Michelle Obama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Michelle Obama
46ª Primeira-dama dos Estados Unidos
Mandato 20 de janeiro de 2009
em exercício
Antecessor(a) Laura Bush
Vida
Nome completo Michelle LaVaughn Robinson
Nascimento 17 de janeiro de 1964 (50 anos)
Chicago, Illinois,
 Estados Unidos
Progenitores Mãe: Marian Lois Shields
Pai: Fraser C. Robinson III
Dados pessoais
Alma mater Universidade de Princeton
Universidade Harvard
Marido Barack Obama (1992–presente)
Religião Protestante
Profissão Advogada
Assinatura Assinatura de Michelle Obama

Michelle LaVaughn Robinson Obama (Chicago, 17 de janeiro de 1964) é a esposa do 44º presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a 46ª primeira-dama norte-americana, sendo a primeira afro-descendente a ocupar o posto.

Michelle Robinson nasceu e cresceu em Chicago. Graduou-se pela Universidade Princeton e, depois, pela Harvard Law School. Após completar seus estudos, ela retornou a Chicago e aceitou um emprego com a firma de advocacia Sidley Austin, onde conheceu seu futuro marido. Subsequentemente, trabalhou como ajudante do prefeito de Chicago Richard M. Daley, e para a Universidade do Centro de Medicina de Chicago. Ao longo de 2007 e 2008, ela ajudou na campanha do lance presidencial de seu marido, sendo a sua presença nas eleições de Obama um dos principais destaques da campanha, e remeteu uma deferência à Convenção Nacional Democrata de 2008. Ela tem duas filhas com Barack Obama: Natasha e Malia Ann. É a irmã de Craig Robinson, técnico de basquetebol masculino na Universidade do Estado do Oregon.

Família e educação[editar | editar código-fonte]

Sra. Marian Shields Robinson, mãe de Michelle.

Michelle Lavaughn Robinson nasceu em 17 de janeiro de 1964, em Chicago, Illinois; seu pai era Fraser Robinson III[1] , um capitão precinto do Partido Democrata norte-americano e sua mãe, Marian Shields Robinson, uma secretária do Catálogo de Spiegel.[2] Sua mãe ficou desempregada até Michelle entrar no Ensino Médio.[3]

A família Robinson pode traçar suas raízes junto aos afro-americanos da região sul dos Estados Unidos do período pré-Guerra Civil Americana; seu antepassado paterno, Jim Robinson, foi um escravo americano no estado da Carolina do Sul,[4] [5] sendo que alguns de seus parentes ainda residem lá.[6] [7] Ela cresceu na Euclid Avenue na comunidade de South Shore em Chicago.[2] [8] [9] [10] A família comeu refeições juntas e também se divertiam juntos como uma família, jogando jogos como Banco Imobiliário e lendo.[11] Ela e seu irmão, Craig (que é 21 meses mais velho), avançaram o segundo grau. Na sexta série, Michelle juntou-se à uma turma na Bryn Mawr Elementary School (depois renomeada Academia Bouchet).[12] Ela ingressou na Whitney Young High School, a primeira escola magnata (escola pública com especializações em cursos) de Chicago, onde ela esteve no quadro de honra durante os quatro anos do ensino médio, teve colocações avançadas nas aulas, foi membro da National Honor Society e serviu como tesoureira do conselho estudantil.[2] A mudança de sua casa no South Side para o Near West Side demorou três horas.[13] Ela foi colega de escola de Santita Jackson, filha de Jesse Jackson e irmã de Jesse Jackson, Jr.[11] Gradou-se do Ensino médio em 1981[13] ,[14] e ingressou na Universidade Princeton, estudando sociologia onde ela se graduou cum laude como Bachelor of Arts em 1985.[2] [15]

Michelle sentiu-se inspirada a seguir seu irmão em Princeton porque tinha mostrado a si mesma que isso era possível;[3] ela graduou-se em 1983. Em Princeton, ela aprovou a metodologia pedagódica da língua francesa, porque sentiu que isso seria mais conversacional.[16] Como parte dos requerimentos para a graduação, ela escreveu uma tese intitulada: "Princeton-Educated Blacks and the Black Community." ("Educação de Princeton a Negros e a Comunidade Negra", em português)[17] . "Lembro-me estando chocada", ela afirma "por estudantes universitários que dirigem BMWs. Eu nunca conheci pais que dirigem BMWs."[13] Ela obteve seu Juris Doctor (J.D.), grau da Harvard Law School, em 1988.[18] Enquanto esteve em Harvard, ela participou de manifestações políticas defendendo a contratação de professores que são membros de minorias.[19] Ela é a terceira primeira-dama norte-americana com uma pós-graduação, seguindo Hillary Rodham Clinton e Laura Bush.[20] Em julho de 2008, Obama aceitou o convite para se tornar um membro honorário do clube de moças negro de 100 anos Alpha Kappa Alpha, no qual não tinha estudantes universitários ativos de Princeton quando ela ingressou.[21]

Barack e Michelle Obama.

