Claudinho & Buchecha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mc buchecha)
Ir para: navegação, pesquisa
Claudinho e Buchecha
Claudinho e Buchecha na capa do álbum A Forma, de 1997.
Informação geral
Origem São Gonçalo, Rio de Janeiro RJ
País  Brasil
Gênero(s) Funk melody[1] , pop,
Período em atividade 1995 - 2002
Gravadora(s) Universal Music
Sony BMG
Afiliação(ões) Xuxa, Angélica, Abdullah, Lulu Santos, Ivete Sangalo, Marina Lima, Guilherme Arantes, Djavan, Adriana Calcanhoto
Influência(s) Tim Maia, Ice T, Puff Daddy, Fundo de Quintal, Papa Winnie (citados por Claudinho), Soul for Real, Lulu Santos, Alcione, No Doubt (citados por Buchecha)[2]
Integrantes Claudio Rodrigues de Mattos (Claudinho)
Claucirlei Jovêncio de Sousa(Buchecha)

Claudinho & Buchecha[3] foi uma famosa dupla de pop e funk brasileira. A dupla, formada pelos cantores Claudio Rodrigues de Mattos (Claudinho), e Claucirlei Jovêncio de Sousa (Buchecha), foi premiada pela ABPD com dois Disco de Platina Triplo pelos álbuns Claudinho & Buchecha e A Forma, e também com disco de Platina Duplo pelo álbum Só Love, lançado em 1998.[4]

História[editar | editar código-fonte]

De origem humilde, eram amigos de infância do Bairro do Salgueiro em São Gonçalo, e se consideravam irmãos. Participavam de baile funk e venceram um concurso de rap no bairro em que moravam, que em 1993/94 abriu as portas para a dupla. Tiveram uma carreira batalhada mas o sucesso deles foi inevitável e hoje em dia são considerados por muita gente os reis do funk. As músicas eram compostas na maioria por Buchecha, mas Claudinho também compunha. Bastava aparecer uma inspiração, que eles se trancavam no quarto e a música surgia. As coreografias eram criadas pelos dois. Tinham o hábito de rezar antes de entrar no palco e após os shows atendiam carinhosamente o público, dando autógrafos e tirando fotos. Para eles o que não podia faltar em cada show era calor humano. Com o sucesso, saíram de São Gonçalo e vieram morar na Ilha do Governador, de onde não saíram. No ritmo de um disco por ano, a dupla Claudinho e Buchecha, ganhou fama nacional em 1996 com a música "Conquista" ("Sabe / tchu ru ru / estou louco pra te ver / oh yes") que passou a ser fixa em todos os shows, e em 1997 com "Quero Te Encontrar". Eles driblaram as armadilhas do sucesso rápido e se firmaram como cantores pop, acumulando sucessos do calibre de "Nosso Sonho", "Xereta" e "Só Love". Claudinho conta que no início da carreira eles tinham ritmo mas não tinham afinação.

Aprendemos a ter noção de palco e campo harmônico tocando em banda.
Buchecha

Tudo começou em 1992, quando Claudinho convenceu Buchecha a participar de um concurso de Rap no Clube Mauá em São Gonçalo. Os dois ganharam o concurso, com o "Rap da Bandeira Branca” mas pararam por ai e três anos depois, ainda por insistência de Claudinho, a dupla participou e venceu mais um festival, dessa vez a música foi o "Rap do Salgueiro", que virou febre nas rádios e bailes cariocas. O sucesso foi tanto que dupla não parou mais. Considerada os cantores de maior sucesso na história do funk, em 1995, o primeiro disco que levava o nome da dupla que vendeu mais de 1,2 milhões de cópias. E com esse sucesso a dupla viajou para o Japão, Portugal, Argentina, EUA, entre outros. No disco A Forma, Claudinho & Buchecha mostraram que ficariam marcados na história da música brasileira. Foi neste disco que foram lançados os passinhos e as coreografias que marcaram a dupla e que são imitados até hoje por outros artistas. Eles receberam também o prêmio de revelação no VMB da MTV Brasil, neste mesmo ano. Depois veio a vez do disco Só Love, um outro grande sucesso da dupla. Com este disco, as coisas mudaram um pouco. A dupla amadureceu, e era preciso que o trabalho acompanhasse tal crescimento.

