Microscópio eletrônico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Microscopia Eletrônica deverá ser fundido aqui.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão de|....|{{subst:DATA}}}}.

Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Um microscópio eletrônico.

O microscópio eletrônico (português brasileiro) ou electrónico (português europeu) (AO 1990: eletrônico ou eletrónico) é um microscópio com potencial de aumento muito superior ao óptico. Foi inventado em 1931 por Ernst Ruska, e vem sendo aperfeiçoado desde então, hoje com a tecnologia é o melhor microscópio existente.

A diferença básica entre o microscópio óptico e o eletrônico é que neste último não é utilizada a luz, mas sim feixes de elétrons. No microscópio eletrônico não há lentes de cristal e sim bobinas, chamadas de lentes eletromagnéticas. O objetivo do sistema de lentes do MEV (Microscópio eletrônico de varredura), situado logo abaixo do canhão de elétrons, é coco (de ~10-50 μm no caso das fontes termoiônicas) para um tamanho final de 1 nm - 1 μm ao atingir a amostra. Isto representa uma demagnificação da ordem de 500 000 vezes e possibilita que a amostra seja varrida por um feixe muito fino de elétrons.

Os elétrons podem ser focados pela ação de um campo eletrostático ou de um campo magnético. As lentes presentes dentro da coluna, na grande maioria dos microscópios, são lentes eletromagnéticas. Essas lentes são as mais usadas pois apresentam menor coeficiente de aberração. Após o feixe de elétrons incidir na amostra isso acarreta a emissão de elétrons com grande espalhamento de energia, que são coletados e amplificados para fornecer um sinal elétrico que é utilizado para modular a intensidade de um feixe de eletrons num tubo de raios catódicos, assim em uma tela é formada uma imagem de pontos mais ou menos brilhantes (eletromicrografia ou micrografia eletrônica), semelhante à de um televisor em branco e preto.

Não é possível observar material vivo neste tipo de microscópio. O material a ser estudado passa por um complexo processo de desidratação, fixação e inclusão em resinas especiais, muito duras, que permitem cortes ultrafinos obtidos através das navalhas de vidro do instrumento conhecido como ultramicrótomo.

Existem três tipos de microscópio eletrônico básico:

  • De transmissão - usado para a observação de cortes ultrafinos;
  • De varredura (ou M.E.V.) - capaz de produzir imagens de alta ampliação para a observação de superfícies;
  • De tunelamento (ou M.E.V.T.) - para visualização de átomos.

Tipo de microscópio que utiliza um feixe de eletrões em vez de radiações luminosas, como o microscópio ótico, para obter uma imagem de objetos muito pequenos, como são os organelos, vírus ou a molécula de ADN. Nos microscópios óticos a resolução está condicionada pelo comprimento de onda das radiações luminosas. Os eletrões de alta energia podem associar-se a comprimentos de onda muito mais baixos. Por exemplo, os eletrões acelerados têm um comprimento de onda de 0,04 nanómetros, o que permite uma resolução de 0,2 a 0,5 nanómetros. Nos microscópios eletrónicos os feixes de eletrões são focados mediante lentes eletrónicas que criam um campo magnético ao redor do feixe de eletrões que incide num ecrã fluorescente em que a amostra a estudar é visualizada.

Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.