Ela conheceu Barack Obama quando eles estavam dentre os vários poucos afro-americanos na sua firma de advocacia, Sidley Austin, (ela, algumas vezes, disse que se encontravam em apenas dois departamentos, embora outros já tenham apontado, há outros diferentes departamentos)[22] e a ela foi atribuído o cargo de ser a mentora dele, enquanto ele fora um advogado associado.[23] Sua relação começou com um jantar de negócios e depois uma reunião de organização da comunidade onde ele pela primeira vez a impressionou.[24] O primeiro encontro do casal foi para assistir o filme Do the Right Thing, de Spike Lee.[25] Eles se casaram em outubro de 1992[24] e tiveram duas filhas, Malia Ann (nascida em 1998) e Natasha (conhecida como Sasha) (nascida em 2001).[26] Após sua eleição para o Senado Estadunidense, a família do Obama continuou a viver no South Side de Chicago, optando por permanecer ali em vez de mudar-se para Washington, D.C.. Ao longo da campanha presidencial norte-americana de 2008 de seu marido, ela fez um "compromisso de estar distante durante um dia da semana de campanha, apenas dois dias na semana e estar em casa ao final do segundo dia" para suas duas filhas.[27] Ela é prima de primeiro grau de parentesco de Rabbi Capers C. Funnye Jr., um dos dos mais proeminentes rabinos negros do país.

Ela uma vez pediu que Barack, que na época era seu noivo, conhecesse sua prospectiva patroa, Valerie Jarrett, considerando seu primeira salto na carreira.[10] Atualmente, Jarrett é uma das mais próximas assessoras de Barack.[28] [29] A relação marital teve seus altos e baixos. A combinação de uma evolução da vida famíliar e o início da carreira política levou-a a muitos argumentos sobre o equilíbrio do trabalho e a família. Barack escreveu eu seu segundo livro, The Audacity of Hope: Thoughts on Reclaiming the American Dream, que: "cansado e estressado, nós tivemos pouco tempo para conversar, muito menos romance".[30] No entanto, apesar de suas obrigações familiares e do trabalho, eles continuaram a tentar agendar seus encontros à noite.[31]

As filhas de Obamas frequentaram a University of Chicago Laboratory Schools, uma escola particular.[32] Como membro do conselho da escola, Michelle lutou para manter a diversidade no local, enquanto outros membros do conselho, conectados à Universidade de Chicago, tentaram reservar mais vagas para as crianças na faculdade da universidade. Isso resultou em um plano para expandir a escola.[3] As filhas de Obama, atualemente, frequentam a Sidwell Friends School em Washington D.C. depois também considerando a Georgetown Day School.[33] [34] Ela declarou, em uma entrevista no The Ellen DeGeneres Show, que o casal não pretende ter mais nenhum filho.[35] Eles têm recebido conselhos das primeiras-damas anteriores Laura Bush, Rosalynn Carter e Hillary Rodham Clinton sobre sobre como criar os filhos na Casa Branca.[34] Marian Robinson mudou-se para a Casa Branca para auxiliar com o cuidado das filhas.[36]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Após a faculdade de direito, ela associou-se à firma de direito Sidley Austin, em Chicago, onde ela conheceu seu futuro marido. Na firma, ela trabalhou em marketing e propriedade intelectual.[2] Subsequentemente, ela ocupou posições no setor público no governo da cidade de Chicago como assistente do prefeito e como assistente comissária de planejamento e desenvolvimento. Em 1993, ela tornou-se Diretora Executiva para a agência de Chicago de Alianças Públicas, uma organização sem fins lucrativos, incentivando os jovens a trabalhar em questões sociais, grupos sem fins lucrativos e agências governamentais.[14] Ela trabalhou lá quase quatro anos e definiu registros de angariação para a organização que ainda permaneceu durante uma dúzia de anos depois de sua saída.[11]

Em 1996, ela atuou como Reitora Associada de Serviços Estudantis da Universidade de Chicago, onde desenvolveu o Centro de Serviço Comunitário da Universidade.[37] Em 2002, ela começou a trabalhar para os Hospitais da Universidade de Chicago, primeiramente como diretora executiva dos negócios da comunidade e, no início de maio de 2005, como vice-presidente da Comunidade e Negócios Externos.[38] Ela continuou a deter a posição dos Hospitais da Universidade de Chicago durante a campanha primária de seu Barack, porém teve de cortar parte de seu tempo para passar mais tempo com suas filhas, assim como trabalhar para a eleição do marido;[39] ela, posteriorimente, teve uma licença de ausência de seu trabalho.[40] De acordo com o pagamento do imposto de renda do casal de 2006, o salário de Michelle era de US$ 273.618 dos Hospitais da Universidade de Chicago, enquanto o salário de seu marido de US$ 157.082 do Senado dos Estados Unidos. A renda total da família, no entanto, era de US$ 991.296, na qual incluia $51.200 que ela havia adquirido como membro do conselho de diretores da TreeHouse Foods, e investimentos e direitos autorais de seus livros.[41]

Ela serviu como um assalariado membro do conselho da TreeHouse Foods, Inc. (NYSE: THS),[42] um grande fornecedor da rede Wal-Mart com quem ela cortou os laços imediatamente após seu marido fazer comentários críticos do Wal-Mart no fórum da AFL-CIO em Trenton, Nova Jérsei, em 14 de maio de 2007.[43] Ela serviu no conselho de diretores do Chicago Council on Global Affairs.[44]

Participação especial[editar | editar código-fonte]

Michelle Obama apareceu em uma participação especial do episódio de ICarly "iMeet The First Lady" (Conhecendo a Primeira Dama). No episódio: Para o aniversário do pai da Carly, ele pediu uma licença para ir passar a data com a família, mas de última hora ele não pode ir, mas a Carly já tinha preparado toda a festa e ficou bem triste. Então a Sam e o Freddie arrumam um jeito de burlar os softwares dos militares, e ao vivo no iCarly eles conseguem conversar com ele, mas não dá pra ver ele, ele só digita as coisas, e eles tem uma conversa assim. Daí tem as consequências deles terem hackeado o programa, e o serviço secreto dos Estados Unidos descobrem e acaba que a primeira dama Michelle Obama se envolve na história, mas na verdade, para elogiar o incentivo que os amigos de Carly fizeram para que ela tivesse algum contato com seu pai militar.

