McDonaldização

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde junho de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

A McDonaldização da sociedade (em inglês: “« McDonaldization”) é um termo empregado pelo sociólogo estadunidense George Ritzer no seu livro McDonaldization of Society (1995) para designar um fenômeno complexo.

O autor descreve esse processo como o da assunção pela sociedade das características de um restaurante de comida rápida (em inglês: “fast food”).

A McDonaldização é uma reelaboração do conceito de racionalidade. De fato, observa-se um deslocamento daquilo que é tradicional para outros modos ditos razoáveis de pensar e da administração científica. Lá onde Max Weber referenciara ao modelo de burocracia para representar a orientação dessa sociedade em transformação, Ritzer vê o “fast-food” como tendo se tornado o paradigma da representação contemporânea (Ritzer, 2004:553).

Ritzer destacou quatro componentes fundamentais da McDonaldização:

  • Eficiência (« Efficiency”): encontrar o método mais eficaz para cumprir uma tarefa;
  • Quantificação (« Calculability »): o objetivo deve ser muito mais quantificável (a exemplo das vendas) do que qualitativo-subjetivo (como o gosto);
  • Previsibilidade (« Predictability »): os serviços devem ser padronizados, normalizados;
  • Controle: os empregados devem ser padronizados, normalizados, e, tanto quanto possível, substituídos por tecnologias não-humanas.

Com esses quatro processos, essa estratégia aparentemente razoável, segundo esse ponto de vista, pode alcançar resultados nocivos ou irracionais.

O processo de McDonaldização pode ser recaptulado desse modo:

“Os princípios do fast-food tendem a dominar cada vez mais os vários setores da sociedade americana, bem como das sociedades de outros países” (Ritzer, 1993:1)

Em publicações posteriores, Ritzer conceituou um processo cultural o qual nomeou “De-McDonaldização” como reação a McDonaldização. Exemplo desse fenômeno poderia ser percebido quando estádios de base-ball passaram a utilizar dispositivos nostálgicos em suas instalações.

Em outro sentido, mais restrito, a McDonaldização pode referenciar a substituição dos restaurantes tradicionais por aqueles do McDonald.

Medidas sugeridas por Ritzer para combater a McDonaldização:

  • Evitar a rotina do cotidiano tanto quanto possível. Tentar fazer tantas coisas possíveis de um modo diferente a cada dia;
  • Da próxima vez que você tiver uma emergência médica ou dentária, resista à tentação de consultar um “McDoctor” ou um “McDentis”; prefira um médico ou dentista da vizinhança, de preferência que trabalhe sozinho;
  • Da próxima vez que você precisar de um par de óculos, vá à ótica local em vez de procurar os grandes centros óticos, frequentemente nos “shoppings”;
  • Evite as grandes redes de cabeleireiros, prefira um cabeleireiro local;
  • Utilize preferencialmente dinheiro, em vez de cartões de crédito ou débito;
  • Retorno ao posto de correio todas as mensagens publicitárias, particularmente aqueles que foram endereçadas “ao ocupante” ou “ao residente”;
  • Da próxima vez que você receber uma ligação comercial, coloque o telefone de lado e deixe aquela voz etérea falando sozinha; durante esse período algumas pessoas deixarão de ser contatadas;
  • Não compre produtos artificiais como novos tipos de doces ou salgados;
  • Procure restaurantes que utilizem utensílios de porcelana e metal, e evite aqueles que usam materiais plásticos, que prejudicam o meio ambiente;
  • Organize grupos para protestar contra os abusos dos “sistemas McDonaldizados”; como vimos, esses sistemas merecem tais protestos; se você trabalha num desses sistemas, organize com seus colegas modos para tornar suas condições de trabalho mais humanizadas;
  • Evite tanto quanto possível as comidas padrão (como em “Peça pelo número!”);
  • Não faça seus passeios em um parque artificial de um condomínio fechado, prefira os parques públicos;
  • É importante ficarmos atentos às tentativas de McDonaldização das crianças;
  • Em vez de levar seu filho a um “McChild Care”, deixe-o com um vizinho que esteja interessado em uma grana extra;
  • Mantenha seus filhos longe da televisão e de anúncios publicitários tanto quanto possível! Envolva-o em outras atividades mais interessantes;
  • Lute para manter a McDonaldização longe dos sistemas escolares (o que está cada vez mais difícil no Brasil).

Bibliografia em inglês[editar | editar código-fonte]

McDonaldization: The Reader by George Ritzer (ISBN 0-7619-8767-3)
The McDonaldization Thesis: Explorations and Extensions by George Ritzer (ISBN 0-7619-5540-2)
  • McDonaldization of America's Police, Courts, and Corrections by Matthew B. Robinson
  • McCitizens by Bryan Turner
  • Resisting McDonaldization ed. Barry Smart
  • Golden Arches East: McDonald's in East Asia by James L. Watson
  • Sociology of Consumption: Fast Food, Credit Cards and Casinos ed. George Ritzer
  • The McDonaldization of Higher Education Ed. Dennis Hayes & Robert Wynyard
  • Fast Food Nation, Eric Schlosser, 2001
  • P. Gamble, Implications of computers ftir hospitality managers. International Journal of Hospitality Management i, t, 3., 1982
  • S. Ball, ed, Fast food operations and their management, Ch. 9. Nutritional and Environmetal Issues, Stanley Thorne, Chettenham., I 1992
  • C. Cottrell, ed., Nutrition in catering, Ch. 9. Fast Foods. Parthenon, Carnforth., 1987
  • R. Silverstone, Whither fast food? International Journal of Hospitality Management 5, i, 1993
  • A. Wesker, Blood Sweat and Pied de Veau, p. 25. Independent., 1994
  • M. Riley, Declining hotel standards and the skill trap. International Journal of Tourism Management, 2, 2., 1981
  • 'Survey of skills in the hospitality industry', Brightoti University. Unpublished report conducted by HND students. 1994
  • J. Clavey, Fast food firins told to value their staff. Caterer and Hotelkeeper, p. 14. Reference to Report by Price, S. The British fast food industry., 1992
  • G. Mars, Mitchell, Catering for the low paid. Low Pay Unit Bulletin., 1977
  • S. Price, Branded a success. Caterer and Hotelkeeper, p. 37., 1993
  • D. Walsh, Consumer spend falls but chains still grow. Caterer and Hotelkeeper p. 8., 1992
  • L. Cummings, Hospitality solid waste minimisation. International Journal of Hospitality Management 11 - 3 - 255., 1992
  • S. Watts, Food pursuits put genetics on the menu. Independent p. 6., 1992

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas e fontes[editar | editar código-fonte]

  • Lire en ligne « Lutter contre l’obésité, un parapluie pour McDo ? » dans le Journal de la Santé du Nouvel Obs, 15 septembre 2006
  • (em inglês) Lire en ligne : Rob Silverstone, « A response to Lyon, Taylor and Smith: the Ritzer debate continued »
  • (em inglês) Lire en ligne : Extraits de « The McDonaldization of Society » de George Ritzer