Meca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Meca
مكّة
Makkah Montage.jpg
Localização de Meca
Localização de Meca
País Arábia Saudita
Província Meca
Prefeito Osama Al-Bar
Área  
  Urbana 850 km²
  Metropolitana 1200 km²
População  
  Cidade (2007) 1.700.000
    Densidade   3024/km²
  Urbana 2.053.912
  Metro 2.500.000
   -Densidade metropolitana   4.200/km²
Fuso horário +3 (UTC+3)
Website: www.holymakkah.gov.sa

Meca (em árabe: مكة, transl. Makka; por inteiro: مكة المكرمة, Makka ou Makka al-Mukarrama, "Meca, a Honrada") é uma cidade da Arábia Saudita considerada a mais sagrada no mundo para os muçulmanos, situada na província homônima.

A tradição islâmica atribui sua fundação aos descendentes de Ismael. No século VII, o profeta islâmico Maomé proclamou o Islã na cidade que era, então, um importante centro comercial. Após 966, Meca passou a ser governada por xarifes locais. Com o fim da autoridade do Império Otomano sobre a região, em 1916, os governantes locais fundaram o Reino Hashemita do Hejaz.[1] O reino, inclusive Meca, foi absorvido pela dinastia saudita em 1925. Durante o período moderno, a cidade vivenciou uma expansão colossal, tanto em termos de tamanho quanto de infraestrutura.

Situada na histórica região do Hejaz, tem uma população de 1,7 milhões de habitantes (2008), e localiza-se a 73 quilômetros da cidade litorânea de Jidá, num vale estreito a 277 metros acima do nível do mar.

Meca é considerada a cidade mais sagrada para a religião islâmica,[2] e seus adeptos costumam orar voltados para ela. Anualmente mais de 13 milhões de muçulmanos a visitam, incluindo os milhões que realizam a peregrinação conhecida como Hajj.[3] Como decorrência disto, Meca se tornou uma das cidades mais cosmopolitas e diversificadas do mundo islâmico.[4] A entrada na cidade, no entanto, é proibida a pessoas que não sejam muçulmanas.[5]

Nome[editar | editar código-fonte]

Meca é a transliteração original em português do nome original árabe, مكة (Makka), comumente usado em dicionários onomásticos[6] , obras acadêmicas,[7] [8] governamentais[9] [10] e de referência.[11] [12]

O nome formal da cidade, مكة المكرمة (Makka al-Mukarrama), significa "Meca, a Honrada".

História[editar | editar código-fonte]

História antiga[editar | editar código-fonte]

Meca vista do Jabal al-Nour.
Arte turca de 1787 na Grande Mesquita (Masjid al-Haram).

Meca pode ter sido a "Macoraba" mencionada por Ptolomeu, embora esta identificação seja controversa.[13] A arqueologia não descobriu qualquer inscrição ou menção à cidade anterior ao período deste autor, embora outras cidades e reinos localizados naquela região tenham sido bem-documentados nos registros históricos.

Por volta do século V d.C. a Caaba era um local de culto para as diversas divindades da tribos pagãs árabes. A divindade pagã mais importante de Meca era Hubal, cujo culto havia sido instalado ali pela tribo dominante da área, os coraixitas,[14] [15] e que ali permaneceu até o século VII.

No século V, os coraixitas tomaram controle de Meca, tornando-se hábeis comerciantes e mercadores. No século seguinte passaram a fazer parte do lucrativo comércio de especiarias, já que batalhas ocorridas noutras partes do mundo fizeram que as rotas comerciais fossem desviadas das tradicionais rotas marítimas, que haviam se tornado perigosas, para novas rotas terrestres. O Império Bizantino havia, até então, controlado o Mar Vermelho, porém gradualmente a pirataria na região aumentou. Outra rota que anteriormente passava pelo Golfo Pérsico e através dos rios Eufrates e Tigre também passou a ser ameaçada por incursões do Império Sassânida, bem como dos lacmidas, dos gassânidas e das tropas envolvidas nas Guerras Romano-Persas. A importância de Meca como centro comercial ultrapassou, eventualmente, a de outras cidades da Arábia do período, como Palmira e Petra.[16] [17] Os sassânidas, no entanto, nem sempre foram uma ameaça para Meca; em 575 chegaram mesmo a proteger a cidade árabe de uma invasão do Reino de Axum, comandada por seu líder cristão, Abraha. As tribos da Arábia Meridional pediram ajuda ao monarca persa Cosroes I, que respondeu enviando tropas de infantaria e uma frota de navios para Meca. A intervenção persa evitou que o cristianismo se expandisse para dentro da península Arábica, impedindo que Meca e o profeta islâmico Maomé, que na altura era um garoto de seis anos da tribo coraixita, "crescessem sob a cruz".[18]

Em meados do século VI, havia três principais centros populacionais no norte da Arábia, ao longo do litoral sudoeste do Mar Vermelho, numa região habitável entre o mar e o grande deserto situado a leste. Esta região, conhecida tradicionalmente como Hejaz, continha três povoados que se desenvolveram em torno de oásis onde a água era disponível. No centro do Hejaz estava Yathrib (que posteriormente veio a se chamar Medina, de Madinatun Nabi, "Cidade do Profeta"). A 400 quilômetros ao sul de Yathrib estava a cidade montanhosa de Ta’if, e a noroeste desta estava Meca. Embora a área em torno de Meca fosse completamente estéril, ela era a mais rica das três, com água em abundância proveniente do célebre Poço de Zamzam, e ocupando uma posição estratégica na encruzilhada das principais rotas das caravanas.[19]

