Miguel Paleólogo (general)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sul da Itália em 1156: reconquistas bizantinas em vermelho; território tomado pelo Papado em roxo; territórios remanescentes do Reino da Sicília em verde.

Miguel Paleólogo (em grego: Μιχαήλ Παλαιολόγος; 1156) foi um primeiros membros conhecidos da família Paleólogo, que mais tarde reinaria no Império Bizantino. Segundo João Cinamo havia sido exilado por João II Comneno (r. 1118-1143), porém foi chamado de volta por Manuel I Comneno (r. 1143-1180). Ainda segundo Cinamo, diz-se que Miguel encontrou-se com os cruzados em Sérdica (atual Sófia) e foi um enviado de Manuel ao rei Luís VII da França (r. 1137-1180) quando este cruzou o Danúbio.[1]

Em 1150, foi enviado para levantar um exército entre os povos da região de Ancona para uma tentativa de recuperar o antigo thema da Longobardia. Na primavera de 1155, o conde Roberto III de Loritello, um rebelde contra o rei da Sicília Guilherme, o Mau (r. 1156-1166), negociou o apoio de Manuel. No mesmo ano, Miguel Paleólogo e João Ducas, após serem nomeados sebastos,[2] foram enviados para Ancona para negociar uma aliança com o imperador Frederico Barbarossa (r. 1152-1190), porém esta expedição diplomática não trouxe resultados satisfatórios, uma vez que Frederico retornou para a Germânia.[3] Mesma sem auxílio do Império Ocidental, os bizantinos iniciaram sua investida. Vieste foi a primeira cidade a cair, mas a importante Trani resistiu à rendição até Bari ser subornada a abrir os portões de sua cidadela uma semana depois. Então, não só Trano, mas Giovinazzo e Ruvo renderam-se para as forças bizantinas. Ricardo de Andria foi morto em batalha e Andria também submeteu-se. O exército imperial moveu-se para sitiar Bosco, onde derrotou um exército real. Após Miguel adoecer e morrer em Bari, a campanha moveu-se para sul onde Montepeloso, Gravina e mais cinquenta aldeias renderam-se e Monopoli assinou uma trégua.[4]

Referências

  1. A. ORIGINS (em inglês). Página visitada em 15-09-2013.
  2. Birkenmeier 2002, p. 114
  3. Magdalino 2002, p. 59
  4. Matthew 1992, p. 268

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Birkenmeier, John W.. The Development of the Komnenian Army. [S.l.]: BRILL, 2002. ISBN 9004117105