Minsk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Minsk
Acima, da esquerda para a direita: Catedral do Espírito Santo e Catedral de Santa Virgem MariaNo meio: Portão de Minsk, na Praça da Estação e Casa de Governo da República da Bielorrússia Abaixo: Panorama da Praça da Independência.
Acima, da esquerda para a direita: Catedral do Espírito Santo e Catedral de Santa Virgem Maria
No meio: Portão de Minsk, na Praça da Estação e Casa de Governo da República da Bielorrússia
Abaixo: Panorama da Praça da Independência.
Bandeira oficial de Minsk
Brasão oficial de Minsk
Bandeira Brasão
Coordenadas 53° 54' N 27° 34' E
País  Bielorrússia
Voblast Voblast de Minsk
Área  
  Total 348,84[1] km²
População  
  Cidade (2013) 1 917 344[2]
    Densidade   5.496/km²
  Metro 2 646 000
Website: www.minsk.gov.by/

Minsk, ou Minsque[3] [4] [5] (em bielorrusso Мінск, em polaco Mińsk e em russo Минск), é uma cidade da Bielorrússia, capital e maior cidade do país e sede da Comunidade de Estados Independentes (CEI). Como capital, Minsk tem estatuto administrativo especial, além de ser também a capital do voblast (província) de Minsk. A cidade está situada junto aos rios Svislach e Niamiha, a 53°55′ N 27°33′ E. Sua população é de cerca 1,8 milhão de habitantes.

História[editar | editar código-fonte]

Diz uma lenda que um gigante chamado Menesk ou Mincz tinha um moinho nas margens de um rio próximo à cidade. Ele costumava triturar pedras para fazer pão e alimentar seus guerreiros. É mais provável, porém, que nome "Minsk", também conhecido como Mensk ou Miensk, seja originário do rio Menka (situado 20 km do atual centro da cidade), e não do nome deste gigante lendário.

Por volta do século X, o príncipe Rahvalod (Ragnvald, em norueguês), de origem vikings, governou um principado chamado Polotsk, que incluía a atual região de Minsk. O primeiro registro do nome Minsk data de 1067, quando uma sangrenta batalha entre o principado de Polotsk e o principado de Kiev ocorreu junto às margens do rio Niamiha.

Em 1326 Minsk tornou-se parte do grão-ducado da Lituânia, um estado bielorrusso-lituano que, após a União de Lublin, em 1569, passou a fazer parte da Comunidade Polono-Lituana. Minsk recebeu foros de cidade em 1499. De 1569 em diante, foi capital do ducado de Mińsk, na Comunidade Polaco-Lituana.

Em 1655 Minsk foi conquistada pelo tsar Aleixo I da Rússia, mas logo foi recuperada por João Casimiro, Rei da Polônia (1648-1668). Foi finalmente anexada pela Rússia em 1793 como conseqüência da Segunda Partilha da Polônia.

No século XIX a cidade cresceu sob o domínio russo, tornando-se um importante entroncamento ferroviário. Em 1897 a cidade tinha 91.494 habitantes, aproximadamente um terço dos quais judeus.

Prefeitura de Minsk e estátua de Vladimir Lênin.

Em 1919, e novamente em 1920, a cidade foi controlada pela Segunda República Polonesa, durante a guerra entre a Polônia e os bolcheviques. Mais tarde, foi ocupada pelos russos soviéticos nos termos do Tratado de Paz de Riga, e tornou-se a República Socialista Soviética da Bielorrússia, uma das 15 repúblicas que compunha a URSS.

Durante os anos de 1919 a 1991 Minsk foi capital da República Socialista Soviética da Bielorrússia. A região de Minsk tornou-se um centro do movimento de guerrilha soviético durante a Grande Guerra Patriótica (nome dado pelos soviéticos à sua participação na Segunda Guerra Mundial), e assim Minsk recebeu o título comunista de "cidade heróica" em 1974. Durante a guerra a cidade foi quase inteiramente destruída, e uns poucos edifícios históricos permaneceram de pé. A maioria das igrejas foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial e nos anos seguintes, por autoridades comunistas. Poucas restam de pé, por exemplo a Igreja Católica do Calvário.

