Maxim Vengerov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maxim Vengerov
1995
Informação geral
Nome completo Maxim Vengerov
Nascimento 20 de agosto de 1974
Origem Novosibirsk
País Rússia, na União Soviética
Gênero(s) clássico
Ocupação(ões) instrumentalista
Instrumento(s) violino
Outras ocupações violinista, pedagogo

Maxim Vengerov (Novosibirsk, 20 de Agosto de 1974) é um violinista russo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Iniciou os seus estudos de violino aos quatro anos de idade e deu o seu primeiro recital um ano depois, interpretando obras de Paganini, Tchaikovski e Schubert. Estudou com Galina Turtschaninova em Novosibirsk e continuou a sua formação em Moscovo, com esta mesma professora, regressando depois à sua cidade natal para trabalhar com Zakhar Bron. Aos dez anos de idade ganhou o Primeiro Prémio no Concurso Wieniawsky (Polónia) para jovens instrumentistas e em julho de 1990 foi primeiro classificado no Concurso Internacional de Violino Carl Flesch. Desde então, tem sido reconhecido como um dos maiores violinistas de sempre.

Apresentando-se regularmente com os mais prestigiados maestros e orquestras do panorama internacional, Maxim Vengerov realiza recitais em todo o mundo, recolhendo o reconhecimento generalizado da crítica e do público.

Na temporada de 1998-99 interpretou o Concerto Cantabile de Chtchedrin (composto especialmente para si por Rodion Chtchedrin) e participou num concerto em Chicago com Barenboim e Yo-Yo Ma.

Na temporada seguinte realizou uma digressão pela Europa com a Orquestra de Câmara Inglesa, no decurso da qual se apresentou pela primeira vez na dupla qualidade de intérprete e de director de orquestra. Esta colaboração revelou-se extremamente frutífera, passando a estudar direcção de orquestra com Vag Papian, que por sua vez estudara com o célebre professor Musin. Outros eventos destacados da temporada de 1999-2000 incluíram vários recitais com Trevor Pinnock, nos quais Vengerov se apresentou com um violino barroco - e uma digressão a solo com obras de Bach, Ysaÿe e Chtchedrin. Um acontecimento especial nessa temporada foi o Concerto Comemorativo do 65º aniversário de Seiji Osawa, em Tóquio, sob a direcção de Mstislav Rostropovitch, por ocasião do qual Vengerov viajou da Europa para o Japão e vice-versa, em pleno decurso de uma série europeia de recitais a solo, a fim de poder participar nas celebrações.

A temporada de 2000-2001 inaugurou-se com concertos com a Orquestra Sinfónica de São Francisco, sob a direcção de Michael Tilson Thomas, seguidos de uma extensa digressão de concertos, recitais a solo e a duo com Vag Papian, o seu habitual pianista acompanhador, na Austrália, Coreia, Japão e Macau. Realizou digressões na Europa e nos Estados Unidos, para além de concertos com o Maestro Claudio Abbado e a Orquestra Filarmónica de Berlim, no Festival de Salzburgoo. Finalmente, realizou uma digressão europeia com o grupo The Virtuosi, a quem o violinista de jazz Didier Lockwood dedicou especialmente um concerto.

Uma outra vertente da actividade de Maxim Vengerov é a orientação de cursos de aperfeiçoamento. A estação televisiva inglesa Channel Four realizou um documentário sobre o intérprete, intitulado "Playing by Heart", o qual inclui a filmagem de uma destas sessões de aperfeiçoamento. Este programa foi emitido em 1999 pelo Festival de Televisão de Cannes. Desde Outubro de 2000, Vengerov é também professor de violino na Escola Superior de Música de Saarland.

Em maio de 2000, Maxim Vengerov celebrou um contrato exclusivo com a EMI Classics. Para esta editora gravou um disco com obras de Stravinski, Chtchedrin e Tchaikovski, dirigidas por Rostropovitch.

Tendo gravado para a editora Teldec Classics durante 10 anos, Maxim Vengerov recebeu, em 1996, duas nomeações para os prémios Grammy - nas categorias de Álbum Clássico do Ano e de Melhor Solista Instrumental com Orquestra - pela sua gravação dos primeiros concertos para violino e orquestra de Shostakovitch e Prokofiev. Este álbum recebeu igualmente o prémio de Melhor Gravação do Ano , concedido pela revista Gramophone. Em 1997, Vengerov recebeu o Prémio Edison para a categoria de Melhor Gravação de Concerto, atribuído à sua gravação dos Segundos Concertos de Shostakovitch e Prokofiev. Gravou ainda o Concerto para Violino e Orquestra de Brahms, com Daniel Barenboim e a Orquestra Sinfónica de Chicago, o qual foi lançado no mercado em 1999 com o aplauso da crítica.

Em 1997, Maxim Vengerov foi nomeado representante da UNICEF na área da música, o que lhe permitiu divulgar a sua arte junto das crianças de todo o mundo e contribuir para a angariação de fundos para programas de apoio. Maxim Vengerov toca no extraordinário violino Ex-Kreutzer, construído por Antonio Stradivarius em Cremona (c.1723).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]