As condições duras e os terrenos áridos e íngremes da península forçavam um estado quase constante de conflito entre as tribos locais, porém uma vez por ano uma trégua era declarada, e todas se encontravam em Meca para realizar uma peregrinação anual. Até o século VII esta viagem era feita por motivos religiosos, pelos pagãos árabes que desejavam prestar reverência a seu santuário, e beber da água do Poço de Zamzam. Este também era o período do ano em que os conflitos eram arbitrados, as dívidas eram resolvidas, e o comércio ocorria nas feiras da cidade. Estes eventos anuais davam às tribos uma sensação de identidade comum, transformando Meca num ponto focal importante da península.[20]

As caravanas de camelos, que segundo a tradição teriam sido usadas pela primeira vez pelo bisavô de Maomé, eram parte integrante da fervilhante economia de Meca. Diversas alianças eram estabelecidas pelos comerciantes e mercadores da cidade e as tribos nômades locais, que traziam mercadorias como couro, animais domésticos e metais extraídos das montanhas locais para serem vendidas e levadas a cidades da Síria e da Mesopotâmia.[21] Relatos históricos também fornecem indícios de que mercadorias de outros continentes também passavam por Meca; produtos vindos da África e do Extremo Oriente, como especiarias, couro, medicamentos, tecidos e escravos eram vendidos ali para também serem levados para a Síria e outros locais, e em troca a cidade recebia dinheiro, armas, cereais e vinho - que a partir de Meca eram distribuídos para todo o resto da península. Os habitantes da cidade assinaram tratados com os bizantinos e os beduínos, negociando passagem para as caravanas e fornecendo-lhes água e pasto. Meca aos poucos tornou-se o centro de uma confederação pouco definida de tribos clientes, que incluía os Banu Tamim. Outras potências regionais, como os abissínios, os ghassânidas e os lakhmitas estavam em declínio, o que só veio a transformar o comércio de Meca na força unificadora primordial da Arábia no fim do século VI.[20]

Tradição[editar | editar código-fonte]

De acordo com a tradição islâmica, a história de Meca remontaria aos tempos de Abraão (Ibrahim), que teria construído a Caaba com a ajuda de seu filho mais velho, Ismael (Ishmael) por volta de 2000 a.C., quando os habitantes do povoado conhecido então como Bakka havia se afastado do monoteísmo original por influência dos amalequitas.[22] Além desta tradição, no entanto, pouco se sabe da existência da Caaba antes do século V d.C.

Maomé e a conquista de Meca[editar | editar código-fonte]

Jabal al-Nour é o local onde Maomé teria recebido a primeira revelação de Deus, através do arcanjo Gabriel.

Maomé nasceu em Meca em 570, e assim o islamismo tem estado desde então associado de maneira inextricável com a cidade. Nascido entre os hachemitas, uma facção menor da tribo dominante, os coraixitas, foi em Meca, na caverna de Hira, na montanha conhecida como Jabal al-Nour que, de acordo com a tradição islâmica, Maomé teria recebido pela primeira vez a revelação divina advinda do próprio Deus por intermédio do arcanjo Gabriel, no ano de 610, e foi na cidade que Maomé começou a pregar sua forma de monoteísmo abraâmico contra o paganismo de Meca. Após sofrer perseguições das tribos pagãs por 13 anos, Maomé migrou (ver Hégira), em 622, juntamente com seus companheiros - os Muhajirun - para Yathrib (conhecida posteriormente como 'Medina'). O conflito entre os coraixitas e os muçulmanos, no entanto, continuou; os dois grupos se enfrentaram na Batalha de Badr, na qual os adeptos do islã derrotaram o exército coraixita nos arredores de Medina, e na Batalha de Uhud, que terminou de maneira inconclusiva. No geral, no entanto, os esforços dos habitantes de Meca para aniquilar o islã fracassaram, e acabaram por se revelar custosos demais e, eventualmente, mal-sucedidos. Durante a Batalha da Trincheira, em 627, os exércitos reunidos da Arábia não lograram derrotar as forças comandadas por Maomé.[23]

Em 628 Maomé e seus seguidores marcharam para Meca, tentando entrar na cidade para uma peregrinação. Sua entrada, no entanto, foi impedida pelos coraixitas. Após o ocorrido muçulmanos e habitantes da cidade assinaram o Tratado de Hudaybiyya, através do qual os coraixitas se comprometiam a parar de combater os muçulmanos, que passariam a poder entra a cidade para realizar suas peregrinações a partir do ano seguinte. Dois anos mais tarde, no entanto, os coraixitas violaram a trégua, assassinando um grupo de muçulmanos e seus aliados. Maomé e seus companheiros, que agora totalizavam 10.000 pessoas, decidiram marchar novamente à cidade. Em vez de dar sequência ao combate, entretanto, os habitantes de Meca se renderam às tropas de Maomé, que declararam paz e anistia geral. Todas as imagens pagãs da cidade foram destruídas por Maomé e seus seguidores, e o local foi islamizado e rededicado ao culto de Deus. Maomé declarou então Meca como 'local mais sagrado do islã', transformando-a no epicentro da peregrinação islâmica, um dos cinco pilares daquela fé. Também declarou que nenhum kafir (não-muçulmano) poderia entrar na cidade, como forma de protegê-la da influência do politeísmo e de práticas semelhantes. Maomé então retornou a Medina, deixando Akib ibn Usaid como governador da cidade. Suas outras atividades ao redor da Arábia acabaram unificar, eventualmente, a península.[16] [23]

Maomé morreu em 632, porém com o legado de unidade que ele havia passado à sua Umma (nação islâmica), o islã começou um período de rápida expansão, e ao longo dos próximos cem anos se propagaria para o Norte da África, Ásia e partes da Europa. À medida que o Califado Rashidun crescia, Meca continuou a atrair peregrinos, não só da Arábia, mas de todo o mundo islâmico, e mais e mais muçulmanos executavam ali a peregrinação anual do Hajj.

