Micela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Esquema de uma micela. Cada molécula formadora da micela é representada por uma cabeça polar e uma cauda apolar.

Micela é uma estrutura globular formada por um agregado de moléculas anfipáticas, ou seja, compostos que possuem características polares e apolares simultaneamente, dispersos em um líquido constituindo uma das fases de um colóide.

As micelas são geralmente globulares, contudo, estas estruturas podem ser elipsóides, cilíndricas e em camadas. O formato e o tamanho destas é função da geometria molecular dos surfactantes bem como das condições da solução, tais como: concentração, temperatura, pH e força iônica.

Estas "partículas" variam entre 0,1 e 0,001 micrómetros de diâmetro em soluções coloidais. As micelas se mantêm unidas graças a uma interação chamada Força de Van der Waals, que acontece devido à grande proximidade entre as parcelas apolares das moléculas anfipáticas.

A formação das micelas, contudo, não ocorre em qualquer concentração. Apenas a partir de uma concentração mínima chamada concentração micelar crítica, ocorre a micelização. Esta associação das moléculas de surfactantes ocorre para que haja uma diminuição da área de contato entre as cadeias hidrocarbônicas do surfactante e a água ou outro composto polar.

Com a formação de micelas várias propriedades físicas da solução tais como viscosidade, condutividade elétrica, tensão superficial e pressão osmótica são afetadas.

As micelas podem ser formadas de fosfolipídeos (lipídeos complexos), por exemplo, onde a parte polar ou hidrofílica fica rodeada de água, e a parte apolar ou hidrofóbica (caudas hidrocarbonadas), ficam sequestradas no interior.

É importante o conhecimento destas micelas pois é o que ocorre em nosso organismo quando absorvemos os lipídeos. Depois de ingeridos, eles são "quebrados" em moléculas menores e mais fáceis de serem absorvidos (isso ocorre no estômago e intestino). Depois que são absorvidos, eles caem na corrente sanguínea em forma de micelas para atuarem na síntese de hormônios, proteção da termorregulação, etc. As micelas não são solúveis em água, por isso, não se solubilizam no sangue favorecendo assim o seu transporte dentro do nosso corpo.

Micelas reversas[editar | editar código-fonte]

Em um solvente não apolar a exposição da parte polar não é energicamente favorável. Neste caso, os grupos hidrofílicos tendem a ser voltados para o interior da micela e os grupos hidrofóbicos ficam expostos na superfície. A formação de micelas reversas pode ser bastante difícil, pois, por possuírem carga elétrica semelhante, os grupamentos polares tendem a se repelir.

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.