Eleição presidencial de 2008[editar | editar código-fonte]

Oprah Winfrey unindo-se aos Obamas na campanha eleitoral, 10 de dezembro de 2007.
O "fist bump" dos Obamas em consequencia da vitória de Barack na nomeação Democrata.

Embora Obama tenha feito campanha ao lado de seu marido desde o início de sua carreira política apertando mãos e angariando fundos, ela não apreciou a atividade primeiramente. Quando ela fez campanha durante a corrida de seu marido em 2000 para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, seu patrão da Universidade de Chicago perguntou se havia alguma coisa única na campanha que lhe beneficiou; após pensar um pouco, ela respondeu que visitar tantas salas de estar tinha dado a ela algumas novas ideias de decoração.[45]

Inicialmente, Obama tinha certos receios sobre a campanha presidencial de seu marido, devido a temores sobre um possivel efeito negativo em suas filhas.[46] Ela disse que negociou um acordo no qual seu marido deveria abandonar o ato de fumar em troca de sua ajuda na decisão da corrida presidencial.[47] Sobre seu papel na campanha presidencial de Barack ela disse: "Meu emprego não é ser uma conselheira sênior."[28] [48] [49] Durante a campanha, ela esteve discutindo etnia e educação, usando sua maternidade como um truque.[16]

Em maio de 2007, três meses após seu marido ter declarado sua candidatura presidencial, ela reduziu suas responsabilidades profissionais por oito porcento para auxiliar sua campanha à presidência.[10] No início da campanha, ela limitou sua participação em cada viagem para eventos políticos a apenas dois dias na semana e viajava à noite, e apenas se suas filhas pudessem ir também;[1] pelo início de fevereiro de 2008, sua participação progrediu significantemente, atendendo trinta e três eventos em oito noites.[29] Ela fez várias campanhas aparecendo com Oprah Winfrey.[50] [51] Ela escreveu seu próprio discurso para a campanha presidencial de Barack e fê-lo sem notas.[13]

Durante toda a campanha, a mídia muitas vezes a marcou como uma "mulher zangada e negra"[52] [53] [54] e alguns websites tentaram propagar essa percepção,[55] causando a ela responder: "Barack e eu estivemos no olhar do público por muitos anos desde agora, e nós temos desenvolvido uma pele espessa ao longo do caminho. Quando você está fora da campanha, sempre haverá críticas. Eu acabei de 'pegar no tranco', e no final do dia, eu sei que isso vem com o território."[56] No tempo da Convenção Nacional Democrata de 2008 em agosto, os meios de comunicação observaram que a presença de Michelle na campanha eleitoral tinha crescido mais suavemente do que no início da corrida, focando na solicitação de referências e enfatizando um tanto com o público ao invés de atirar-lhes desafios, e dando entrevistas para shows como The View e publicações como Ladies' Home Journal, ao invés de aparecer em programas novos. A mudança foi ainda refletida nas suas escolha de roupas, vestindo roupas mais informais, no lugar de peças previamente desenhadas.[45] Sua aparência em The View foi, parcialmente, destinada a ajudar e atenuar a percepção dela[52] , o que foi amplamente acompanhado pela imprensa.[57]

A campanha presidencial foi sua primeira exposição ao cenário político nacional e mesmo após o campo de candidatos democratas ter sido reduzido para dois, ela foi considerada a última famosa das esposas dos candidatos.[48] No início da campanha, ela contou anedotas sobre a vida da família Obama; no entanto, como a imprensa começou a enfatizar seu sarcasmo, ela abaixou seu tom.[41] [47] A colunista do editorial do jornal The New York Times, Maureen, Dowd escreveu:

Eu entristeço um pouco quando Michelle Obama esbranveja seu marido como uma mera rotina mortal-cômica que repousa sobre a presunção que nós a vemos como uma deusa... Porém, podem não ser políticas espertas escarnecê-lo em um caminho que o vira para o glamour de JFK no mundano Gerald Ford, queimando seu próprio sonho inglês. Se todo senador Obama é fútil, é a mística de Camelot, por que desmerece essa mística?[48] [58]

Em 18 de fevereiro de 2008, ela comentou, em Milwaukee, Wisconsin que "pela primeira vez em minha vida adulta, eu estou orgulhosa do meu país, porque sente-se, como esperança, que está finalmente dando recompensa." Mais tarde daquela noite, ela reformulou seu discurso em Madison (Wisconsin), dizendo que "pela primeira vez no meu tempo de vida adulto, eu estou realmente orgulhosa de meu país, e não apenas porque Barack está se saindo bem, mas porque eu acho que o povo está faminto de mudança."[59] Diversos comentaristas criticaram seus comentários,[60] e a campanha emitiu uma declaração que "qualquer um que ouvira seus comentários... entenderia que ela estivesse comentando sobre nossa política."[61] Em junho de 2008, a primeira-dama da época Laura Bush comentou sobre as palavras controversas: "Eu acho que ela, provavelmente, tinha a intenção de dizer que estava 'mais feliz', vocês sabem, é o que ela realmente pretendia", adicionando, "Significa, sei, que isso é uma das coisas que você aprende e é uma das reais partes difíceis ambas para a corrida para a presidência e sendo esposa do presidente, isto é, tudo o que você diz é analisado e em muitos casos, erroneamente."[62]

Os Obamas, com Joe e Jill Biden em 23 de agosto de 2008 durante o anúncio Vice-presidencial em Springfield, Illinois.

