Melbourne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Austrália Melbourne  
—  Cidade  —
Topo: Centro de Melbourne, centro/esquerda: Flinders Street Station, centro/direita: Santuário da Lembrança, centro: Federation Square, baixo/esquerda: Melbourne Cricket Ground, baixo/direita: Edifício da Exposição Real.
Topo: Centro de Melbourne, centro/esquerda: Flinders Street Station, centro/direita: Santuário da Lembrança, centro: Federation Square, baixo/esquerda: Melbourne Cricket Ground, baixo/direita: Edifício da Exposição Real.
Bandeira de Melbourne
Bandeira
Brasão de armas de Melbourne
Brasão de armas
lema Vires Acquirit Eundo
(No latim: Nós adquirimos a força como nós prosperamos)
Melbourne está localizado em: Austrália
Melbourne
Localização de Melbourne na Austrália
37° 48' 49" S 144° 57' 47" E
Estado Victoria
Área
 - Total 8 806 km²
População (2013[1] )
 - Total 4 347 955
    • Densidade 493,75/km2 
Sítio www.melbourne.vic.gov.au

Melbourne[nota 1] é a capital e a cidade mais populosa do estado de Vitória, além de ser a segunda área urbana mais populosa da Austrália, depois de Sydney.[3] O nome "Melbourne" refere-se a uma área estatística que abrange 9.900 quilômetros quadrados. É um dos principais centros financeiros do país, assim como da região da Ásia-Pacífico.[4] [5] Em 2013, a Economist Intelligence Unit (EIU) considerou a cidade a quarta mais cara do mundo, empatando com Oslo, na Noruega.[6] A cidade alcança altos níveis de desenvolvimento em áreas como educação, entretenimento, saúde, pesquisa e desenvolvimento, turismo e esportes,[7] [8] além de ser classificada como uma das cidades mais habitáveis do mundo desde 2011, de acordo com a EIU.[7] [9]

Melbourne está localizada na grande baía natural de Port Phillip, sendo que o seu centro situa-se no ponto mais ao norte da baía, próximo ao estuário do rio Yarra.[10] A cidade tem uma população de 4,3 milhões de habitantes[1] e é a capital australiana que tem a taxa de crescimento demográfico que mais cresce.[11]

Fundada em 30 de agosto de 1835 (na então colônia de Nova Gales do Sul) por colonos de Launceston, da Terra de Van Diemen, que incorporaram a região como uma possessão da Coroa em 1837. Recebeu o nome de "Melbourne" do governador de Nova Gales do Sul, Sir Richard Bourke, em homenagem ao primeiro-ministro britânico da época, William Lamb, 2.º Visconde Melbourne.[12] Foi declarada uma cidade pela Rainha Victoria em 1847, antes de se tornar a capital da colônia recém-criada de Vitória em 1851.[13] Durante a corrida do ouro vitoriana da década de 1850, se transformou em uma das maiores e mais ricas cidades do mundo.[14] Depois da criação da Federação da Austrália, em 1901, a cidade serviu como a sede provisória do governo da recém-criada nação até 1927.[15]

A cidade também é um importante centro internacional de artes cênicas e visuais,[16] [17] sendo muitas vezes referida como a capital cultural da Austrália.[9] É o berço de estilos de dança nacionais (como o Melbourne Shuffle e o New Vogue);[18] [19] da indústria cinematográfica australiana;[20] [21] da arte impressionista australiano (conhecido como a Escola de Heidelberg);[22] do futebol Australiano[23] e da indústria televisiva do país.[24] Mais recentemente, foi reconhecida como uma "Cidade da Literatura" pela UNESCO, além de ser um importante centro de arte de rua.[17] [25] Melbourne é o lar de muitas das maiores e mais antigas instituições culturais nacionais, como o Centro Australiano para a Imagem em Movimento, o Melbourne Cricket Ground, o Museu de Melbourne, o Zoológico de Melbourne, a National Gallery of Victoria e o Edifício da Exposição Real, considerado um Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade em 1840.

Foi fundada em 1835 e a sua designação actual foi atribuída dois anos mais tarde por Lorde Melbourne.

Melbourne teve dois grandes ciclos de desenvolvimento. O primeiro foi na década de 1850, impulsionado pela procura do ouro, que originou um grande crescimento da cidade, de tal forma que ultrapassou Sydney e tornou-se a capital temporária e sede do governo australiano, entre 1901 e 1927.

O segundo acontecimento que proporcionou o seu desenvolvimento foi o incentivo dado pelo Governo à imigração após a Segunda Guerra Mundial, nomeadamente de europeus, mas também de asiáticos, assim como o acontecimento desportivo importante que foi a realização dos Jogos Olímpicos de Verão de 1956.

