Ministério dos Negócios Estrangeiros (França)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
[[Ficheiro:|50px|center]]
Ministère des Affaires étrangères et du Développement international
Quai d'Orsay 37, Paris, 7e
www.diplomatie.gouv.fr
Criação 1547: Secrétaire d'État aux Affaires étrangères, 1789 : ministère des Affaires étrangères
Marianne du ministère des Affaires étrangères 400.jpg
Atual ministro Laurent Fabius
Atual secretário Harlem Désir
Annick Girardin
Matthias Fekl
Orçamento 5,39 milhões (2013)

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Desenvolvimento Internacional da França (em francês: Ministère des Affaires étrangères et du Développement international), tem sede localizada no Quai d'Orsay em Paris, próximo à Assembleia Nacional Francesa.

Designações[editar | editar código-fonte]

O Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Desenvolvimento Internacional é o gabinete responsável pelas relações exteriores da França. "Quai d'Orsay" é frequentemente utilizado como uma metonímia para o ministério como também simplesmente "Le Quai". Parte da administração central do ministério está localizada em Nantes.

Laurent Fabius foi Ministro dos Negócios Estrangeiros do 16 de Maio de 2012 a 31 março de 2014, ele continua a ser Ministro dos Negócios Estrangeiros e Desenvolvimento Internacional desde do 2 de abril de 2014. Harlem Désir, Annick Girardin, Matthias Fekl são secretários de Estado, responsáveis ​, respectivamente, para os Assuntos Europeus (desde do 9 de abril de 2014), Desenvolvimento e Francofonia (desde a mesma data ) e de comércio exterior, promoção do turismo e das Comunidades Francesas no estrangeiro (desde do 04 de setembro de 2014 )[1] .

História[editar | editar código-fonte]

A organização da Secretaria de Estado criado no século XVIII, secretários do Rei tornaram-se especializados, escrevendo correspondências para governos estrangeiros, bem como para negociar tratados de paz. Os quatro Secretários de Estado franceses, que tinham as relações externas divididas por região em 1589, tornaram-se centralizados, sendo que um deles se foi incumbido a ser o primeiro-secretário, responsável pelas relações internacionais.

A posição de Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros do Antigo Regime foi transformada em ministro dos Negócios Estrangeiros em torno de 1723, [2] e foi renomeada para Ministro dos Negócios Estrangeiros em 1791, após a Revolução Francesa. Os consulados que eram administrados pelo Departamento da Marinha, passaram a fazer parte do Departamento dos Assuntos Estrangeiros em 1793. Todos os cargos ministeriais foram abolidos em 1794 pela Convenção Nacional e reestabelecidos pelo Diretório.

O século XX assistiu ao desenvolvimento da administração central do Ministro dos Negócios Estrangeiros e do surgimento de serviços relacionados com as novas realidades da política internacional, como a criação do departamento cultural do Quai d'Orsay. Sob a Quinta República foi criado um Ministério de Assuntos Europeus.

Durante dois breves períodos da história, o Ministério dos Negócios Estrangeiros foi nomeado Ministério das Relações Externas de 1794 a 1814 et de 1981 a 1986 sob a Ministério de Claude Cheysson e de Roland Dumas.

Missões e responsabilidades[editar | editar código-fonte]

As atribuições do Ministério dos Negócios Estrangeiros são[3] :

  • A informações do Presidente da República e do Governo sobre a evolução da situação internacional e da situação de Estados estrangeiros, por meio de correspondência de carácter político, econômico, cultural ou à cooperação enviado a Paris pelas embaixadas da França ( embaixadas e consulados );
  • Os projetos da ampla política externa da França;
  • A liderança e coordenação das relações internacionais (representação de governos estrangeiros, negociações diplomáticas, a assinatura de acordos e qualquer abordagem internacional em nome da França ) e, portanto, as ações de outros departamentos do lado de fora ;
  • A protecção os interesses franceses no exterior e a ajuda os cidadãos franceses fora do seu território por meio dos consulados .

Referências