Questionada em fevereiro de 2008 se ela poderia ver a si mesma "trabalhando para apoiar" Hillary Rodham Clinton se ela conquistasse o cargo de candidata democrata à presidência, ela disse "Eu teria que pensar sobre isso. Eu teria que pensar em políticas, suas abordagens, seu tom." Porém, quando questionada sobre isto pela entrevista, ela começou "Você sabe, todos deste partido trabalharão duro por qualquer um que fôr o candidato."[63] Apesar de suas críticas sobre Clinton durante a campanha de 2008, quando perguntada em 2004 qual esposa de político ela admirava, ela havia citado Hillary Clinton, afirmando, "Ela é esperta, e graciosa, e tudo que ela aparenta para ser pública — alguém que consegue levantar o que parece ser sólido."[64]

Obama discursa na convenção Democrata de 2008.

Na primeira noite da Convenção Nacional Democrata de 2008, Craig Robinson introduziu sua irmã mais nova.[65] Ela emitiu seu discurso, durante o qual ela procurou retratar a si mesma e a sua família como a encarnação do Sonho Americano.[66] Obama disse que ambos ela e seu marido acreditam "que você trabalha duro para o que você quer na vida, que sua palavra é sua obrigação, e você faz o que você diz que fará, que você trata as pessoas com dignidade e respeito, mesmo se você não conheça-os, e mesmo se você não concorde com eles."[67] Ela também enfatizou amar seu país, em resposta às críticas por suas declarações anteriores sobre sentir-se orgulhosa de seu país pela primeira vez.[66] [68] [69]

Este discurso foi largamente bem-recebido e atraiu, principalmente, opiniões positivas.[70] A companhia de pesquisas de opinião Rasmussen Reports descobriu que sua favorabilidade entre os estadunidenses chegou a 55%.[71] O comentarista político Andrew Sullivan descreveu o discurso como "um dos melhores, mais emocionantes, íntimos, animadores, humildes, e bonitos discursos que eu já ouvi de uma plataforma como a convenção."[72] O discurso fez Juan Williams chorar sobre a ideia da significância de sua apresentação como uma representante da América Negra.[73] Um par de artigos no National Review, incluindo um por Byron York, contudo, notou que, apesar do discurso ter sido apresentado na América como a terra de oportunidades, ele conflitou com os discursos de Michelle na campanha eleitoral que descreveu aspectos negros do país.[74] [75]

Em uma entrevista a um programa de rádio em 6 de outubro de 2008, Larry King pergutou a ela se o eleitorado americano foi passado pelo "efeito Bradley", uma teoria proposta para explicar discrepâncias observadas entre pesquisas de opinião de votantes e resultados das eleições. Ela afirmou que a realização da candidatura de Barack foi um inidicador bastante forte que isto ocorreu.[76] Na mesma noite ela também foi entrevistada por Jon Stewart no The Daily Show, onde ela defletiu críticas de seu maido e sua campanha.[77]

No show da Fox News Channel de E. D. Hill, America's Pulse, Hill referiu-se ao fist bump partilhado pelos Obamas na noite que ele rebitou a candidatura presidencial democrata como uma "manobra terrorista."[78] Em junho de 2008, Hill foi removido de seus deveres no específico show, no qual foi, posteriormente, cancelado.[79] [80]

Primeira-dama dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Estilo e senso de moda[editar | editar código-fonte]

Michelle Obama vestiu roupas de Isabel Toledo feitas na St. Gallen Embroidery, durante a Posse de Barack Obama em 2009.

Com a ascensão de seu marido como um proeminente político nacional, Michelle Obama, assim como todas as outras primeiras-damas, tornou-se parte da cultura popular. Em maio de 2006, a revista Essence listou-a como uma das "25 Mulheres mais Inspiradoras do Mundo."[81] [82] Em julho de 2007, a revista Vanity Fair a listou como uma das "10 Pessoas Mais Bem-Vestidas do Mundo." Ela foi uma convidada honorária no Oprah Winfrey's Legends Ball como uma "young'un", pagando tributo aos 'Legends', no qual a ajudou a preparar o caminho para mulheres afro-americanas. Em setembro de 2007, a revista 02138 listou-a como 58ª da 'The Harvard 100'; uma lista dos mais influentes ex-alunos de Harvard dos anos anteriores. Seu marido também foi marcado, porém como quarto.[81] [83] Em julho de 2008, reapareceu novamente na lista internacional dos mais bem vestidos da Vanity Fair.[84] Michelle também apareceu na lista das mulheres mais bem-vestidas de 2008 e foi elogiada pela revista por seu olhar "clássico e confidente".[85] [86]

Como uma mulher de alto perfil de compleição escura e um casamento estável, foi antecipado que ela iria ser uma modelo de alta categoria que iria influenciar o ponto de vista que o mundo tem de afro-americanos.[87] [88] Suas opções de moda foram parte da Fashion week,[89] porém a influência de Obama na área não teve um impacto sobre a escassez de modelas americanas que participaram, como alguns pensaram que isto poderia.[90] [91]

Casal Obama no baile inaugural.

