
  • Molicunza (ruínas de Makou?)
  • Mons na Mauritânia (ruínas de Henchir-Casbalt?)
  • Mopta (ruínas de El-Ouarcha?)
  • Murcona

Antiguidade Tardia[editar | editar código-fonte]

Reino Vândalo em 526. Os vândalos expulsaram os romanos, mas não conseguiram dominar efetivamente a região interior das províncias, o permitiu que as lideranças berberes locais reassumissem o controle de grandes partes da Mauritânia.

Reinos mouro-romanos[editar | editar código-fonte]

Durante a crise do terceiro século, partes da Mauritânia foram reconquistadas pelos berberes. O controle romano passou a se restringir a umas poucas cidades costeiras (como Septem, na Tingitana, e Cherchell na Cesariense) no final do século III[2] .

Fontes históricas sobre os eventos no interior são escassas, mas, aparentemente, a região passou a ser governada por monarcas nativos que, porém, mantinham ainda uma certa medida da cultura romana, incluindo nas cidades, e reconheciam a suserania dos imperadores romanos[3] . Uma inscrição de Altava, na Argélia ocidental, um destes monarcas, Masuna, se intitula rex gentium Maurorum et Romanorum ("rei dos povos mouros e romanos"). A mesma cidade foi depois a capital de um outro monarca, Garmul ou Garmules, que resistiu ao domínio bizantino na África, mas que foi finalmente derrotado em 578[4] . O historiador bizantino Procópio menciona também mais um outro, Mastigas, que controlou a maior parte da Mauritânia Cesariense na década de 530.

Reino Vândalo[editar | editar código-fonte]

Os vândalos conquistaram toda a região nas décadas de 420 e 430. A cidade de Hipona caiu em 431, depois de prolongado e intermitente cerco (inclusive o cerco de 430, durante o qual morreu Santo Agostinho), e Cartago também, em 439. Teodósio II enviou uma expedição para tentar expulsar os invasores em 441, mas a frota não passou da Sicília.

O Império Romano do Ocidente, comandado por Valentiniano III, firmou a paz em 442 e confirmou-lhes o controle sobre toda a África Proconsular, que incluía a Mauritânia. Pelos próximos noventa anos, a região permaneceu sob firme controle vândalo, que só foram expulsos na Guerra Vândala de 533-534, quando a Mauritânia passou novamente para o controle bizantino.

As antigas províncias da Diocese da África foram preservadas pelos vândalos, mas grandes porções do território nominalmente romano, incluindo quase toda a Mauritânia Tingitana, a maior parte da Mauritânia Cesariense e a Mauritânia Sitifense, grandes porções da Numídia e Bizacena estavam sob controle das tribos berberes, agora chamadas coletivamente de mauros (antecessores dos mouros), um termo genérico para "tribos berberes na província da Mauritânia".

Prefeitura pretoriana da África[editar | editar código-fonte]

Em 533, o exército romano de Belisário derrotou os vândalos. Em abril de 534, Justiniano proclamou uma lei sobre a organização administrativa de suas novas conquistas, que manteve a antiga divisão da Diocese, mas elevou o governador de Cartago ao supremo posto administrativo de prefeito pretoriano, encerrando assim a tradicional subordinação da Diocese da África à Prefeitura pretoriana da Itália (que, além disso, estava sob comando ostrogodo na época).

Exarcado da África[editar | editar código-fonte]

Provincia Mauretania Prima
Provincia Mauretania Secunda
Mauritânia Prima
Mauritânia Prima
Província do(a) Império Bizantino

 

ca. 590 - séc. VII
Location of Mauritânia
A Mauretânia Secunda e a Espânia em ca. 586
Período : Antiguidade Tardia
 -  Fusão da Mauritânia Cesariense e Sitifense ca. 590
 -  Conquista muçulmana do Magrebe Séc. VII

O imperador Maurício, em algum momento entre 585 e 590, criou o cargo de exarca, que combinava a autoridade civil suprema do prefeito pretoriano e a autoridade militar do mestre dos soldados (magister militum), o que lhe dava uma considerável autonomia em relação a Constantinopla. Dois exarcados foram criados, um na Itália (o Exarcado de Ravena), e outro na África, baseado em Cartago e incluindo todas as possessões romanas no Mediterrâneo ocidental. O primeiro exarca da África foi o patrício Genádio[5] .

A Mauritânia Cesariense e a Mauritânia Sitifense foram novamente fundidas para formar a nova Mauritânia Prima, enquanto que a Tingitana, agora efetivamente reduzida à cidade de Septem (Ceuta), foi combinada com as cidadelas da costa espanhola (a efêmera província da Espânia) e as ilhas Baleares para formar a Mauritânia Secunda.

O exarca da África manteve o controle desta última, que não passava de minúsculos entrepostos no sul da Espanha cercados pelos visigodos. O último deles caiu por volta de 624 e a Secunda ficou reduzida à cidade fortificada de Septem. A região foi posteriormente devastada pelo Califado Omíada durante a conquista muçulmana no século VII, encerrando definitivamente o controle romano-bizantino na região. A maior parte do território da antiga Mauritânia Cesariense tornou-se parte da província islâmica mais ocidental, chamada de "Al-Maghreb".

Referências

  1. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013
  2. Wickham, Chris. Framing the Early Middle Ages: Europe and the Mediterranean, 400 - 800. [S.l.]: Oxford University Press, 2005. p. 18. ISBN 978-0-19-921296-5.
  3. Wickham, Chris. Framing the Early Middle Ages: Europe and the Mediterranean, 400 - 800. [S.l.]: Oxford University Press, 2005. p. 335. ISBN 978-0-19-921296-5.
  4. Aguado Blazquez, Francisco. El Africa Bizantina: Reconquista y ocaso. [S.l.: s.n.], 2005. p. 46.
  5. Julien (1931, v.1, p.273)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (em alemão) Westermann, Großer Atlas zur Weltgeschichte