Miguel I da Rússia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Miguel I
Michail I. Romanov.jpg
Governo
Reinado 1613–1645
Antecessor Basílio IV
Sucessor Aleixo I
Casa Real Romanov
Vida
Nome completo Miguel Fyodorovich Romanov
Nascimento 12 de julho de 1596
Moscou
Morte 13 de julho de 1645 (49 anos)
Moscou
Sepultamento Catedral do Arcanjo, Moscou, Rússia
Assinatura Assinatura de Miguel I

Miguel Romanov (em russo: Михаи́л Фёдорович Рома́нов; transl.: Mikhaíl Fyodorovich Románov) (12 de julho de 159613 de julho de 1645) foi o primeiro czar da Rússia da Casa Romanov e filho de Fiódor Romanov.

Pintura de Grigory Ugryumov: a coroa é oferecida a Miguel, com apenas 16 anos de idade, no Monastério de Ipatiev em 1613

Miguel foi eleito por unanimidade czar da Rússia por uma assembleia nacional em 21 de fevereiro de 1613, mas somente em 24 de março que os representantes da assembleia encontraram o tsar, junto à sua mãe no Monastério de Ipatiev, próximo à Kostroma. Marta protestou, alegando que seu filho era muito jovem para tal responsabilidade em tempos tão conturbados. Miguel acabou por aceitar o trono após a súplica de boiardos, que declarararam que se continuasse a negá-lo, seria responsabilizado pela destruição da Rússia.

A capital estava em um estado tão calamitoso que Miguel precisou esperar por algumas semanas no Mosteiro da Santíssima Trindade de São Sérgio, antes que finalmente pudesse se acomodar em Moscou. Foi coroado em 22 de julho. A primeira tarefa do novo czar foi livrar a nação do alto nível de roubos. Teve que lidar depois com a Suécia (tratado de Stolbova, 17 de fevereiro de 1617) e a Polônia, resultando na trégua de Deulino (1 de dezembro de 1618). Um resultado importante de tal trégua foi o retorno do pai do czar, que estava no exílio. A partir de então, seu pai passou a dirigir o governo até a sua morte, enquanto que Miguel ficou em uma posição de subordinado.

Casou-se duas vezes, primeiramente com Maria Vladimirovna Dolgorukova (1624), que faleceu quatro meses após o casamento. Depois com Eudoxia Streshneva (1608 — 45), com quem teve dez filhos. Miguel não conseguiu casar a sua filha Irene com o príncipe Waldemar da Dinamarca, pois este recusava em aceitar a ortodoxia. Tal evento o afligiu e acabou contribuindo para a sua morte em 12 de julho de 1645.

Precedido por
Sucessão quebrada devido ao
Tempo de Dificuldades
(trono reclamado por Władysław IV)
precedido por Basílio IV
Czar da Rússia
1613–1645
Sucedido por
Aleixo I