Miller's Crossing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miller's Crossing
Miller's Crossing
História de Gângsters (PT)
Ajuste Final (BR)
Millerscrossingposter.jpg
 Estados Unidos
1990 • cor • 115 min 
Direção Joel Coen
Roteiro Joel Coen / Ethan Coen
Elenco Gabriel Byrne
Albert Finney
Marcia Gay Harden
John Turturro
Género drama
Idioma inglês

Miller's Crossing (br: Ajuste Final / pt: História de Gangsters) é um filme estadunidense de 1990, dirigido por Joel Coen, com direção não-creditada do seu irmão Ethan.

No início, o filme foi um total fracasso de bilheteria, tendo devolvido apenas cinco milhões de dólares do seu orçamento original de 14 milhões[1] . Parte do seu fracasso é devido, talvez, ao senso de humor estranho da dupla de diretores, ou talvez pelo fato de ter estreado no mesmo dia de Os Bons Companheiros, de Martin Scorsese.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

SPOILER (ESTE TEXTO FAZ REVELAÇÕES SOBRE O ROTEIRO)

O filme conta a história de Tom Ragen, "um homem que consegue ver a situação por todos os ângulos". Certo dia o bookmaker Johnny Caspar pede para Leo, chefe de Tom, que um homem, Bernie Bernbaum, seja morto, entretanto Leo nega. Esta pequena situação estoura em uma guerra entre os gangsteres da cidade de Chicago, e Tom, junto com sua amada Verna, irmã de Bernie, também cobiçada por Leo, estão bem no meio dela.

Produção[editar | editar código-fonte]

Ao início os Coen tiveram um forte bloqueio criativo, que os impediu completamente que a escrita roteiro, muito por causa da trama intrincada e densa. Como tentativa para resolver este problema, os dois se debruçaram nos livros do autor noir Dashiell Hemmett, principalmente nas obras "Red Harvest" e "Glass Key". Como o writer's block persistia, os dois largaram esta história e então partiram para outro roteiro. Barton Fink.

Com o roteiro de Barton Fink finalizado, eles voltaram à escrita de Miller's Crossing. Ao final eles entregaram os escritos para a Circle Filmes, onde receberam um orçamento de 14 milhões de dólares (apesar dos Irmãos Coen dizerem que receberam apenas 10 milhões).

Originalmente o intérprete de Leo seria Trey Wilson, que interpretou Nathan Arizona no clássico da comédia Raising Arizona, também dos irmãos Coen. Todavia, Trey sofreu uma hemorragia cerebral e morreu dois dias antes das filmagens começarem. Albert Finney substituiu-o.

As filmagens foram realizadas na cidade de Nova Orleans, no estado da Louisiana. Segundo Joel Coen, o lugar era perfeito para servir de locação. Ele diz: "A cidade preserva muito da arquitetura de 1929. Há coisas aqui que não foram mudadas em sessenta anos. De certa forma Orleans é uma cidade depressiva."

Recepção[editar | editar código-fonte]

Apesar do fracasso de bilheteria original, o filme foi bastante rentável nas vendas e aluguéis de DVD e VHS. Em sites agregadores de críticas, como o Rotten Tomatoes, o filme recebeu um percentual de 90% de aprovação da crítica. O crítico brasileiro Pablo Villaça, do site Cinema em Cena diz que este é "um dos melhores trabalhos dos Coen."[2] Sobre a atuação de John Turturro, Peter Travers, da Rolling Stone, escreveu que esta é a sua melhor atuação[3] .

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]