Atualmente Melbourne é umas das maiores cidades do mundo com maior qualidade de vida [26]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Áreas urbanas de Melbourne e Geelong.

Melbourne localiza-se no sudeste da Austrália. A cidade é atravessada pelo Rio Yarra, situando-se junto a Port Phillip. Melbourne é uma cidade australiana típica, com baixa densidade demográfica na sua área metropolitana. Tem vários parques e jardins, muitos dos quais junto ao centro da cidade. O clima é temperado.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Melbourne é temperado oceânico, com precipitações uniformes durante o ano inteiro. As estações do ano são bem definidas.

Durante o inverno, há muitos dias nublados e chuvosos, mas a chuva geralmente é leve, então o acumulado não é grande. Devido à esses dias nublados, a temperatura pouco varia ao longo do dia. Às vezes, massas de ar de origem polar atingem a região e faz a temperatura cair para abaixo de zero durante a madrugada. Precipitação em forma de neve não é comum, mas pode ocorrer em invernos severos.[27]

No verão, apesar de a quantidade média de chuva registrada ser idêntica à do inverno, a umidade é, em média, um pouco menor do que no inverno, já que a tendência é de vento vir de norte. O número de dias ensolarados também é maior, permitindo que a temperatura se eleve bastante em dias mais secos.

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Melbourne Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 45,6 46,4 41,7 34,9 28,7 22,4 23,3 26,5 31,4 36,9 40,9 43,7 46,4
Temperatura máxima média (°C) 25,9 25,8 23,9 20,3 16,7 14,1 13,5 15 17,2 19,7 22 24,2 19,9
Temperatura mínima média (°C) 14,3 14,6 13,2 10,8 8,6 6,9 6 6,7 8 9,5 11,2 12,9 10,2
Temperatura mínima registrada (°C) 5,5 4,5 2,8 1,5 −1,1 −2,2 −2,8 −2,1 −0,5 0,1 2,5 4,4 −2,8
Chuva (mm) 47,3 48,1 50,4 57,3 56 49,2 47,6 50,1 58 66,2 60,3 59,3 649,6
Dias com chuva (≥ 0,2mm) 8,4 7,5 9,4 11,8 14,6 15,4 16,1 16,1 14,9 14,2 11,8 10,4 150,6
Umidade relativa (%) 47 48 49 52 59 63 61 56 53 50 49 47 53
Horas de sol 279 234,9 210,8 168 120,9 108 114,7 145,7 171 195,3 210 232,5 2 190,8
Fonte: Bureau of Meteorology[28]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Panorama de Melbourne.

Na Grande Melbourne, 63,3% das pessoas nasceram na Austrália. Os países mais comuns de nascimentos dos estrangeiros eram Reino Unido (3,4%), Índia (2,7%), China (2,3% - excluindo as RAEs e Taiwan), Itália (1,7%) e Nova Zelândia (1,7%). Em 2011, as etnias mais comuns eram de ingleses (21,1%), australianos (20,7%), irlandeses (6,9%), escoceses (5,7%) e italianos (5,5%).[29]

Chinatown de Melbourne.

Melbourne tem a maior população de língua grega fora da Europa, com uma população comparável a de algumas grandes cidades da Grécia, como Lárissa e Volos.[30] Tessalônica é cidade-irmã grega de Melbourne. O sobrenome vietnamitas Nguyen é o segundo mais comum nas listas telefônicas da cidade de Smith.[31] A cidade também apresenta uma população substancial de indianos, cingaleses e malaios, além de recente fluxo de sul-africanos e sudaneses. A diversidade cultural se reflete nos restaurantes da cidade, que servem vários pratos internacionais.

Cerca de dois terços dos habitantes falam apenas inglês em casa (68,1%). O chinês (principalmente cantonês e mandarim) é o segundo idioma mais falada em casa (3,6%), sendo seguido do grego, italiano e vietnamita, cada um com mais de 100 mil falantes.[32] Embora a migração interna líquida de Vitória tenha flutuado, a população de Melbourne cresceu cerca de 70 mil pessoas por ano desde 2005. Melbourne atrai agora a maior proporção de imigrantes internacionais (48.000), ultrapassando o Sydney em porcentagem, além de receber uma forte migração interna vinda de Sydney e de outro capitais estaduais, devido a moradia e custo de vida mais acessíveis, dois fatores-chave que impulsionam o crescimento recente de Melbourne.[33]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Parlamento de Vitória.

