Minúsculo 617

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuscritos do Novo Testamento
PapirosUnciaisMinúsculosLecionários
Minúsculo 617
Texto Novo Testamento, exceto os Evangelhos
Data século XI
Escrito grego
Agora está Biblioteca Marciana
Tamanho 30 cm por 23 cm
Tipo misto
Categoria nenhuma

Minúsculo 617 (numeração de Gregory-Aland), O 13 (von Soden) é um manuscrito minúsculo grego do Novo Testamento, em folhas de pergaminho, datado paleograficamente como sendo do século XI[1] . O manuscrito está repleto de lacunas e ele foi numerado por Tischendorf como 140a, 215p e 74r[2] .

Atualmente acha-se no Biblioteca Marciana (Gr. Z. 546 (786)), em Veneza[1] .

Descrição[editar | editar código-fonte]

O códice contem o texto do Novo Testamento (exceto os Evangelhos) em 164 folhas de pergaminho (tamanho 30 cm por 23 cm), com duas grandes lacunas (Atos 1:8-29:12; Gálatas 2:21-1 Timóteo 4:10). Elas foram preenchidas por duas mãos diferentes, em papel, no século XIII. O texto está escrito em duas colunas por página, com 31 linhas cada[1] .

Ele contém prolegomena, στιχοι, algumas notas em Atos e diversas nas epístolas[3] . Ele contém também o aparato eutaliano, mas incompleto[3] e o texto das epístolas está rodeado por uma cátena. O Apocalipse de João está comentado[2] .

O códice contém também o tratado de Pseudo-Doroteu sobre os doze apóstolos e os setenta discípulos de Jesus (como também os minúsculos 82, 93, 177, 459, 613 e 699)[3] .

A ordem dos livros é: Atos, epístolas paulinas, epístolas católicas e o Apocalipse de João[3] . A Epístola aos Hebreus aparece depois de Filêmon[3] .

Texto[editar | editar código-fonte]

Kurt Aland não classificou o texto em nenhuma categoria[4] .

História[editar | editar código-fonte]

O manuscrito pertencia ao metropolitano de Éfeso, Neófito, em 1481 d.C. Ele foi comprado pela biblioteca em "Gallicio" em 1624[3] .

Ele foi adicionado à lista dos manuscritos do Novo Testamento por Johann Martin Augustin Scholz. Gregory viu o manuscrito em 1886[3] . O texto do Apocalipse foi estudado por Herman C. Hoskier[5] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c ALAND, Kurt; M. Welte, B. Köster, K. Junack. Kurzgefasste Liste der griechischen Handschriften des Neues Testaments (em <código de língua não-reconhecido>). Berlin, New York: Walter de Gruyter, 1994. p. 83. ISBN 3110119862.
  2. a b Scrivener, Frederick Henry Ambrose; Edward Miller. A Plain Introduction to the Criticism of the New Testament (em <código de língua não-reconhecido>). 4. ed. London: George Bell & Sons, 1894. p. 294. vol. 1.
  3. a b c d e f g Gregory, Caspar René. Textkritik des Neuen Testaments. Leipzig: [s.n.], 1900. p. 276. vol. 1.
  4. ALAND, Kurt; Barbara Aland;. In: Erroll F. Rhodes (trad.). The Text of the New Testament: An Introduction to the Critical Editions and to the Theory and Practice of Modern Textual Criticism (em <código de língua não-reconhecido>). Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1995. p. 139. ISBN 978-0-8028-4098-1.
  5. Herman C. Hoskier, Concerning the Text of the Apocalypse: Collation of All Existing Available Greek Documents with the Standard Text of Stephen’s Third Edition Together with the Testimony of Versions, Commentaries and Fathers. 1 vol. (London: Bernard Quaritch, Ltd., 1929), pp. 238-239.