Ela tem sido comparada com Jacqueline Kennedy, devido ao seu estilo elegante, mas não exagerado,[84] e também com Barbara Bush pela sua disciplina e decoro.[92] [93] Sobre seu vestido branco de um ombro de Jason Wu, 2009 inaugural, foi dito a ser "uma improvável combinação de Nancy Reagan e Jackie Kennedy".[94] [95] O estilo de Obama é descrito como populista.[20] Ela frequentemente veste roupas dos designers Calvin Klein, Oscar de la Renta, Isabel Toledo, Narciso Rodriguez, Donna Ricco e Maria Pinto,[96] e tornou-se uma tendência de moda,[97] [98] em particular, seu favoritismo de vestidos sem mangas que mostra seus atenuantes braços.[99] [100] [101] [102]

Ela apareceu na capa da edição de março de 2009 da revista Vogue.[103] [104] Todas as primeiras-damas dos Estados Unidos desde Lou Hoover (exceto Bess Truman) estiveram na Vogue,[103] porém apenas Hillary Clinton havia, anteriormente, aparecido na capa.[105]

Um desejo que tem surgido em algumas pessoas é de que a mídia deveria focar mais nas contribuições sérias da primeira-dama, ao invés de seu senso de moda.[20] [106] Obama afirmou que gostaria de concentrar a atenção como Primeira-dama em questões como: preocupação com famílias militares e famílias trabalhadoras.[87] [107] [108] A colunista Bonnie Erbe argumentou que seus próprios publicitários parecem estar alimentando a ênfase em estilo acima de substância.[109]

Trabalhos realizados e causas promovidas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Durante seus primeiros meses como Primeira-dama, ela frequentemente visitou abrigos de desalojados.[110] Também enviou representantes para escolas e defendeu o serviço público.[110] [111] Em sua primeira viagem ao exterior, em abril de 2009, ela excursionou um ala de hospital de câncer com Sarah Macaulay, esposa do primeiro-ministro britânico Gordon Brown.[112] Esteve começando a advogar sobre o interesse de famílias militares.[113] Assim como suas predecessoas Clinton e Bush, que apoiaram o movimento orgânico instruindo às cozinhas da Casa Branca a comprar comidas organicas, Obama recebeu atenção quando plantou um jardim orgânico e instalou colmeias de abelhas no Gramado Sul da Casa Branca, o qual irá fornecer produção orgânica e mel para a família do presidente e para jantares com líderes de Estado e outros encontros oficiais.[114] [115]

Obama tornou-se uma defensora das prioridades políticas de seu marido, promovendo notas que apoiam isto. Segundo a promulgação da Lei de Igualdade de Pagamento, Obama promoveu uma recepção da Casa Branca para a defesa do direito das mulheres. Ela pronunciou seu apoio à nota de estímulo econômico em visita ao Departamento dos Estados Unidos de Habitação e Desenvolvimento Urbano. Alguns observadores olharam favoravelmente para as atividades legislativas da Sra. Obama, enquanto outros sentiram que ele deveria estar menos envolvida na política. De acordo com os representantes dela, ela pretende visitar todos Gabinetes dos Estados Unidos, a fim de se familiarizar com Washington.[116]

Ela ganhou um crescimento do apoio do público em seus primeiros meses como primeira-dama.[110] [117] Obama é notável pelo seu apoio à famílias militares e alguns republicanos.[110] [113] Como o público está se acostumando cada vez mais com ela, está se tornando mais aceita.[110] Newsweek descreveu sua primeira viagem ao exterior como uma exibição de seu "poder-de-estrela" tão calado[117] e MSN descreveu isto como uma exibição de satorial elegência.[82] Houve questões levantadas nas mídias americana e britânica media em relação ao protocolo quando os Obamas conheceram a Rainha Elizabeth II,[118] e Michelle retribuiu um toque nas costas na Rainha durante a recepção, supostamente contra a etiqueta real tradicional.[118] [119] Fontes do palácio negaram qualquer violação de etiqueta ocorrida.[120]