O governo de Melbourne é dividido entre o governo de Victoria e o das 26 cidades e cinco condados que compreendem a região metropolitana. Não há um cargo central na política de Melbourne; entretanto, o presidente da câmara municipal muitas vezes cumpre um papel de prefeito.[34]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Melbourne tem seis cidades irmãs.[35] São elas:

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro de Melbourne à noite.

Melbourne tem uma economia altamente diversificada, com pontos fortes em finanças, manufatura, pesquisa, tecnologia da informação, educação, logística, transporte e turismo. A cidade é a sede de muitas das maiores corporações da Austrália, incluindo cinco das dez maiores do país (com base na receita) e quatro dos seis maiores do país (com base na capitalização de mercado);[37] bem como de órgãos representativos e think tanks, como o Conselho Empresarial da Austrália e o Conselho Australiano de Sindicatos. A cidade é o lar do maior e mais movimentado porto do país, por onde passam 75 bilhões de dólares em comércio a cada ano e 39% dos contêineres do país.[38] A cidade foi classificada na 41ª posição entre as 50 cidades financeiras pesquisadas pelo MasterCard Worldwide Centers of Commerce Index (2008), perdendo apenas para Sydney (12) na Austrália.[39]

Melbourne é o segundo maior centro industrial do país.[40] É a base australiana para empresas como Boeing, Kenworth, Iveco, Cadbury, Bombardier, entre muitas outras. Por conta disso, também é a sede de uma grande variedade de outros fabricantes, que vão desde produtos petroquímicos e farmacêuticos para vestuário de moda, fabricação de papel e processamento de alimentos.[41] A cidade possui, assim, um centro de pesquisa e desenvolvimento da Ford Austrália, bem como um estúdio de design global e centro técnico da General Motors e Toyota, respectivamente.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Biblioteca Estadual de Vitória.

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade destaca-se pela existência da Universidade de Melbourne, fundada em 1853, a Universidade Monash, fundada em 1958, Instituto Real de Tecnologia de Melbourne, fundada em 1887 e a Universidade La Trobe, fundada em 1964, possuindo também um Colégio Técnico e uma conhecida escola de ballet.

Transportes[editar | editar código-fonte]

O aeroporto principal de passageiros que serve a metrópole e o estado de Vitória é o Aeroporto de Melbourne, que é o segundo mais movimentado da Austrália, enquanto que o porto da cidade é o mais movimentado do país para a carga contentorizada e geral.[42]

Melbourne tem a extensa rede de transportes. O principal terminal de trens metropolitanos é a Flinders Street Station e a principal estação de trem regional é a é Southern Cross Station. Melbourne tem a maior rede de bondes do mundo.[43]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Na cidade celebram-se vários eventos culturais anuais. Em Melbourne existem ainda vários pontos de interesse. São de destacar a Galeria Nacional, o Centro de Arte Vitoriana, o Jardim Botânico, a prática de desportos aquáticos na baía e pista de Fórmula 1, no Albert Park. Melbourne é considerada a capital cultural da Austrália.

Imagem: Edifício da Exposição Real A cidade de Melbourne inclui o sítio Edifício da Exposição Real, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Raramente aportuguesada na forma Melburne[2]

