Michel Melamed

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Michel Melamed
Nome completo Michel Melamed
Nascimento 10 de Março de 1976 (38 anos)
BrasilRio de Janeiro, RJ
Ocupação ator, autor teatral

Michel Melamed (Rio de Janeiro, 10 de março de 1976) é poeta, diretor teatral, autor teatral, ator, performer e apresentador de televisão brasileiro. [1] [2]

Formação[editar | editar código-fonte]

De formação autodidata, Melamed começou a escrever aos quinze anos, ao participar de um evento na Faculdade da Cidade do Rio, chamado "Terças Poéticas", que reunia autores consagrados como João Cabral de Mello Neto, Ferreira Gullar, Antônio Houaiss e jovens autores.

Participou da fundação e dirigiu o Centro de Experimentação Poética CEP 20.000, em conjunto com os poetas Chacal e Guilherme Zarvos com eventos mensais no Espaço Cultural Sérgio Porto e publicações. Através do grupo, Melamed teve diversos poemas publicados em antologias e CDs gravados. [3]

Em 2002 atuou, ao lado de Matheus Nachtergaele e Marcélia Cartaxo, no espetáculo Woyzeck, o Brasileiro, recriação polêmica de Cibele Forjaz e Fernando Bonassi da obra clássica do alemão Georg Büchner. [4]

Regurgitofagia[editar | editar código-fonte]

Michel Melamed estreou como autor no espetáculo "Regurgitofagia" (2004), em que utilizou a integração de linguagens - teatro, poesia falada, stand-up comedy, performance e artes plásticas - para fazer uma crítica contundente e bem-humorada do mundo contemporâneo, através, exclusivamente, de fragmentos de textos autorais e de uma interface denominada "pau-de-arara", onde cada reação sonora da platéia (risos, aplausos, tosses, etc.) era captada por microfones que as transformava em descargas elétricas sobre o corpo do autor/autor. [5]

Contemplado com a Bolsa Rioarte, segmento Arte e Tecnologia, o espetáculo estreou no Rio de Janeiro no mês de abril de 2004, para uma temporada inicial de três semanas, mas vindo a permanecer nove meses em cartaz. Foi considerado um dos dez melhores espetáculos do ano pelo O Globo e pelo Jornal do Brasil, sendo depois apresentado em São Paulo por mais seis meses, com pequenas temporadas em Brasília, Porto Alegre (no Festival Porto Alegre em Cena), Belo Horizonte e outras capitais, além de apresentações especiais em Nova Iorque, Paris e Berlim.

O texto foi publicado em livro pela editora Objetiva, Rio de Janeiro. [6]

Trilogia brasileira[editar | editar código-fonte]

Premiado com o FATE/RJ, o segundo espetáculo de Michel Melamed, "Dinheiro Grátis", estreou no Rio de Janeiro em janeiro de 2006. Durante cada apresentação, ocorriam "leilões" entre ator e público, que negociavam conceitos e atos, permitindo que a declamação de um poema de amor, por exemplo, fosse comprada por alguns reais. "Dinheiro Grátis" é uma reflexão sobre a mercantilização das relações sociais e a presença constante do dinheiro como ordenador da vida humana. [7]

"Homemúsica", a terceira parte de sua "Trilogia Brasileira", estreou no segundo semestre de 2007 no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) em Brasília, vindo a receber o Prêmio Myrian Muniz de apoio à pesquisa teatral da Funarte. Tinha como personagem principal Helicóptero, um jovem com um dom único: de cada parte do seu corpo era emitido o som de um instrumento musical. Vindo do interior, ele rumara ao sudeste do país para tentar a vida de artista, mas encontrara muitas dificuldades e as coisas não saíram como imaginava. [8]