Notas e referências

  1. a b White, Deborah. Michelle Obama, Casada com o Presidente Barack Obama. U.S. liberal politics. About.com. Página visitada em 22 de janeiro de 2008.
  2. a b c d e Rossi, Rosalind. "A mulher atrás de Obama", Chicago Sun-Times, 20 de janeiro de 2007. Página visitada em 22 de janeiro de 2008.
  3. a b c Slevin, Peter. (18 de março de 2009). "Mrs. Obama vai a Washington". Princeton Alumni Weekly 109: 18–22.
  4. Murray, Shailagh. "A Family Tree Rooted In American Soil: Michelle Obama Learns About Her Slave Ancestors, Herself and Her Country", The Washington Post, 2 de outubro de 2008, p. C01. Página visitada em 9 de outubro de 2008.
  5. Bone, James. "From slave cabin to White House, a family rooted in black America", The Times, 6 de novembro de 2008. Página visitada em 7 de novembro de 2008.
  6. Levinson, Molly. "Michelle: Barack's bitter or better half?", BBC News, 4 de junho de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  7. Norris, Michele. "Spouses on the Campaign Trail: Michelle Obama Sees Election as Test for America", All Things Considered, NPR, 9 de julho de 2007. Página visitada em 3 de abril de 2009.
  8. Finnegan, William. "The Candidate: How the Son of a Kenyan Economist Became an Illinois Everyman", The New Yorker, 31 de maio de 2004. Página visitada em 22 de janeiro de 2008.
  9. Pickert, Kate. "Michelle Obama, A Life", Time, 13 de outubro de 2008. Página visitada em 8 de janeiro de 2009.
  10. a b c Bennetts, Leslie. "First Lady in waiting", Vanity Fair, 27 de dezembro de 2007. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  11. a b c Newton-Small, Jay. "Michelle Obama's Savvy Sacrifice", Time, 25 de agosto de 2008. Página visitada em 12 de outubro de 2008.
  12. Ross, Rosalind. "Kids at Michelle Obama's old school see reflection", Chicago Sun-Times, 10 de novembro de 2008. Página visitada em 17 de novembro de 2008.
  13. a b c d Johnson, Rebecca. "The natural", Vogue. Página visitada em 8 de janeiro de 2009.
  14. a b "Her Plan Went Awry, but Michelle Obama Doesn't Mind", Chicago Tribune, 1º de setembro de 2004.[ligação inativa]
  15. Academic Departments & Programs. The Trustees of Princeton University (2008). Página visitada em 18 de maio de 2008.
  16. a b Klein, Sarah A.. "Focus: Women to Watch: Michelle Obama", ChicagoBusiness, Crain Communications, Inc., 5 de maio de 2008, p. 29.
  17. Ressner, Jeffrey. "Michelle Obama thesis was on racial divide", Politico.com, 22 de fevereiro de 2008. Página visitada em 19 de abril de 2008.
  18. Brown, Sarah. "Obama '85 Masters Balancing Act", Daily Princetonian, 7 de dezembro de 2005. Página visitada em 3 de abril de 2009.
  19. Wolffe, Richard. "Barack's Rock", Newsweek, 25 de fevereiro de 2008. Página visitada em 3 de abril de 2009.
  20. a b c Connolly, Katie. "Very Little in Common But That ‘O’", Newsweek, 29 de novembro de 2008. Página visitada em 9 de janeiro de 2009.
  21. Bogues, Austin. "Sorority Celebrates Michelle Obama’s Acceptance", The New York Times, 14 de julho de 2008. Página visitada em 9 de novembro de 2008.
  22. Mundy, Liza. "Quando Michelle conheceu Barack", The Washington Post Magazine, 5 de outubro de 2008. Página visitada em 15 de outubro de 2008.
  23. Kornblut, Anne E.. "Michelle Obama's Career Timeout", The Washington Post, 11 de maio de 2007. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  24. a b Fornek, Scott. "Michelle Obama: 'He Swept Me Off My Feet'", Chicago Sun-Times, 3 de outubro de 2007. Página visitada em 2 de dezembro de 2007.
  25. 50 coisas que você não sabia sobre Michelle Obama. IMDb.com, Inc. (22 de janeiro de 2009). Página visitada em 5 de abril de 2009.
  26. Springen, Karen and Darman, Jonathan. "Ground Support", Newsweek, 29 de janeiro de 2007. Página visitada em 3 de abril de 2009.
  27. Piasecki, Joe. "Mother, wife, superstar", Pasadena Weekly, 5 de junho de 2008. Página visitada em 3 de abril de 2009.
  28. a b Roberts, Robin. "Michelle Obama: 'I've Got a Loud Mouth'", ABC News, 22 de maio de 2007. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  29. a b Langley, Monica. "Michelle Obama Solidifies Her Role", Wall Street Journal, 11 de fevereiro de 2008. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  30. Herrmann, Andrew. "Fame puts squeeze on family life: Many hurdles as Obamas seek balance", Chicago Sun-Times, 19 de outubro de 2006.
  31. Bedard, Paul. "Whispers Poll: President-Elect Obama and Michelle Obama's Date Night", U.S.News & World Report, 21 de novembro de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  32. Loh, Sandra Tsing. "The Rantings of a P.T.A. Mom", The New York Times, 9 de setembro de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  33. Leiby, Richard L. "Obama Girls Will Go To Sidwell Friends: Elite Private School Is 'Best Fit' for Next First Family", The Washington Post, 22 de novembro de 2008. Página visitada em 9 de dezembro de 2008.
  34. a b Smalley, Suzanne. "Just One More Frame!: How do you raise kids in the White House and 'keep them normal,' too?", Newsweek, 22 de novembro de 2008. Página visitada em 9 de janeiro de 2009.
  35. Zeleny, Jeff. "Michelle Obama: 'I'm Done'", The New York Times, 4 de setembro de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  36. Erbe, Bonnie. "Michelle Obama Slights Working Women", U.S.News & World Report, 7 de novembro de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  37. (6 de junho de 1996) "Obama named first Associate Dean of Student Services". University of Chicago Chronicle 15 (19).