Meca também atraía uma população de acadêmicos e estudiosos, muçulmanos devotos que desejavam viver perto da Caaba, bem como uma grande quantidade de pessoas que servia às necessidades destes peregrinos. A peregrinação do Hajj envolvia grandes custos e dificuldades; peregrinos chegavam através de barcos, pelo porto de Jidá, ou por terra, com as caravanas vindas da Síria e do Iraque.

Período medieval e pré-moderno[editar | editar código-fonte]

Meca nunca foi capital de qualquer Estado islâmico, porém governantes muçulmanos contribuíram para a sua manutenção. Durante os reinados de Umar (634-44 d.C.) e Uthman ibn Affan (644–56) as preocupações com enchentes ocorridas no local fizeram com que os califas trouxessem engenheiros cristãos para construir barragens nos quarteirões mais afetados, e erguer diques e aterros para proteger a área em volta da Caaba.[16]

A migração de Maomé para Medina retirou o foco da cidade, o que se agravou quando Ali, o quarto califa, assumiu o poder e escolheu Kufa como sua capital. O califado abássida moveu sua capital para Bagdá, no atual Iraque, que continuou a ser o centro do Império Islâmico por quase 500 anos. Meca voltou a entrar na história política islâmica brevemente, quando foi dominada por Abd Allah ibn al-Zubayr, um antigo líder muçulmano que se opos aos califas omíadas e, posteriormente, quando o califa Yazid I sitiou a cidade, em 683.[24] Por algum tempo a partir daí a cidade teve pouca relevância política, e continuou a ser uma cidade dedicada ao culto e ao estudo acadêmico, governada pelos xarifes hachemitas.

Em 930 Meca foi atacada e saqueada pelos carmatas, uma seita islâmica ismaelita milenarista liderada por Abū-Tāhir Al-Jannābī e centrada no leste da Arábia.[25] A pandemia da Peste Negra atingiu a cidade em 1349.[26]

Em 1517 o xarife, Barakat bin Muhammed, reconheceu a supremacia do califa otomano, mantendo, no entanto, um elevado grau de autonomia local.[27]

Em 1803 a cidade foi capturada pelo Primeiro Estado Saudita,[28] que dominou Meca até 1813. A conquista representou um golpe maciço no prestígio do Império Otomano turco, que vinha exercendo soberania sobre a cidade sagrada desde 1517. Os otomanos designaram a tarefa de recuperar Meca para o seu domínio ao poderoso quediva do Egito, Muhammad (Mehmet) Ali Paxá. Muhammad Ali conseguiu recapturar a cidade para o controle otomano com sucesso em 1813.

Em 1818 os seguidores da escola jurídica salafista foram derrotados novamente, porém alguns membros do clã Al Saud sobreviveram e fundaram o Segundo Estado Saudita, que durou até 1891 e deu origem à atual Arábia Saudita.

Mecca em 1850.
Mecca em 1910.

Meca sofreu constantemente com epidemias de cólera.[29] De 1831 a 1930 27 epidemias foram registradas durante as peregrinações ocorridas nestes anos. Mais de 20.000 peregrinos morreram de cólera durante o Hajj de 1907-1908.[30]

Revolta do Xarife de Meca[editar | editar código-fonte]

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Império Otomano esteve em guerra com a Grã-Bretanha e seus aliados, e aliado à Alemanha. O país havia conseguido repelir com sucesso um ataque a Istambul durante a Campanha de Galípoli, e contra Bagdá, durante o Sítio de Kut. O agente britânico T. E. Lawrence conspirou com o governador otomano da região, Hussein bin Ali, o Xarife de Meca, o que deu início a uma revolta contra o Império Otomano a partir da cidade, que se tornou a primeira a ser capturada por suas tropas, durante a Batalha de Meca, em 1916. A revolta do xarife representou um dos pontos cruciais da guerra na sua frente oriental, e ele eventualmente declarou um novo Estado, o Reino do Hejaz, declarando Meca a capital do novo reino.

Arábia Saudita[editar | editar código-fonte]

Após a segunda Batalha de Meca, ocorrida em 1924, o Xarife de Meca foi deposto pela família Saud, e Meca foi incorporada à Arábia Saudita.[1]

Sob o domínio saudita, boa parte da cidade histórica foi demolida como resultado de programas de construção - ver abaixo.

Em 20 de novembro de 1979 duzentos dissidentes fundamentalistas islâmicos, liderados pelo pregador saudita Juhayman al-Otaibi tomaram a Grande Mesquita, alegando que a família realsaudita não mais representava o islã 'puro' e que a Masjid al-Haram ("A Mesquita Sagrada") e a Caaba deveriam estar nas mãos daqueles que tinham a fé verdadeira. Os rebeldes capturaram dezenas de milhares de peregrinos como reféns, e construíram barricadas dentro da mesquita. O cerco ao local durou duas semanas, e resultou em centenas de mortes e danos significativos ao santuário, especialmente a galeria Safa-Marwa. Tropas do Paquistão, com o auxílio de armas e logística de uma equipe de comandos de elite franceses do GIGN realizaram o ataque final ao complexo.[31]

Destruição dos locais históricos e religiosos[editar | editar código-fonte]

Ver também

Peregrino orando na Grande Mesquita, em Meca.

