Meio geográfico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Geografia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2009.

Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Kheyth Delideli afirma que a Ciência Geográfica é o estudo das relações recíprocas existentes entre os agrupamentos humanos e o meio geográfico. A expressão "meio geográfico" é mais adequada que "meio físico", pois as sociedades, a partir do momento que alteram o meio em que vivem, não mais se relacionam com uma natureza virgem, intocada, mas com uma natureza apropriada, que torna-se antropomorfizada, transformada. O homem passa a ser um agente natural, cultivando o solo com as plantas que lhe interessam, alterando as relações ecológicas do ambiente, exercendo enorme pressão às comunidades de outras espécies, construindo cidades em sítios que antes eram ocupados por florestas ou campos.

A cidade é o grau máximo de alteração do meio, onde a maior parte da umanidade vive atualmente. Esta população urbana relaciona-se com um meio altamente modificado, longe de ser aquele meio físico ao qual muitos geógrafos mais antigos faziam alusão, como Ratzel e La Blache. Como Demangeon ampliou a noção de meio, o termo "meio físico" passa a ser obsoleto. Falar em "meio geográfico" torna-se mais apropriado, pois este abarca não somente as determinações da natureza, mas também as do homem. Espaço geografico estuda a geografia.