A cidade cresceu rapidamente após a Segunda Guerra Mundial, assim as vilas próximas tornaram-se "mikrorayons", ou seja, distritos de apartamentos densamente construídos. Depois do desastre de Chernobyl, algumas populações desalojadas das áreas afetadas mudaram-se para Minsk, particularmente junto aos "mikrorayons" de Malinauka e Shabany. Fora de seus limites fica a Floresta de Kurapaty, próxima ao anel viário da cidade, num local onde, entre 1937 e 1941, milhares de bielorrusoss foram mortos por autoridades comunistas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem da cidade vista do espaço.

A cidade está localizada na encosta sudeste do Minsk Hills, tendo origem morena. Minsk foi formada durante a glaciação Sozh. A cidade está 200 metros acima do nível do mar.[6]

A parte mais alta de Minsk, 283 metros, dar-se-á na rua Leszczynski, na região oeste da cidade, entre as ruas Timirjazeva e Kharkiv.[6] O ponto mais baixo, 181,4 metros, está localizado na parte sul-leste da cidade, em uma planície de inundação, no bairro Svislochi Chizhovka.[6]

Em 26 de março de 2012, a área total de terras nos limites da cidade de Minsk era de 34,884,43 hectares (348,84 km²). Em 31 de dezembro de 2006, a cidade possía 306,68 km². O limite territorial de Minsk e das cidades da região de Minsk são determinadas com base no Decreto Presidencial de 22 de novembro de 2007, que já transferiu 0,05 km² da área de cidades vizinhas à Minsk para a capital, devido ao crescimento urbano.[7] Outros 1,17 km², do território da região de Smolevichsky, foram foram transferidos para os limites da cidade de Minsk pelo Decreto do Presidente da República da Bielorrússia de 21 de julho de 2008, que trata sobre a mudança dos limites de Minsk e Smolevichsky.[8] A última alteração feita nos limites territoriais de Minsk ocorreu em 2012, após a assinatura do Decreto do Presidente da República da Bielorrússia nº 141, de 26 de Março de 2012, tratando sobre a mudança dos limites da cidade da região de Minsk, segundo a qual o território da cidade aumentou 40,95 km².[9] Levando em conta estas alterações, a área territorial de Minsk cresceu cerca de 30,71% nos últimos anos, ou 107,14 km².[9] A área urbana da cidade corresponde a 241,70 km², ou 69,29% da área da cidade.[9]

Clima[editar | editar código-fonte]

Assim como na maior parte da Bielorrússia, o clima de Minsk é moderadamente continental, recebendo influência significativa do ar do mar Atlântico. A precipitação média anual é de 700 milímetros. Os verões são quentes, mas não úmidos. A temperatura média em julho é de 18,5 °C. Os invernos são suaves, com degelos freqüentes, sendo que a temperatura média em janeiro é de -4,5 °C. Nos últimos anos tem havido uma clara tendência para um aumento da temperatura no estação do inverno. Em geral, a temperatura média anual de Minsk é de 6,7 °C, a velocidade média do vento é de 2,4 m/s e a umidade média anual é de 77%.

Demografia[editar | editar código-fonte]

O censo bielorrusso de 2009 indicou uma população de 1 836 808 habitantes em Minsk. Em 2013, de acordo com estimativas, o total de habitantes passou para 1 917 344 pessoas.[2]

De 2005 a 2012, a taxa de natalidade aumentou entre 9,4% e 12%, a cada 1.000 nascidos vivos.[2] Em 1990, esse percentual representava 14,4% do total de nascidos vivos. No mesmo período, taxa de mortalidade infantil diminuiu entre 9,6% e 9,2% a cada 1.000 nascidos vivos, e a taxa global de crescimento natural da população aumentou entre 0,2% e 2,8%, desde 1990.[10] [11] A expectativa de vida da população aumentou em relação ao mesmo período, passando de 72,3 anos (67 para os homens e 77,2 para as mulheres) para 74,9 anos (69,6 para os homens e 79,4 para as mulheres).[10]

Em 2012, Minsk registrou 15.514 casamentos realizados e 8.121 divórcios, sendo que ambos os indicadores da cidade supera a média das cidades da República da Bielorrússia.[12]

Economia[editar | editar código-fonte]