A força do islã aprovada oficialmente na Arábia Saudita, o wahhabismo, é hostil a qualquer referência a locais de importância religiosa ou histórica, por medo de que eles possam dar origem a alguma forma de idolatria. Como consequência, durante o domínio saudita, a cidade sofreu uma destruição considerável de seu patrimônio histórico físico, e estima-se de que desde 1985 cerca de 95% dos edifícios históricos de Meca, a maioria com mais de mil anos de idade, teriam sido demolidos.[32]

Entre os sítios históricos de importância religiosa que foram destruídos pelos sauditas estão cinco das célebres "Sete Mesquitas", construídas inicialmente pela filha de Maomé e por quatro de seus "maiores Companheiros":Masjid Abu Bakr, Masjid Salman al-Farsi, Masjid Umar ibn al-Khattab, Masjid Sayyida Fatima bint Rasulillah e Masjid Ali ibn Abu Talib.[33]

Relatos informam que atualmente existem menos de 20 estruturas em Meca que datam da época de Maomé. Entre outros edifícios que forma destruídos estão a casa de Cadija, uma das esposas do profeta Maomé, demolida para a construção de banheiros públicos; a casa de Abu Bakr, companheiro do profeta, onde se ergue atualmente o hotel Hilton local; a casa de Ali-Oraid, neto de Maomé, e a Mesquita de Abu-Qubais, onde se encontra atualmente o palácio real da cidade.[34]

Embora boa parte destes edifícios tenham sido destruídos para a construção de hotéis, prédios de apartamentos, estacionamentos e outras estruturas necessárias para a infraestrutura necessária aos peregrinos do Hajj, muitos foram destruídos sem qualquer razão aparente. A casa de Ali-Oraid, por exemplo, foi demolida pouco depois de sua descoberta e escavação, por ordens do próprio rei Fahd, que temia que ela se tornasse um local de peregrinações.[32]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Meca situa-se a uma altitude de 277 metros acima do nível do mar, e a aproximadamente 80 quilômetros de distância do litoral do Mar Vermelho.[19] A Meca central se encontra num corredor entre montanhas, conhecido como o "vazio de Meca". A área contém os vales de Al Taneem, Bakka e Abqar.[16] [35]

Esta região montanhosa definiu a expansão atual da cidade; seu centro se encontra na região da Masjid al-Haram (a Mesquita Sagrada), que tem uma altitude mais baixa que a do resto da cidade. A área em torno da mesquita abrange a cidade antiga. Suas principais avenidas são Al-Mudda'ah e Sūq al-Layl, a norte da mesquita, e As-Sūg Assaghīr, ao sul. À medida que os sauditas expandiram a Grande Mesquita, no centro da cidade, centenas de casas foram demolidas para a construção de amplas avenidas e praças. As casas mais tradicionais da cidade foram construídas com pedra local, e geralmente têm de dois a três andares. A cidade possui um sistema de metrô, que cobre atualmente 1200 quilômetros quadrados.[36]

Na Meca antiga existiam poucas fontes de água; entre elas estavam os poços locais, como o Poço de Zamzam, que geralmente gerava água salobra. A segunda fonte importante era a nascente de Ayn Zubayda. As fontes desta nascente estão nas montanhas de Jabal Sa'd e Jabal Kabkāb, a poucos quilômetros a leste de Djabal ʿArafa, cerca de 20 quilômetros a sudeste de Meca. A água era transportada através de canais subterrâneos. Havia ainda uma terceira fonte, demasiado esporádica, que consistia da água de chuvas armazenadas pela população em pequenos reservatórios, ou cisternas. A água da chuva também trazia consigo a ameaça de enchentes, um perigo deste tempos antigos. De acordo com o historiador árabe Al-Kurdī, até 1965 haviam ocorrido 89 enchentes históricas, diversas delas durante o período saudita. A mais grave ocorreu em 1942; desde então, diversas represas foram construídas para tentar solucionar o problema.[35]

Panorama da cidade

Bairros[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Ao contrário de outras cidades da Arábia Saudita, Meca mantém uma temperatura alta durante o inverno, que vai de 17 graus Celsius à meia-noite até 25 graus durante as tardes. As temperaturas no verão são muito elevadas, e ultrapassam a marca de 40 graus durante as tardes, chegando aos 30 durante as noites. As chuvas costumam ocorrer, em pequenas quantidades, durante os meses de novembro de janeiro.

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Meca Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 37,0 38,3 42,0 44,7 49,4 49,4 49,8 49,6 49,4 46,8 40,8 37,8 49,8
Temperatura máxima média (°C) 30,2 31,4 34,6 38,5 41,9 43,7 42,8 42,7 42,7 39,9 35,0 31,8 43,7
Temperatura mínima média (°C) 18,6 18,9 21,0 24,3 27,5 28,3 29,0 29,3 28,8 25,8 22,9 20,2 18,9
Temperatura mínima registrada (°C) 11,0 10,0 13,0 15,6 20,3 22,0 23,4 23,4 22,0 18,0 16,4 12,4 10,0
Precipitação (mm) 20,6 1,4 6,2 11,6 0,6 0,0 1,5 5,6 5,3 14,2 21,7 21,4 110,1
Dias com chuva 4,1 0,9 2,0 1,9 0,7 0,0 0,2 1,6 2,3 1,9 3,9 3,6 1,9
Fonte: [41] (agosto de 2010)

Demografia[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Panorama da Mesquita Sagrada, a Masjid al-Haram

Meca é a sede da Masjid al-Haram ("Mesquita Sagrada"), a maior mesquita do mundo. Foi construída em volta da Caaba, para o qual todos os muçulmanos se voltam ao fazerem suas orações diárias. Esta mesquita também é chamada de Haram ou Grande Mesquita.[42]

Como mencionado em tópicos anteriores, a hostilidade dos wahhabistas com a reverência prestada a edifícios de importância histórica e religiosa, Meca perdeu boa parte de seu patrimônio nos últimos anos, e poucos edifícios construídos nos últimos 1500 anos sobreviveram ao domínio saudita.[32]

O Poço de Zamzam, célebre fonte de água local, até hoje é visitado. Hira é uma caverna próxima a Meca, sobre a montanha conhecida como Jabal Al-Nūr, na região do Hejaz. É célebre por ter sido o local onde os muçulmanos acreditam que Maomé teria recebido suas primeiras revelações de Deus, por intermédio do anjo Jibrīl, também conhecido como Gabriel para os cristãos.[43]

A peregrinação a Meca atrai milhões de muçulmanos de todos os lugares do mundo. Existem duas peregrinações: o Hajj e a Umrah. O Hajj, a peregrinação 'maior', é executada anualmente. Uma vez por ano milhões de pessoas de diversas nacionalidades visitam a cidade e oram em uníssono. Todo adulto saudável que tenha capacidade financeira e física para viajar a Meca, e que tem condições de providenciar cuidados para seus parentes e dependentes durante a viagem, deve executar o Hajj pelo menos uma vez durante sua vida.

