Medusa-da-lua

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAurelia aurita
Cnidaria Luc Viatour.jpg

Estado de conservação
Não avaliada
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cnidaria
Classe: Scyphozoa
Ordem: Semaeostomeae
Família: Ulmaridae
Género: Aurelia
Espécie: A. aurita
Nome binomial
Aurelia aurita
Linnaeus, 1758

A medusa-da-lua (Aurelia aurita) é uma alforreca (ou água-viva) comum em todos os oceanos do planeta, principalmente em águas costeiras.[1]

Pode ser encontrada tanto em água salobra, como perto de recifes oceânicos. O seu intervalo de temperaturas ótimas é de 9 – 19º Celsius, mas aguenta temperaturas entre -6 e 31º.

Descrição[editar | editar código-fonte]

São animais com um diâmetro de disco de 5 a 40 cm, semi-nus e com uma coloração variável. Os traços mais visíveis são as quatro gónadas em forma de picadura, geralmente de uma cor viva, amarela a alaranjada. Os braços anais podem ser tão longos como o diâmetro do disco.[2]

A Aurelia move-se contraindo o disco, sempre que possível horizontalmente, para que os tentáculos tenham maior superfície para a comida. A contração é realizada pelo músculo coronel, que é comandado pelo general subumbelar, aparentemente depois de receber informação dos ropálios.[1]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

A época reprodutiva da Aurelia aurita, que é uma espécie arcaica, ocorre normalmente na primavera e verão. Os ovos do saco, depois de fecundados, desenvolvem-se em sacos cheios de ovos formados por bregas dos braços orais.[1] O zigoto transforma-se numa larva plânula, igualmente de vida livre que, quando encontra um substrato adequado, se fixa e se transforma num "cifístoma", uma larva polipoide, cuja única função é produzir éfiras. Para isso, o pólipo se divide transversalmente em vários discos que, ao libertar-se, adquirem vida livre, na forma de éfiras. Este processo de reprodução assexuada denomina-se estrobilação.

As éfiras, ao crescerem, vão transformar-se em medusas que, ao atingirem o tamanho e complexidade adequadas, se diferenciam sexualmente em machos e fêmeas, passando a poder produzir seus gametas.[3]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

A Aurelia é planctonófaga, consumindo moluscos, crustáceos, larvas de tunicados, copépodes, rotiferos, nemátodos, jovens poliquetas, protozoários, diatomáceas e ovos de organismos aquáticos. Também já foram observadas comendo pequenas hidromedusas e ctenóforos. Estes organismos são presos no muco existente na superfície da Aurelia e são depois passados para a região bucal por ação cílio/cilia. As partículas de alimento são deglutidas e seguem por oito canais separados, que são característicos desta espécie, para serem aí digeridos.[1]

Importância econômica[editar | editar código-fonte]

No caso de uma invasão de medusas, a sua acumulação pode significativamente afetar a teia alimentar e diminuir os recursos naturais.

Por outro lado, as medusas representam um importante elo na transformação da matéria orgânica pelágica.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]