Referências

  1. a b 3218.0 - Regional Population Growth, Australia, 2012-13: ESTIMATED RESIDENT POPULATION, States and Territories - Greater Capital City Statistical Areas (GCCSAs) Australian Bureau of Statistics (3 de abril de 2014). Visitado em 8 de abril de 2014.
  2. Fernandes, Ivo Xavier. Topónimos e Gentílicos. Porto: Editora Educação Nacional, Lda., 1941. vol. I.
  3. Australian Bureau of Statistics (25 October 2007). Melbourne (Urban Centre/Locality) 2006 Census QuickStats. Visitado em 9 de abril de 2014.
  4. The Global Financial Centres Index 14 (setembro de 2013). Y/Zen Group. p 15. Retrieved 4 Dezembro de 2013.
  5. 2012 Global Cities Index and Emerging Cities Outlook. A.T. Kearney. p 2. Acessado em 29 de dezembro de 2013.
  6. George Arnett. "The world's most expensive cities", 14 de fevereiro de 2014. Página visitada em 23 de fevereiro de 2014.
  7. a b Economist (Agosto de 2013). Global Liveability Ranking and Report August 2013 The Economist. Visitado em 28 August 2013.
  8. Langmaid, Aaron (28 de abril de 2010). We're sport's champion city again. Herald Sun. News Limited. Acessado em 29 de dezembro de 2013.
  9. a b Westwood, Matthew (26 November 2013). The Cultural Capital's Perfect 10. The Australian. News Limited. Acessado em 28 de novembro de 2013.
  10. Melbourne CBD Google Maps. Visitado em 11 de setembro de 2009.
  11. 3218.0 – Regional Population Growth, Australia, 2011–12 Australian Bureau of Statistics (30 de abril de 2013). Visitado em 30 de abril de 2013.
  12. History of the City of Melbourne 8–10 pp. City of Melbourne. Visitado em 11 de setembro de 2009.
  13. Lewis, Miles. Melbourne: the city's history and development. 2nd ed. Melbourne: City of Melbourne, 1995. p. 25. ISBN 0-949624-71-3
  14. Cervero, Robert B.. The Transit Metropolis: A Global Inquiry. Chicago: Island Press, 1998. p. 320. ISBN 1-55963-591-6
  15. Commonwealth of Australia Constitution Act Department of the Attorney-General, Government of Australia. Visitado em 11 de setembro de 2009. Cópia arquivada em 11 March 2010.
  16. King, B. & Jago, L. Melbourne. TTI City Reports 1 (1999). pp 37-51.
  17. a b Khoury, Matt & Prendergast, Luke (20 de outubro de 2011). 50 reasons Melbourne is the World's most livable city. CNN Travel. Turner Broadcasting Systems.Acessado em 28 de dezembro de 2013.
  18. Dance trance The Age Fairfax (12 de julho de 2002). Visitado em 16 de novembro de 2009.
  19. Gwynne, Michael. In: Michael. Ballroom Sequence Dancing. 2nd ed. Hightstown: Princeton Book Company, 1985. p. 202. ISBN 0-7136-2750-6
  20. Stratton, David. In: David. The Avocado Plantation: Boom and Bust in the Australian Film Industry. Sydney: Pan Macmillan, 1990. ISBN 0-7329-0250-9
  21. Chichester, Jo. . "Return of the Kelly Gang". UNESCO Courier (2007 No.5). UN. ISSN 1993-8616.
  22. Astbury, David Leigh. The Heidelberg School and the rural mythology. [S.l.]: Department of Fine Arts, University of Melbourne, 1982. 65984
  23. The Melbourne Book: A History of Now. Published 2003. Hardie Grant Books. South Yarra. ISBN 1-74066-049-8. pg. 182
  24. Australian Television: the first 24 years. Melbourne: Nelsen/Cinema Papers, 1980. p. 3. Visitado em 23 de setembro de 2007.
  25. Melbourne - City of Literature. Arts Victoria. Government of Victoria (Australia). Acessado em 23 de setembro de 2013.
  26. Revista TAM nas Nuvens Edição Abril 2014 - http://www.tamnasnuvens.com.br/
  27. http://www.smh.com.au/environment/weather/snow-falls-on-coldest-october-day-in-40-years-20121011-27f8j.html
  28. Melbourne Regional Office (em inglês) Bureau of Meteorology. Visitado em 12 de outubro de 2014.
  29. 2011 Census QuickStats: People — demographics & education Censusdata.abs.gov.au. Visitado em 30 de março de 2014.
  30. http://www.oecd.org/gov/regional-policy/50242959.pdf
  31. Melbourne's multicultural history, City of Melbourne. Acessado em 14 de novembro de 2010.
  32. QuickStats: Melbourne (Statistical Division) 2006 Census Commonwealth of Australia. Visitado em 18 de julho de 2008.
  33. O'Leary, John. . "Resurgence of Marvellous Melbourne" (PDF). People and Place 7, 1. Monash University.
  34. Dunstan, David. "The evolution of 'Clown Hall'", 12 de novembro de 2004. Página visitada em 8 de novembro de 2010.
  35. City of Melbourne — International relations — Sister cities City of Melbourne. Visitado em 4 de abril de 2008.
  36. Twinning Cities City of Thessaloniki. Visitado em 2009-07-07.
  37. BRW 1000[ligação inativa]
  38. "Growth of Australia's largest port essential", 18 de dezembro de 2004. Página visitada em 18 de julho de 2008.
  39. MW-IndexRpt-CoComm FA.indd (PDF). Visitado em 10 outubro de 2008.
  40. Matt Wade (2014-02-08). Sydney takes manufacturing capital crown from Melbourne Smh.com.au. Visitado em 2014-03-30.
  41. Business Victoria – Manufacturing State of Victoria, Australia (26 de maio de 2008). Visitado em 22 de outubro de 2008.
  42. Government outlines vision for Port of Melbourne Freight Hub (2006). Visitado em 26 de julho de 2007.
  43. Investing in Transport Chapter 3 – East/West, Section 3.1.2 – Tram Network (PDF) Department of Transport, Government of Victoria. Visitado em 21 de novembro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Melbourne