Menkauhor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estela representando o faraó Menkauhor

Menkauhor foi um faraó da V dinastia egípcia, geralmente colocado na sétima posição. Menkauhor é o nome de coroação deste rei e significa "Eternos são as almas de Ré"; o seu nome de nascimento era Kalu.

De acordo com o Papiro Real de Turim terá reinado oito anos. O historiador Manetão atribui-lhe nove anos de reinado. O nome do rei está igualmente presente na lista real de Abido e na lista real de Sakara.

As relações familiares de Menkauhor com outros monarcas da V dinastia são obscuras. Pensa-se que seria irmão ou filho de Niuserré, o seu antecessor. É também por alguns autores apontado como pai de Djedkaré Isesi; outros consideram que ambos seriam filhos de Niuserré ou que Menkauhor seria apenas filho de Niuserré e Djedkaré filho de Neferefré. Desconhece-se o nome da consorte ou consortes de Menkauhor.

Sabe-se que o rei enviou expedições às minas de cobre e turquesas do Sinai (Uadi Maghara), como o tinham feito reis anteriores.

A nível de representações artísticas conhece-se uma pequena estátua de alabastro, que se encontra no Museu Egípcio no Cairo.

Segundo inscrições de túmulos privados o rei mandou construir um templo solar, denominado Akhet-Ré ("O Horizonte de Ré"). Este templo não foi até hoje identificado, sendo provável que se localizasse em Abusir ou em Sakara. Foi o último templo solar construído por um rei da V dinastia, já que os seus dois sucessores abandonaram a prática (julga-se que por motivos económicos e não religiosos).

A pirâmide deste rei não foi até hoje identificada, sabendo-se que se chamava "Divinos são os locais de Ré". Alguns consideraram que seria a pirâmide número 50 de Lepsius em Dahchur; a ser correcta esta identificação, representaria o abandono de Abusir como necrópole real. Para outros autores, a sua pirâmide seria a chamada "Pirâmide sem cabeça" situada em Sakara norte, a este do complexo funerário de Teti. Em Sakara norte alguns indícios sugerem que na época do Império Novo desenvolveu-se um culto religioso em torno do rei, que teria sido divinizado.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GRIMAL, Nicholas - History of Ancient Egypt. Blackwell Publishing, 1994. ISBN 0631193960.


Precedido por
Niuserré
Faraó
V dinastia egípcia
Sucedido por
Djedkaré Isesi


Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.