A Umrah, a peregrinação 'menor', não é obrigatória, porém também é recomendada no Corão.[44] Frequentemente ela é realizada quando os peregrinos visitam a Masjid al-Haram.

Economia[editar | editar código-fonte]

O arranha-céu Abraj Al Bait.

A economia de Meca é fortemente dependente da peregrinação anual. Nas palavras de um acadêmico, "[os habitantes de Meca] não têm como ganhar a vida, a não ser servindo os hajjis (peregrinos)". A renda gerada pelo Hajj, na verdade, não apenas financia a economia de Meca mas também, historicamente, tem tido efeitos em toda a economia das regiões do Hijaz e de Najd. Esta renda é gerada de diferentes maneiras; um dos métodos, por exemplo, era a cobrança de taxas e impostos sobre os peregrinos. Estas taxas foram especialmente altas durante a Grande Depressão, e muitas delas estavam em vigor até 1972. Outra maneira pela qual o Hajj gera renda é através dos serviços prestados aos peregrinos; a companhia aérea nacional saudita, por exemplo, a Saudi Arabian Airlines, obtém 12% de seu faturamento da peregrinação. Os gastos de peregrinos com viagens por terra, bem como os hotéis que os hospedam, também são responsáveis pela movimentação da economia.[35]

A cidade arrecada mais de 100 milhões de dólares, enquanto o governo saudita gasta cerca de 50 milhões em serviços para o Hajj. Existem algumas indústrias e fábricas na cidade, porém Meca não tem mais um papel central na economia da Arábia Saudita, que é baseada principalmente na exportação de petróleo.[45] As poucas indústrias que operam na cidade são responsáveis por produtos têxteis, mobílias e utensílios diversos. A maior parte da economia é voltada para os serviços, porém também existem empresas, em atividade desde o início da década de 1970, produzindo objetos de ferro e cobre, além de carpintarias, usinas de extração de óleo vegetal, fabricantes de doces e de alimentos em geral, granjas, importadoras de comida congelada, produtores de gelo, revendedoras de refrigerantes, barbearias, livrarias, agências de viagem e bancos.[35]

A cidade cresceu substancialmente nos séculos XX e XXI, à medida que as viagens aéreas se tornaram mais convenientes e acessíveis, o que aumentou o número de peregrinos. Milhares de sauditas têm empregos envolvidos diretamente com o Hajj, e estes trabalhadores por sua vez aumentaram a demanda por residências e serviços. Meca é cercada por rodovias, e tem diversos shopping centers e arranha-céus.[46]

A expansão da cidade tem continuado, e inclui a construção das Torres Abraj Al Bait, com 577 metros de altura, situadas diretamente em frente à Grande Mesquita.[47] Durante sua construção a Fortaleza Ajyad, construída pelos otomanos, foi demolida, o que provocou um conflito entre a Turquia e a Arábia Saudita.[48] A Qishla de Meca era um castelo otomano que também se situava nas proximidades da Grande Mesquita, e servia para defender a cidade de ataques externos. O governo saudita, no entanto, demoliu a estrutura para a construção de hoteis e edifícios de negócios.[49]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Cuidados com a saúde são fornecidos pelo governo saudita para todos os peregrinos, sem qualquer custo. Além de diversas clínicas, existem cinco grandes hospitais na cidade:

  • Hospital Ajyad (em árabe: مستشفى أجياد)
  • Hospital Rei Abdul Aziz (مستشفى الملك عبدالعزيز)
  • Hospital Al Nur (مستشفى النور)
  • Hospital Sheesha (مستشفى الششة)
  • Hospital Hira (مستشفى حراء)

Cultura[editar | editar código-fonte]

Edifícios modernos se elevam por trás da Grande Mesquita, a Masjid al-Haram.

Meca foi inevitavelmente afetada pelo grande número de peregrinos que chegam anualmente, e apresenta uma rica herança cultural. Os habitantes locais falam o árabe do Hejaz, porém idiomas de todos os lugares do mundo islâmico podem ser ouvidos entre os peregrinos.

Como resultado do grande número de visitantes que chegam à cidade a cada ano (muitos dos quais permanecem indefinidamente), Meca se tornou a cidade mais diversificada do mundo árabe. Contrastando com o resto da Arábia Saudita e, especialmente, a região de Nejd, Meca se tornou, nas palavras do jornal americano The New York Times, "um oásis impactante" de discussão e pensamento livre" e, também, de um "improvável liberalismo", e que "os habitantes [de Meca] se vêem como um bastião contra o extremismo rasteiro que tomou conta de boa parte do debate islâmico."[4]

A primeira prensa tipográfica foi levada a Meca em 1885 por Osman Nuri Paşa, um wāli otomano. Durante o período hachemita, foi utilizada para imprimir a gazeta oficial, al-Qibla. O regime saudita expandiu o uso desta prensa para uma operação maior, e introduziu uma nova gazeta oficial, Umm al-Qurā; a partir daí técnicas de impressão foram introduzidas na cidade, vindas de toda parte do Oriente Médio, quase sempre através de Jidá.[35]

Em Jidá circula o principal jornal em língua árabe do país, Shams. No entanto, outros jornais sauditas e internacionais também circulam em Meca, como a Saudi Gazette, Medina, Okaz e Al-Bilad. Os primeiros três têm versões impressas localmente, que falam de assuntos que afetam a cidade, e contam com mais de um milhão de leitores.