  38. University of Chicago Medical Center (9 de maio de 2005). Michelle Obama appointed vice president for community and external affairs at the University of Chicago Hospitals. Press release. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  39. Snow, Kate. "Michelle Obama: Mom First, Politics Second", ABC News, 24 de janeiro de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  40. St. Clair, Stacy. "Michelle Obama blazes a new trail", Chicago Tribune, 8 de novembro de 2008. Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  41. a b Keen, Judy. "Michelle Obama: Campaigning her way", USA Today, 12 de maio de 2007. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  42. Board of Directors: Michelle Obama. TreeHouse Foods. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  43. Sweet, Lynn. "Sweet Column: Michelle Obama Quits Board of Wal-Mart Supplier", Chicago Sun-Times, 22 de maio de 2007. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  44. Directors. Chicago Council on Global Affairs. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  45. a b Kantor, Jodi. "Michelle Obama, reluctant no more", The New York Times, 25 de agosto de 2008. Página visitada em 27 de agosto de 2008.
  46. Michelle Obama. The New York Times (5 de março de 2009). Página visitada em 8 de abril de 2009.
  47. a b Langley, Monica. "Michelle Obama on Campaign, Family", Wall Street Journal, 11 de fevereiro de 2008. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  48. a b c Zakin, Carly. "Michelle Obama plays unique role in campaign", MSNBC, 30 de julho de 2007. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  49. "Michelle Obama: I'm his wife, not adviser", Sioux City Journal, 22 de maio de 2007. Página visitada em 3 de abril de 2008.
  50. Marinucci, Carla; Wildermuth, John; Chronicle Political Writers. "Millions of cell calls for Clinton Big effort to contact list of likely backers gave her the state", The San Francisco Chronicle, 7 de fevereiro de 2008. Página visitada em 15 de fevereiro de 2008.
  51. Kornblut, Anne E. & Murray, Shailagh. "'I'm Tired of Politics as Usual'; Oprah Winfrey Makes Her Case for Sen. Obama's Presidential Candidacy", The Washington Post, 19 de dezembro de 2007. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  52. a b Powell, Michael and Jodi Kantor. "After Attacks, Michelle Obama Looks for a New Introduction", The New York Times, 18 de junho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  53. Mann, Jonathan. "A First Lady of a different kind", CNN, 23 de maio de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  54. "Transcript: 'FOX News Watch', June 14, 2008", Fox News, 16 de junho de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  55. Dowd, Maureen. "Mincing Up Michelle", The New York Times, 11 de junho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  56. 20 Questions with Michelle Obama. momlogic.com (31 de julho de 2008). Página visitada em 4 de abril de 2009.
  57. Stanley, Alessandra. "Michelle Obama Shows Her Warmer Side on ‘The View’", The New York Times, 19 de junho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  58. Dowd, Maureen. "She’s Not Buttering Him Up", The New York Times, 25 de abril de 2007. Página visitada em 12 de fevereiro de 2008.
  59. Tapper, Jake. "Michelle Obama: "For the First Time in My Adult Lifetime, I'm Really Proud of My Country"", Political Punch, ABC News, 18 de fevereiro de 2008. Página visitada em 18 de fevereiro de 2008.
  60. Associated Press. "Michelle Obama Explains Pride Remark", Chicago Sun-Times, 2 de fevereiro de 2008. Página visitada em 20 de fevereiro de 2008.
  61. Halperin, Mark. "Obama's Chief Strategist David Axelrod on Michelle Obama's Remarks", Time, 20 de fevereiro de 2008. Página visitada em 20 de fevereiro de 2008.
  62. "Laura Bush Defends Michelle Obama Against Patriotism Attack", The Huffington Post, 9 de junho de 2008. Página visitada em 9 de junho de 2008.
  63. Koppelman, Alex. "War Room: If Clinton gets the nomination, would Michelle Obama support her?", Salon.com, 4 de fevereiro de 2008. Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  64. Springen, Karen. "First Lady in waiting", Chicago Magazine, outubro de 2004. Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  65. Halperin, Mark. "Scorecard: First-Night Speeches: Craig Robinson: Grade: B+", Time, agosto de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  66. a b Nagourney, Adam. "Appeals evoking American Dream rally Democrats", The New York Times, 26 de agosto de 2008. Página visitada em 27 de agosto de 2008.
  67. Naylor, Brian (26 de agosto de 2008). Interpreting Michelle Obama's speech. National Public Radio. Página visitada em 27 de agosto de 2008.
  68. Pallasch, Abdon M.. "Michelle Obama celebrates Chicago roots", Chicago Sun-Times, 26 de agosto de 2008. Página visitada em 26 de agosto de 2008.
  69. Helman, Scott. "Reaching back to her Chicago roots, Obama tells an American story", Boston Globe, 26 de agosto de 2008. Página visitada em 27 de agosto de 2008.
  70. Suellentrop, Chris. "Michelle Obama's high note", The New York Times, 25 de agosto de 2008. Página visitada em 27 de agosto de 2008.
  71. Michelle Obama Favorable Rating Reaches Highest Level Ever. Rasmussen Reports (29 de agosto de 2008). Página visitada em 12 de novembro de 2008.
  72. Sullivan, Andrew. "Wow", The Daily Dish, The Atlantic Monthly, 25 de agosto de 2008. Página visitada em 27 de agosto de 2008.
  73. Khanna, Satyam. "Juan Williams tears up after Michelle Obama speech: 'It’s unbelievable'", ThinkProgress.org, Fundo do Centro para Ação do Progesso Americano, 26 de agosto de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  74. York, Byron. "Michelle Obama's Two Americas", National Review, 26 de agosto de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  75. "Last Night, the Obama Campaign Conceded Michelle's Old Rhetoric Won't Sell", National Review, 26 de agosto de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  76. Blow, Charles M.. "Are We Past The ‘Bradley Effect’?", The New York Times, 9 de outubro de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  77. Seelye, Katharine Q.. "Michelle Obama Dismisses Criticisms", The New York Times, 9 de outubro de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  78. "Fox refers to Michelle Obama as 'baby mama': TV graphic read: 'Outraged liberals: Stop picking on Obama's baby mama'", MSNBC, 12 de junho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  79. Spillius, Alex. "Fox News presenter taken off air after Barack Obama 'terrorist fist jab' remark", The Daily Telegraph, 13 de junho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  80. Cloud, John. "4. Fist bump", Time, 2008. Página visitada em 8 de janeiro de 2009.