O tradicional DJ dos bailes deu lugar a uma banda. Em 1999, lançaram um disco ao vivo, onde relembraram os grandes sucessos da carreira. Mas em 2000, com o lançamento do CD Destino mostraram todo o processo de mudança, amadurecimento e investimento que foi feito pela dupla. Para gravar Destino, a dupla passou dois meses em estúdio o que deu mais oportunidade para que fossem trabalhados aspectos que antes deixavam um pouco a desejar. Outro destaque merecido para o disco, foi quando começaram a dar um espaço para algumas músicas que contestavam certos pontos da sociedade. "Feiticeira", por exemplo, fala sobre discriminação. A personagem da música é uma menina da favela, de pele cor de cera e cabelo alisado com henê. A dupla também fez algumas regravações, uma em cada álbum. "Tempos Modernos" de Lulu Santos no primeiro disco, "Uma Noite E Meia" de Marina Lima no segundo, depois "Lilás", de Djavan, "Lindo Balão Azul", de Guilherme Arantes e "Carro Velho", de Ivete Sangalo no disco ao vivo. Eles mesmos também foram regravados. No mesmo ano a dupla participa do CD Soul Tim: Duetos, onde fazem um dueto póstumo com o cantor Tim Maia (falecido em 1998)[5] , citado como uma das influências da dupla[2] . No CD Acústico de 2002 o Kid Abelha regravou a música "Quero Te Encontrar". Em 2004, no CD dedicado ao público infantil, Adriana Calcanhoto regravou a música "Fico Assim Sem Você". Já em 2007, Ivete Sangalo regravou "Nosso Sonho" e "Conquista", com a participação de Buchecha, no seu CD e DVD Ao Vivo No Maracanã.

Morte de Claudinho[editar | editar código-fonte]

O sucesso de Claudinho & Buchecha estava garantido por muito tempo, durante a turnê de lançamento do sexto disco da dupla, Vamos dançar, no dia 12 de julho de 2002, eles partiram para Lorena, no interior de São Paulo. Horas antes de viajar, Claudinho ligou para Buchecha e avisou que iria em seu próprio carro, não com a van da banda, como de costume. Claudinho foi vítima de um acidente de carro, na Rodovia Presidente Dutra, no dia 13 de julho de 2002. O carro em que Claudinho e um empresário estavam, saiu da pista e bateu fortemente em uma árvore. Claudinho, que estava no banco de carona, morreu na hora. Após o acidente, Buchecha continuou em carreia solo, fazendo shows e gravações com outros artistas do meio musical.

Nosso Sonho Não Vai Terminar[editar | editar código-fonte]

Após a morte do parceiro, Buchecha disse a algumas entrevistas que chegou a ficar com depressão por 3 anos. Mas contou com a ajuda de amigos e da esposa Rosana Souza e encontrou forças para cantar novamente. A música “Fico Assim Sem Você”, composta pelo cantor Abdullah, entrou para o sexto disco e ganhou sucesso pelo verso profético “Buchecha sem Claudinho, sou eu assim sem você” , porém a música "Fico Assim sem Você" já existia antes de Claudinho falecer.

Homenagem[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de novembro de 2009 a Rede Globo transmitiu um documentário sobre a vida e trajetória de Claudinho, e da dupla Claudinho & Buchecha no programa Por Toda a Minha Vida. O programa foi narrado e apresentado por Fernanda Lima, e contou com depoimentos de familiares, amigos e profissionais que seguiram a carreira da dupla como: DJ Marlboro, Xuxa, Lulu Santos, Angélica, Vanessa Alves (viúva de Claudinho), Leonina Isidoro (mãe de Claudinho) e o amigo Buchecha. Alex Gomes interpretou Claudinho e Adriano de Jesus interpretou Buchecha. O programa relembrou bons momentos, inclusive com participações ilustres, como Romário e Edmundo no programa da Xuxa. O programa foi reexibido pela Rede Globo no dia 12 de Março de 2010.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum / Detalhes
1996 Claudinho & Buchecha
1997 A Forma
1998 Só Love
2000 Destino
2002 Vamos Dançar

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum / Detalhes
1999 Ao Vivo Claudinho e Buchecha

Singles[editar | editar código-fonte]

Lista de singles com posições nas paradas selecionadas
Ano Single Álbum
1996 "Rap do Salgueiro" Claudinho e Buchecha
"Conquista"
"Tempos Modernos"
1997 "Nosso Sonho"
"Chance" A Forma
"Uma Noite e Meia"
"Quero Te Encontrar"
1998 "Só Love" Só Love
"Beijo na Boca"
"Xereta"
1999 "Enquanto Eu Viver"
"Coisa de Cinema" Claudinho e Buchecha - Ao Vivo
"Lindo Balão Azul"
2000 "Males" Destino
"Berreco"
2002 "Fico Assim Sem Você" Vamos Dançar

Referências

  1. Sílvio Essinger. Soul brasileiro. CliqueMusic.
  2. a b Francisco Oliveira (1997). Raça Brasil - Edição Extra #6 - Claudinho e Buchecha. Editora Símbolo
  3. Biografia no Cravo Albin. dicionariompb.com.br. Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  4. http://abpd.org.br/certificados_interna.asp?sArtista=Claudinho
  5. Sílvio Essinger. Soul Tim Duetos. CliqueMusic.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]