Diverasas estações de televisão são transmitidas na cidade, entre elas a Saudi TV1, Saudi TV2, Saudi TV Sports, Al-Ekhbariya, Arab Radio and Television Network e diversas de retransmissoras de televisão a cabo e satélite.

Na Meca pré-moderna os esportes mais comuns eram lutas e corridas improvisadas.[35] Atualmente, o futebol é o esporte mais popular na cidade, que é sede de alguns dos clubes mais antigos da Arábia Saudita, como o Al-Wahda FC, fundado em 1945. O Estádio Rei Abdul Aziz é o maior estádio de Meca, com capacidade para 38.000 espectadores.[50]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Como em outras cidades sauditas, o kabsa, um prato de arroz e carne fortemente temperado, é o almoço mais tradicional; o mandi, no entanto, um prato tradicional iemenita, também é popular. Pratos de carne grelhada, como o shawarma (sanduíches de carne no pão pita), kofta (espécies de almôndegas de carne) e o kebab também são comumente encontrados na cidade. Durante o Ramadã favas no azeite e samosas são os pratos mais populares, consumidos durante o pôr-do-sol. Tradicionalmente, durante o Ramadã, homens conhecidos como Saggas fornecem água mineral e sucos de frutas para os muçulmanos que quebram o jejum ao final do dia. Atualmente, estes Saggas também ganham dinheiro vendendo doces como baklava e basbosa, juntamente com suas bebidas.

A mistura de etnias e nacionalidades entre os residentes de Meca tem afetado de maneira impactante a culinária tradicional de Meca. A cidade foi descrita como uma das cidades islâmicas mais cosmopolitas, onde se encontra uma "culinária internacional".[51]

No século XX diversas cadeias de fast-food abriram franquias em Meca, servindo tanto habitantes locais quanto os peregrinos.[52] Comidas exóticas, como frutas da Índia e do Japão, costumam ser trazidas pelos peregrinos.[53]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Um Sagga.

A densidade populacional de Meca é muito alta. A maior parte dos seus residentes permanentes vive na Cidade Antiga, e muitos trabalham na indústria conhecida localmente como Indústria do Hajj. Iyad Madani, ministro para o Hajj da Arábia Saudita, teria declarado: "Nunca paramos de nos preparar para o Hajj."[54] Ao longo de todo o ano, peregrinos chegam à cidade para executar os rituais da Umra, e, durante as últimas semanas de Dhu al-Qi'dah, cerca de quatro milhões de muçulmanos chegam à cidade para executar os rituais conhecidos como Hajj.[55]

Os peregrinos têm diversas etnias e origens culturais, especialmente da Ásia Central, Meridional, Europa, Oriente Médio e África. Diversos acabaram por ficar permanentemente na cidade. Além da diversidade trazida pelos peregrinos, o boom do petróleo ocorrido nos últimos 50 anos trouxe centenas de milhares de trabalhadores migrantes.

Pessoas que não são muçulmanas não recebem permissão para entrar em Meca de acordo com a lei saudita,[5] e a utilização de documentos ilegais ou fraudulentos para fazê-lo pode resultar em prisões e processos legais.[56] Ainda assim, a título de curiosidade, diversos não-muçulmanos já se passaram por fiéis como forma de visitar a cidade e até mesmo passar pela experiência do Hajj. O primeiro exemplo registrado foi o de Ludovico di Verthema, de Bolonha, em 1503,[57] e o mais célebre foi o do explorador britânico Richard Francis Burton,[58] que trabalhou como um sufi qadiriyyah do Afeganistão em 1853. O governo saudita sustenta sua proibição com base na Sura 9:28, do Corão.[59]

Educação[editar | editar código-fonte]

A educação formal em Meca começou a ser desenvolvida no fim do período otomano, e teve sequência vagarosa até o período hachemita. A primeira grande tentativa de melhorar a situação educacional na cidade foi feita pelo mercador de Jidá Muhammad ʿAlī Zaynal Riḍā, que fundodu as madrasat al-Falāḥ, em 1911–12, sob o custo de 400.000 libras.[35]

O sistema educacional de Meca tem escolas públicas e privadas, tanto para homens quanto para mulheres. Em 2005, o total era de 532 instituições para homens e 681 para mulheres.[60] Tanto escolas públicas quanto privadas lecionam em árabe, com ênfase em inglês como segunda língua, porém algumas escolas privadas fundadas por entidades estrangeiras, como escolas internacionais, utilizam o inglês como principal meio de instrução. Estas escolas também podem permitir a existência de classes mistas, com homens e mulheres, enquanto a maioria das escolas da cidade não o faz.

Em termos de educação superior, a cidade tem apenas uma universidade, a Universidade Umm al-Qura, fundada como um colégio de xariá (direito islâmico) em 1949, e transformada em universidade pública em 1979.

