Metrosideros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMetrosideros
Flores e folhas de M. polymorpha

Flores e folhas de M. polymorpha
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Myrtales
Família: Myrtaceae
Género: Metrosideros
Banks ex Gärtner, 1788
Espécies
Cerca de 50 espécies
Ver texto
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Metrosideros

Metrosideros é um género que engloba diversas árvores oriundas das ilhas do Oceano Pacífico, com distribuição desde as Filipinas à Nova Zelândia, incluindo as ilhas da Polinésia e da Melanésia. O nome deriva do grego metra ou "madeira do cerne" e sideron ou "ferro", uma referência à dureza da sua madeira.

Diversidade e distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Existem aproximadamente 50 espécies de Metrosideros, repartidas por dois subgéneros: Mearnsia (24 espécies) e Metrosideros (26 espécies). A espécie mais conhecida deste género é o metrosídero ou árvore-de-fogo (Metrosideros excelsa), uma árvore de grande porte usada como ornamental e como árvore de abrigo em zonas costeiras da região temperada. Outras espécies com grande expansão como ornamentais são o Metrosideros robustus (rata-do-norte) e o Metrosideros umbellatus (rata-do-sul) da Nova Zelândia e o Metrosideros polymorpha, ou ‘Ōhi‘a lehua, das ilhas do Hawai.

A Nova Caledónia tem 17 espécies endémicas de Metrosideros, a Nova Zelândia tem 11 e a Nova Guiné e o Havai 5 espécies cada. As restantes espécies estão dispersas pelas pequenas ilhas do Oceano Pacífico, com uma única espécie a ser descrita como nativa da África do Sul.

As sementes de Metrosideros são dispersas pelo vento, o que explica sua ampla distribuição pela bacia do Pacífico a partir de uma origem que se presume tenha ocorrido na Nova Zelândia. O aparecimento da espécie no Havai é em primeira análise um fenómeno estranho, dado que os alísios sopram na direcção oposta à da dispersão (para oeste). Contudo, o padrão de ventos em altitude poderá ter trazido sementes das Ilhas Marquesas, o que é confirmado pela análise do RNA ribossómico (rRNA) das espécies havaianas, as quais parecem ter resultado de um único evento colonizador (a espécie havaiana M. polymorpha a apresentar grande similaridade com a M. collina, a espécie mais comum das Marquesas, a ponto de ter sido durante muito tempo considerada como uma subespécie daquela)

As árvores e arbustos do género Metrosideros são frequentemente cultivadas pelas suas vistosas flores vermelhas, havendo, contudo, algumas espécies, com destaque para o metrosídero, que são perigosas invasores capazes de pôr em risco as comunidades florestais nativas.

Alguns dos nomes que aparecem em catálogos de hortofloricultura, como M. villosa e M. vitiencensis, são simples variedades ou cultivares (em geral de M. collina) e não espécies na acepção botânica da palavra.

Lista de espécies do género Metrosideros[editar | editar código-fonte]

  • Subgénero Mearnsia
    • M. albiflora (Nova Zelândia)
    • M. angustifolia (África do Sul)
    • M. brevistylis (Nova Caledónia)
    • M. cacuminum (Nova Caledónia)
    • M. carminea (Nova Zelândia)
    • M. colensoi (Nova Zelândia)
    • M. cordata (Nova Guiné)
    • M. diffusa (Nova Zelândia)
    • M. dolichandra (Nova Caledónia)
    • M. fulgens (Nova Zelândia)
    • M. halconensis (Filipinas)
    • M. longipetiolata (Nova Caledónia)
    • M. operculata (Nova Caledónia)
    • M. ovata (Nova Guiné)
    • M. paniensis (Nova Caledónia)
    • M. parkinsonii (Nova Zelândia)
    • M. patens (Nova Caledónia)
    • M. perforata (Nova Zelândia)
    • M. porphyrea (Nova Caledónia)
    • M. ramiflora (Nova Guiné)
    • M. rotundifolia (Nova Caledónia)
    • M. salomonensis (Ilhas Salomão; a espécie já foi integrada em ambos os subgéneros)
    • M. scandens (Nova Guiné)
    • M. whitakeri (Nova Caledónia)
    • M. whiteana (Nova Guiné)

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Wagner, W.L., D. R. Herbst, and S.H. Sohmer. 1999. Manual of the Flowering Plants of Hawaii. Revised edition. University of Hawai‘i Press and Bishop Museum Press, Honolulu. 1919 pp.
  • Wright, S. D., C. G. Yong, S. R. Wichman, J. W. Dawson, and R. C. Gardner. (2001). Stepping stones to Hawaii: a trans-equatorial dispersal pathway for Metrosideros (Myrtaceae) inferred from nrDNA (ITS+ETS). J. Biogeography, 28(6): 769-774.
  • Wright, S. D., R. D. Gray, and R. C. Gardner. (2003). Energy and the rate of evolution: inferences from plant rDNA substitution rates in the Western Pacific. Evolution, 57(12): 2893–2898.