Mesopredadores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mesopredadores

Exemplo de predador de topo (Onça pintada)

São tanto herbívoros quanto carnívoros. Na cadeia trófica, sofrem pressão de predação dos chamados predadores de topo, que regulam a abundância de suas populações. Como o nome mesmo sugere, estes se encontram no meio da cadeia trófica, servindo de presas para o predador de topo e de predadores para vertebrados menores, plantas e sementes.

Liberação de mesopredadores[editar | editar código-fonte]

Exemplo de Mesopredador (Gambá)

Alguns estudos sustentam a hipótese, de que se um predador de topo for retirado de um determinado ecossistema, o número das populações de suas presas aumentará drasticamente.[1] Consequentemente essas presas atuarão com forte pressão de predação. Isso desencadeará uma cascata trófica, pois acarretará a escassez na abundância das presas destes segundos predadores, o que levará a comunidade ao desequilíbrio.[2] Para esse fenômeno damos o nome de liberação de mesopredadores.

Exemplo de liberação de mesopredadores[editar | editar código-fonte]

Um exemplo clássico de liberação de mesopredadores é o que aconteceu no lago Guri na Venezuela. Com a implantação de uma usina hidrelétrica, houve a formação de pequenas ilhas, cujo tamanho não permitia a existência de um predador de topo. Estudos realizados pelo pesquisador John Terborgh e sua equipe demonstraram que esses predadores, como onças e as harpias ou mesmo parasitóides especializados, eram espécies-chave, por manter o equilíbrio na cadeia trófica. Na ausência desses animais as ilhas foram totalmente dominadas pelas suas presas, visto que algumas ilhas foram dominadas por bugios e outras por formigas saúvas. Logo, nestes locais dominados por herbívoros, a vegetação sofreu forte pressão de predação, e somente as espécies mais resistentes conseguiram sobreviver. Com essas mudanças no funcionamento da floresta, a diminuição da serrapilheira e o desaparecimento do sub-bosque, devido ao pastejo, foram comuns. Isso desencadeou a extinção local de diversas espécies.[3]

Referências

  1. Terborgh. J., Lopez, L. Nuñez, P.V.,Rao. M., Shahabuddin, G., Reveros, M., Ascanio, R., Adler, GH., Lambert, T.D. & Balbas, L. (2001). Ecological meltdown in predator-free forest fragments. science. 294, 1923-1926.
  2. Loiselle, B.A. & W.G. Hoppes. 1983. Nest predation in insular and mainland lowland rainforest in Panama.The Condor 85:93-95
  3. Terborgh. J., Lopez, L. Nuñez, P.V.,Rao. M., Shahabuddin, G., Reveros, M., Ascanio, R., Adler, GH., Lambert, T.D. & Balbas, L. (2001).Ecological meltdown in predator-free forest fragments. Science. 294, 1923-1926.