Paleontologia[editar | editar código-fonte]

Em 2010, a região em torno de Meca se tornou um importante sítio paleontológico relacionado à evolução dos primatas após a descoberta de um fóssil de Saadanius. O gênero é considerado de um parente próximo do ancestral comum aos chamados 'macacos do Velho Mundo' (cercopitecídeos) e os grandes primatas. O habitat do fóssil, próximo ao mar Vermelho, no oeste da Arábia Saudita, era uma região de florestas úmidas entre 28 e 29 milhões de anos atrás.[61] Os paleontólogos envolvidos nas escavações esperam encontrar mais fósseis na área.[62]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento das telecomunicações na cidade foi enfatizado sob o reinado saudita. O rei Abdul Aziz Al-Saud (Ibn Saud) estimulou as telecomunicações por vê-las como um meio de governar melhor e com maior conveniência. No período do rei Hussein existiam cerca de 20 telefones em toda a cidade; em 1936 o número tinha subido para 450, cerca de metade dos telefones do país. Durante o período as linhas telefônicas foram levadas a Jidá e Ta’if, embora ainda não chegassem à capital, Riad. Em 1985, Meca, como outras cidades sauditas, dispunha de todos os sistemas de comunicações modernos (telex, telefone, rádio e televisão).[35]

Uma comunicação limitada via rádio foi estabelecida dentro da região do Hejaz ainda sob os hachemitas. Em 1929 estações de transmissão a distância foram montadas em diversas cidades da região, criando uma rede que estaria totalmente implementada em 1932. logo após a Segunda Guerra Mundial a rede foi ampliada e melhorada e, desde então, passou a ser usada de maneira extensiva para coordenar a peregrinação e se dirigir aos peregrinos. A prática teve início em 1950, com o início das transmissões do Dia de Arafa, e aumentou exponencialmente até 1957, quando a Rádio Meca, transmitida em 50 kW, se tornou a estação mais potente do Oriente Médio. Esta potência foi aumentada posteriormente para 450 kW. Embora a música não fizesse parte da programação inicialmente, foi sendo introduzida gradualmente.[35]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Os principais serviços de transporte de Meca estão relacionados ao Hajj e à Umra. Meca conta apenas com o pequeno Aeroporto do Leste de Meca, que não tem qualquer serviço de companhias aéreas, e os peregrinos têm de acessar a cidade através do Terminal Hajj do Aeroporto Internacional Rei Abdulaziz ou do Porto Marítimo de Jidá, ambos localizados nesta cidade.

Meca não conta com qualquer serviço de transporte público para seus residentes e visitantes, tanto durante quanto fora das estações de peregrinação. As únicas opções são veículos privados ou táxis.

O Metrô Al Mashaaer Al Mugaddassah, com dezoito quilômetros de extensão, foi aberto em novembro de 2010.[63] Um total de 5 novas linhas foram planejadas, para ajudar a transportar peregrinos até os sítios religiosos.[64]