  81. a b Michelle Obama. Biography. A&E Network. Página visitada em 5 de abril de 2009.
  82. a b O'Neil, Nicole. "First Lady style: Michelle Obama", MSN do Reino Unido. Página visitada em 5 de abril de 2009.
  83. "The Harvard 100", 02138.
  84. a b "Michelle Obama makes best-dressed list: For the second year in a row, Obama's style puts her on Vanity Fair's list", MSNBC, 30 de julho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  85. "Michelle Obama among 10 best dressed women: People magazine", The Economic Times, 18 de setembro de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  86. "Michelle Obama, Rihanna Named To People’s Best Dressed List", Access Hollywood, 17 de setembro de 2008. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  87. a b Samuels, Allison. "What Michelle Means to Us: We've never had a First Lady quite like Michelle Obama. How she'll change the world's image of African-American women—and the way we see ourselves.", Newsweek, 22 de novembro de 2008. Página visitada em 9 de janeiro de 2009.
  88. Fiori, Pamela. "She's Got It!", Town & Country, fevereiro de 2009, pp. 78–83. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  89. Von Glinow, Kiki (9 de março de 2009). The New Black. Newsweek. Página visitada em 7 de abril de 2009.
  90. Soller, Kurt (18 de fevereiro de 2009). Is Michelle Obama Diversifying Model Portfolios? Not So Much. Newsweek. Página visitada em 7 de abril de 2009.
  91. Trebay, Guy (13 de fevereiro de 2009). Has the ‘Obama Effect’ Come to Runway Castings?. The New York Times. Página visitada em 7 de abril de 2009.
  92. Trebay, Guy. "She Dresses to Win", The New York Times, 8 de junho de 2008. Página visitada em 13 de outubro de 2008.
  93. Springen, Karen and Jonathan Darman. "Ground Support: Michelle Obama Has Seemed Ambivalent About Barack's'08 Run. But She's Provided The Entree For Him To Give It A Go.", Newsweek, 29 de janeiro de 2007. Página visitada em 16 de novembro de 2008.
  94. "Michelle in a 'Hue-Turn'", The New York Post, 21 de janeiro de 2009. Página visitada em 22 de janeiro de 2009.
  95. Soller, Kurt. "Feedback: Fashion First Ladies", Newsweek, 2 de dezembro de 2008. Página visitada em 9 de janeiro de 2009.
  96. "Michelle Obama's Winning Style", InStyle, novembro de 2008. Página visitada em 17 de novembro de 2008.
  97. Kroll, Betsy. "6. Michelle Obama's $148 Dress", Time, dezembro de 2008. Página visitada em 8 de janeiro de 2009.
  98. Zimbalist, Kristina (31 de outubro de 2008). Purple Reign. Time. Página visitada em 8 de janeiro de 2009.
  99. Michelle Obama's right to bare arms, The Boston Globe, 19 de março de 2009
  100. Strong-arm tactics: First Lady of Fitness: Michelle Obama's guns inspire workouts, Chicago Sun-Times, 10 de março de 2009
  101. Michelle Obama and our buff-arm fetish, The Chicago Tribune, 26 de fevereiro de 2009
  102. All Hail the Leader of the Fashionable World, The Washington Post, 21 de janeiro de 2009
  103. a b Michelle Obama graces cover of Vogue magazine (11 de fevereiro de 2009). Página visitada em 14 de fevereiro de 2009.
  104. "Michelle Obama makes Vogue cover", BBC, 11 de fevereiro de 2009. Página visitada em 2009-02-14.
  105. Tschorn, Adam. "All the Rage: The Image Staff Muses On The Culture of Keeping Up Appearance in Hollywood and Beyond", Los Angeles Times, 11 de fevereiro de 2009. Página visitada em 14 de fevereiro de 2009.
  106. Felchner, Morgan E.. "For Mom-in-Chief Michelle Obama and Women Everywhere, It’s About Choice", U.S.News & World Report, 14 de novembro de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  107. Obama, Michelle. "Michelle Obama: As Barack’s First Lady, I Would Work to Help Working Families and Military Families", U.S.News & World Report, 17 de outubro de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  108. Klaidman, Daniel. "The Editor’s Desk", Newsweek, 22 de novembro de 2008. Página visitada em 9 de janeiro de 2009.
  109. Erbe, Bonnie. "Michelle Obama Is Making Herself a Stay-at-Home Mom, Not the Media", U.S. News & World Report, 13 de novembro de 2008. Página visitada em 10 de janeiro de 2009.
  110. a b c d e Romano, Lois. "Michelle's Image: From Off-Putting To Spot-On", The Washington Post, 31 de março de 2009. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  111. Alter, Jonathan (7 de março de 2009). An Army Of Changemakers. Newsweek. Página visitada em 6 de abril de 2009.
  112. Scherer, Michael. "Michelle Obama Finds Her Role on the World Stage", Time, 2 de abril de 2009. Página visitada em 6 de abril de 2009.
  113. a b Walsh, Kenneth T. (26 de março de 2009). Michelle Obama Makes Military Families Her Mission: The first lady is often moved by accounts of personal sacrifice by service families. U.S.News & World Report. Página visitada em 7 de abril de 2009.
  114. Bedard, Paul (28 de março de 2009). Michelle Obama Goes Organic and Brings in the Bees. U.S.News & World Report. Página visitada em 7 de abril de 2009.
  115. Black, Jane. "Shovel-Ready Project: A White House Garden", The Washington Post, 20 de março de 2009. Página visitada em 3 de maio de 2009.
  116. Swarns, Rachel L. (7 de fevereiro de 2009). ‘Mom in Chief’ Touches on Policy; Tongues Wag. The New York Times. Página visitada em 8 de abril de 2009.
  117. a b Stone, Daniel. "Mixed Review", Newsweek, 3 de abril de 2009. Página visitada em 4 de abril de 2009.
  118. a b Chua-Eoan, Howard. "The Queen and Mrs. Obama: A Breach in Protocol", Time, 1º de abril de 2009. Página visitada em 6 de abril de 2009.
  119. Bailey, Holly (2 de abril de 2009). Touch Her... If You Dare. Newsweek. Página visitada em 6 de abril de 2009.
  120. Bailey, Holly (1º de abril de 2009). G-20 Gossip: No Touching, Please. Newsweek. Página visitada em 6 de abril de 2009.