Memória de ferrite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde junho de 2011).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Tipos de memória de computador
Memórias voláteis
Memórias não voláteis
Um cartão de 10.8×10.8 cm de memória de ferrite de 64x64 bits, como usado em um CDC 6600.

Memória de ferrite é um tipo de memória usada em computadores na década de 1950. [1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Desde os primeiros computadores, como o UNIVAC, aquela máquina enorme criada na década de 50, já utilizava-se memória RAM, que logicamente não era a mesma que a que conhecemos nos dias de hoje.

O UNIVAC marcou a mudança de utilização de grandes válvulas usando então várias pilhas de cartões de memória em módulos, que formava a memória ferrite.

As memória de ferrite eram compostas de pequenas “rosquinhas” magnéticas onde pequenos fios de cobre se entrelaçavam, formando uma rede protegida por chapas metálicas. A pequena “rosca” se magnetizava por impulsos elétricos, sinalizando “on” ou “off” - também chamados de 0 e 1 dos números binários que os computadores precisam realizar seus cálculos (até os dias de hoje utilizam 0 e 1). Existiam apenas 1024 dessas "rosquinhas" em cada memória, já que elas representavam um bit de informação cada uma.

História[editar | editar código-fonte]

As memórias de ferrite eram utilizadas juntamente com os conhecidos cartões perfurados de Herman Hollerith. O primeiro computador a receber essa nova tecnologia foi o então conhecido como primeiro computador fabricado e comercializado nos EUA, o UNIVAC que foi criado na década de 50. As rosquinhas com impulsos elétricos que definiam "on" ou "off" - ou 0 e 1, respectivamente, eram usadas para entender a memória e realizar cálculos. O UNIVAC possuía 8 níveis de memória ferrite dentro de um stack que forneciam, portanto, 8bytes de memória. Em cada memória dessas, havia 1024 'rosquinhas' o que significa 1Kbyte. Em 1976 praticamente todos os computadores usavam essa tecnologia, inclusive a IBM que começou a comercializar o IBM 705 que possuía 20Kbytes de memória.

UNIVAC, primeiro computador a utilizar as memórias de ferrite

Stacks de Memória[editar | editar código-fonte]

Os stacks eram grandes caixas onde eram encaixadas as memórias e suportava até 8 níveis de memória ferrite, eram feitos à mão e custavam cerca de 6.000 dólares, e era usada para compactar os computadores.

O Fim da Memória de Ferrite e a Criação da DRAM[editar | editar código-fonte]

Apesar de criado em 1966, a DRAM (Dynamic Random Access Memory)o 1103 só foi anunciada em 1970 pela INTEL. E em 1973 acabou com a memória de ferrite. O primeiro computador a fazer uso dessa nova tecnologia foi o HP 9800. A memória DRAM foi criada pelo Dr. Robert H. Dennard funcionário da IBM no Centro de Pesquisa Thomas J. Watson.


Referências

  1. [1].
Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.