Max Gluckman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Herman Max Gluckman (Joanesburgo, 26 de janeiro de 191113 de abril de 1975) foi um antropólogo social britânico, nascido na África do Sul.

Ele cresceu na África do Sul e trabalhou depois na Administração britânica em Rodésia do Norte (especialmente no direito Barotse, no que é agora a Província Ocidental, na Zâmbia). Ele foi educado na Faculdade de Exeter, Oxford com uma Bolsa de estudos de Rhodes. Dirigiu o Rhodes-Livingstone Institute (1941-1947), antes de se tornar o primeiro professor de antropologia social na Universidade de Manchester (1949), onde fundou o que ficou conhecido como a Escola de Antropologia de Manchester, junto com muitos colegas dos Rhodes-Livingstone Institute e seus estudantes. Uma característica da Escola de Manchester que deriva de Gluckman ter sido inicalmente treinado em direito era a ênfase em "estudos de caso" envolvendo análise de instâncias de interação social para deduzir regras e suposições. Ele ficou amplamente conhecido através de suas caonferências de rádio Costume e Conflito na África (depois publicado em muitas edições pela Oxford Universidade Press), sendo uma contribuição notável para a teoria do conflito.

Gluckman era um ativista político, abertamente e vigorosamente anticolonial. Empenhou-se diretamente nos conflitos sociais e contradições culturais do colonialismo, como o racismo, urbanização e migração de trabalhadores. Gluckman combinou a escola britânica de estrutural-funcionalismo com um enfoque Marxista em desigualdade e opressão, criando uma crítica de colonialismo de dentro do estruturalismo. Na pesquisa que desenvolveu na Zululândia na África do Sul, argumentou que as comunidades africanas e europeias formavam um único campo social¹, cujo cisma em dois grupos raciais formou a base de sua unidade estrutural.

Bruce Kapferer descreveu Gluckman como "talvez o antropólogo por excelência cuja própria vida pessoal, história e consciência não só encarnaram algumas das crises críticas do mundo moderno mas também exigiu que a antropologia que imaginava deveria se confrontar e examinar esse mesmo mundo." (em "The Crisis in Anthropology" na ocasião do primeiro Max Gluckman Memorial Lecture.)

Gluckman foi de influência considerável em vários antropólogos e sociólogos: Lars Clausen, A. L. Epstein, Ronald Frankenberg, Bruce Kapferer, J. Clyde Mitchell, Victor Turner e outros estudantes e interlocutores. A maioria deles veio ser conhecido como a "Escola de Manchester".

1- Não confundir com sistema descrito por Parsons.

Referências

  • Barth, Fredrik. 2005. "The Golden Age, 1945-1970." Pp. 32-43 in: One Discipline, Four Ways: British, German, French, and American anthropology, edited by F. Barth, A. Gingrich, R. Parkin, and S. Silverman. Chicago: University of Chicago Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um antropólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.