Referências

  1. a b livro.org/5kx73ce9l "Mecca", Encarta. (arquivado) 1-11-2009.
  2. Nasr, Seyyed. Mecca, The Blessed, Medina, The Radiant: The Holiest Cities of Islam. Aperture. 2005
  3. "A Saudi tower: Mecca versus Las Vegas: Taller, holier and even more popular than (almost) anywhere else", The Economist, 24 de junho de 2010, Cairo.
  4. a b Fattah, Hassan M.Islamic Pilgrims Bring Cosmopolitan Air to Unlikely City, New York Times. 20 de janeiro de 2005.
  5. a b Peters, Francis E.. The Hajj: The Muslim Pilgrimage to Mecca and the Holy Places. [S.l.]: Princeton University Press, 1994. p. 206. ISBN 069102619X
  6. Machado, José Pedro. Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, verbete "Meca". Machado atesta a forma 'Meca' em documentos de Portugal anteriores à chegada dos exploradores daquele país à região da cidade, como mostra o trecho a seguir, do século XIII: "contra Mec'as mãos / punnan de tender", St. Maria, n.º 192, vs. 134; "ben de Meca uen / Este poder... Que a Balteyra tal de Meca ten... ay eu Meca sen / poder", Vaasco Perez e Pedr Amigo, no C.B.N., n.º [1421].
  7. Boléo, Manuel de Paiva. Revista portuguesa de filologia, volume 18, p. 708. Universidade de Coimbra, Instituto de Estudos Românicos, 1980.
  8. Cadernos de estudos africanos, p. 141, edições 4-8. Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (Portugal). Centro de Estudos Africanos, 2003.
  9. Arábia Saudita, p. 12. Coleção Estudos e documentos de comércio exterior : Série Como exportar. Delegação em Genebra, Setor de Promoção Comercial. Ministério das Relações Exteriores, Departamento de Promoção Comercial, Divisão de Informação Comercial, 1975.
  10. Boletim cultural da Guiné Portuguesa, volume 28, p. 176, Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, 1973.
  11. Almanaque Abril: Mundo, volume 27, parte 1, p. 112. Editora Abril, 2001.
  12. Grande enciclopédia portuguesa e brasileira: actualização, volume 10, p. 75 e 152. Editorial Enciclopédia, 1987.
  13. P. Crone, Meccan Trade and the Rise of Islam, p. 134-135.
  14. Hawting, p. 44
  15. Islamic World, p. 20
  16. a b c d "Makka – The pre-Islamic and early Islamic periods", Encyclopaedia of Islam
  17. Ira Marvin Lapidus. History of Islamic Socieities. [S.l.]: Cambridge University Press, 2002. 14 pp.
  18. S. Wise Bauer. The history of the medieval world: from the conversion of Constantine to the First Crusade. [S.l.]: W. W. Norton & Company, 2010. 243 pp.
  19. a b Islamic World, p. 13
  20. a b Lapidus, Ira. History of Islamic Societies, pp. 16–17
  21. Islamic World, pp. 17–18
  22.   "Mecca". Enciclopédia Católica. (1913). Nova Iorque: Robert Appleton Company. 
  23. a b Lapidus, p. 32
  24. Ummayads: The First Muslim Dynasty. Página acessada em 26 de novembro de 2007.
  25. Mecca Infoplease.com. Página visitada em 6-4-2010.
  26. The Islamic World to 1600: The Mongol Invasions (The Black Death) Universidade de Calgary. Página visitada em 6-4-2010.
  27. Mecca – LoveToKnow 1911 1911encyclopedia.org (12 de abril de 2007). Página visitada em 6-4-2010.
  28. "The Saud Family and Wahhabi Islam". Library of Congress Country Studies.
  29. Asiatic Cholera Pandemic of 1826–37 . UCLA School of Public Health.
  30. Cholera (pathology). Encyclopedia Britannica.
  31. The Siege of Mecca Doubleday(US) (28 de agosto de 2007). Página visitada em 3-8-2007.
  32. a b c 'The destruction of Mecca: Saudi hardliners are wiping out their own heritage', The Independnt, 6 de agosto de 2005. Página acessada em 17-1-2011
  33. Destruction of Islamic Architectural Heritage in Saudi Arabia: A Wake-up Call, The American Muslim. Página acessada em 17-1-2011
  34. ‘Shame of the House of Saud: Shadows over Mecca’, The Independent, 19 de abril de 2006
  35. a b c d e f g h i "Makka – The Modern City", Encyclopaedia of Islam
  36. Mecca Municipality Holymakkah.gov.sa. Página visitada em 6-4-2010.
  37. a b c d e f ArabNews: "Makkah districts to have a bigger slice of the pie this time"
  38. [Associated Press: "Fire Breaks Out In Mecca Neighborhood Near Hajj Pilgrims"]
  39. a b c NigeriaNews: "Kano rents 15 houses in Saudi for pilgrims"
  40. Google Maps: Mecca, Saudi Arabia
  41. Weather averages for Mecca PME. Página visitada em 17-8-2009.
  42. Orientation Cgijeddah.com. Página visitada em 6-4-2010.
  43. [1]
  44. What is Umrah?.
  45. Mecca. World Book Encyclopedia. Edição de 2003, volume M, p.353
  46. Howden, Daniel (19 de abril de 2006). Shame of the House of Saud: Shadows over Mecca The Independent.. Página visitada em 3-5-2007.
  47. Kee Hua Chee (4 de dezembro de 2010). Going mega in Mecca The Star.. Página visitada em 27-12-2010.
  48. Saudi government demolishes historic Ottoman castle
  49. WikiMapia – About the Qishla and its location
  50. Asian Football Stadiums - Stadium King Abdul Aziz - FussballTempel.net
  51. Michael Naylor Pearson. Pilgrimage to Mecca: the Ind[i]an experience, 1500-1800. [S.l.]: Markus Wiener Publisher. p. 62.
  52. Gorani: Masks and business at Hajj CNN..
  53. Wolfe, p. 475
  54. A new National Geographic Special on PBS "Inside Mecca" Anisamehdi.com.. Página visitada em 6-4-2010.
  55. "Makkah al-Mukarramah and Medina". Encyclopædia Britannica. Fifteenth edition 23. (2007). 698–699. 
  56. Saudi embassy warns against entry of non-Muslims in Mecca ABS-CBN News. (14 de março de 2006). Página visitada em 27-4-2008. Cópia arquivada em 26-4-2006.
  57. The Lure Of Mecca Saudi Aramco World. Página visitada em 6-4-2010.
  58. Sir Richard Francis Burton: A Pilgrimage to Mecca, 1853 Fordham.edu. Página visitada em 6-4-2010.
  59. "Ó fiéis, em verdade os idólatras são impuros. Que depois deste seu ano não se aproximem da Sagrada Mesquita! E se temeis a pobreza, sabei que se a Deus aprouver, enriquecer-vos-á com Sua bondade, porque é Sapiente, Prudentíssimo". in Quran.com.
  60. Sumário de estatísticas para a educação na Arábia Saudita - Ministério da Educação da Arábia Saudita (em inglês)
  61. Sample, Ian (14 de julho de 2010). Ape ancestors brought to life by fossil skull of 'Saadanius' primate The Guardian..
  62. Laursen, Lucas. Fossil skull fingered as ape–monkey ancestor Nature..
  63. Hajj pilgrims take the metro to Makkah Railway Gazette International (15 de novembro de 2010).
  64. Mecca metro contracts signed Railway Gazette International (24 de junho de 2009). Página visitada em 25-6-2009.
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Mecca», especificamente desta versão.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • editores da Time-Life Books.. What life was like in the lands of the prophet: Islamic world, AD 570 – 1405. [S.l.]: Time-Life Books, 1999. ISBN 0-7835-5465-6
  • Quraysh. [S.l.]: Britannica Concise Encyclopedia (online), 2007. Página visitada em 19-2-2007.
  • Lapidus, Ira M.. A History of Islamic Societies. [S.l.]: Cambridge University Press, 1988. ISBN 0 521 22552 5
  • Hawting, G. R.. (1980). "The Disappearance and Rediscovery of Zamzam and the 'Well of the Ka'ba'". Boletim da Escola de Estudos Orientais e Africanos, Universidade de Londres 43 (1): 44–54.
  • "Gaganpreet". Encyclopædia Britannica. (2010). UKEN (online). Consultado em 1996. 
  • Wolfe, Michael. One thousand roads to Mecca: ten centuries of travelers writing about the Muslim pilgrimage. [S.l.]: Grove Press, 1998.
  • Watt, W. Montgomery. "Makka – The pre-Islamic and early Islamic periods." Encyclopaedia of Islam. P. Bearman, Th. Bianquis, C.E. Bosworth, E. van Donzel e W.P. Heinrichs (editores). Brill, 2008. Brill Online, 6 de junho de 2008.
  • Winder, R.B. "Makka – The Modern City." Encyclopaedia of Islam. P. Bearman, Th. Bianquis, C.E. Bosworth, E. van Donzel e W.P. Heinrichs (editoreS). Brill, 2008. Brill Online, 6 de junho de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Meca