Em 2009, "Antidinheiro grátis" foi apresentado como a "quarta parte" da Trilogia Brasileira de Michel Melamed, ou como o seu epílogo. Era dividido em duas partes: a primeira era uma remontagem de "Dinheiro grátis", com seus leilões, cenas de humor e ironia; na segunda parte, o autor propunha uma reflexão sobre o teatro e seu público. O espetáculo causou polêmica, em algumas apresentações dividindo a plateia entre aplausos efusivos e vaias. [9]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Na televisão, Michel Melamed já participou de diversos programas. Em 1998, começou apresentando "Profissão talento" na TV Bandeirantes, que logo passou a também roteirizar e dirigir. Na GNT apresentou "Movimento GNT" (2000-2001) e "Lembranças do Brasil". Na TVE Brasil, fez parte da equipe dos programas "Na arquibancada", Comentário geral e Recorte Cultural. [10] Como ator, interpretou Dom Casmurro na microssérie "Capitu" da rede Globo, que foi ao ar em dezembro de 2008. Em 2009 roteirizou e dirigiu com Nelson Hoineff o programa "Celebridades do Brasil" no Canal Brasil. [11]

Mas sua experiência mais duradoura e marcante foi como apresentador da revista eletrônica Recorte Cultural, que ele mesmo criou para a TVE Brasil do Rio de Janeiro. Mais que um talk-show ou uma revista eletrônica de cultura, era uma tentativa de uma televisão artística, criativa, experimental. O programa tinha 30 minutos, e era exibido de segunda a sexta das 20:30h às 21:00, na TVE Brasil, com reprise diária à meia-noite e melhores momentos aos domingos às 19h30. O programa foi indicado, juntamente com Fernanda Montenegro e Lázaro Ramos, na categoria TV ao "Prêmio Faz Diferença" do Jornal O Globo.

Em 2010, Michel Melamed criou, escreveu, dirigiu e apresentou a série "Campeões de Audiência" no Canal Brasil. Apontado pela crítica especializada como um sopro de criatividade, renovação e ousadia na tv brasileira. [12]

Em 11 de Novembro de 2010 protagonizou, roteirizou e compôs a música de abertura da minissérie da Tv Globo "Afinal, o Que Querem as Mulheres?" de Luiz Fernando Carvalho. [13] Por este trabalho recebeu diversos prêmios, entre eles, o Prêmio Arte Qualidade Brasil de melhor ator. [14]

[15]

Michel foi contemplado em 2011 com a Bolsa Funarte para uma residência de 6 meses em Nova York, onde criou e dirigiu o espetáculo "Seewathlook". [16] A série de 10 episódios no Canal Brasil, "O que você vê quando olha o que enxerga?", criada, roteirizada e assinada por Michel Melamed é o registro de todo o processo que envolveu da concepção à realização do projeto Seewatchlook, uma experiência encenada na esquina da Rua 17 com a Décima Avenida, em Nova Iorque. [17]

Em 2014, está na série policial A Teia, na Rede Globo.

Referências

  1. Página sobre Michel Melamed na Teatropédia. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  2. Blog pessoal de Michel Melamed. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  3. Perfil de Michel Melamed no sítio "Novas dramaturgias". Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  4. Programa do espetáculo "Woyzeck, o brasileiro" no acervo da Unesp. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  5. Página no sítio Radiográfico sobre "Regurgitofagia". Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  6. "Regurgitofagia" no Google Books. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  7. Matéria da Folha de São Paulo sobre "Dinheiro grátis", 26/05/2006. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  8. Crítica sobre "Homemúsica" no sítio Bacante. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  9. Matéria no sítio Arte e Subversão sobre o lançamento de "Antidinheiro grátis". Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  10. Entrevista de Michel Melamed ao jornal Correio Brasiliense, 23/11/2010. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  11. Entrevista de Michel Melamed ao jornal O Globo, 02/11/2008. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  12. Matéria no jornal O Globo sobre o programa "Campeões de audiência", 11/04/2010. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  13. Matéria do UOL Televisão sobre o lançamento de "Afinal, o que querem as mulheres?". Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  14. Lista de vencedores do Prêmio Arte Qualidade Brasil 2011. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  15. Filmografia de Michel Melamed no IMDb. Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  16. Página do Canal Brasil sobre a série "Seewatchlook". Página visitada em 29 de dezembro de 2013.
  17. Matéria da revista Cult sobre "O que você vẽ quando olha o que enxerga". Página visitada em 29 de dezembro de 2013.