Minsk é o maior centro econômico da República da Bielorrússia. A receita tributária total representa cerca de metade do total do país.[13] As empresas com maiores contribuições para a economia da cidade, no primeiro trimestre de 2011, foram: "Beltransgaz Lukoil-Belarus", "Minsk Kristall" (fabricantes de bebidas alcoólicas), "Wellcome Mingazov", "Minskenergo", "Beltelecom", "Tabak-Invest", "Oil Eunice" e "Priorbank".[14] [15] Juntas, elas respondiam por 55% das receitas provenientes do setor privado, no determinado período,[15] enquanto no primeiro trimestre de 2010 foram responsáveis ​​por 46,6% das receitas.[14] [16] Em 2010, cerca de 25% das receitas fiscais eram originárias de empresas de pequeno ou médio porte.[17] De acordo com dados do Comitê Nacional de Estatística da República da Bielorrússia, em 2013, o produto interno bruto da cidade é baseado principalmente na indústria de transformação (26,4%), no comércio por atacado (19,9%), setor de transportes e comunicações (12,3%), no comércio a retalho (8,6%) e na construção civil (5,8%).[18] O PIB total da cidade, no mesmo ano, foi de 120.000.000 milhões de rublos (cerca de 12,8 bilhões de dólares).[18]

A cidade é, também, o principal centro industrial do país. Esta foi responsável pela produção de 18,8% dos produtos industriais de toda a Bielorrússia em 2013.[10] Entre as principais indústrias de Minsk, estão a Planta de Tratores (MTZ), que produziu cerca de 8-10% do mercado mundial de tratores de rodas,[10] a MAZ, fabricante de rodas, a MMZ fabricante de motores diesel e a Fábrica de Tratores de Minsk. Na cidade também estão localizadas uma série de empresas de produção de componentes de plantas (mola, engrenagens, etc), plantas de reparação de automóveis, fábricas de bicicletas e uma fábrica de relógios.[10] A indústria de eletrônicos também está relativamente desenvolvida, com fábricas de televisores, leitores de DVD e eletrodomésticos, uma fabricante de geladeiras e eletrodomésticos, fabricantes de rádio-eletrônicos, eletromecânica e eletrotécnicos. Após o colapso da União Soviética, foram criadas novas empresas, como Belkommunmash, hoje um dos maiores produtores de eletrônicos, que foi criado no início da década de 1990, com base na manutenção do bonde.

A indústria alimentar é representada por empresas de destilaria, como a Minsk Kristall. Cervejarias, como a "Krynica" "Aleksandryya", "Kult" e "Olivariya" também estão instaladas na cidade. Várias padarias, fábrica de embalagem de carne e instalação de armazenamento de frio também podem ser encontradas. Empresas produtoras de roupa e vestuário, fabricantes de cosméticos e outras indústrias leves complementam a economia e o setor industrial de Minsk.[10]

Em 2012, as empresa de transporte em Minsk produziram, em particular, 20.000 caminhões, 59.700 tratores, 2.000 ônibus, 172 trólebus, 106 mil motores de combustão interna, 5.900 motocicletas e 166.500 bicicletas.[10] Empresas de elétrica e eletrônica fabricaram 1,3 milhões de refrigeradores e congeladores, 321.000 máquinas de lavar, 531.000 televisores, 15.500 baterias de carro, 35.500 km de cabos de fibra óptica e 1,7 bilhão de circuitos integrados.[10] A indústria leve, no mesmo ano, produziu 543.000 vestuários, 2,6 milhões de pares de calçados, 3,1 milhões de vestuários em lã, 23,5 mil toneladas de carne e miudezas, de 13.700 toneladas de salsichas, 288.000 toneladas de produtos lácteos, 1700 toneladas de queijo e 68 milhões de litros de refrigerantes.[10] Em Minsk, produziu-se 21,5% do total de eletricidade gerada na República da Bielorrússia, 81% caminhões, 13,5% das malhas, calçados 15,9%, 89,3% dos aparelhos de TV, 99% das máquinas de lavar roupa, 39,8% dos medicamentos, 8,7% dos móveis, 16,3% de produtos lácteos, 26,2% de produtos de pastelaria, 27,6% das bebidas destiladas e 18,4% de água mineral e água gaseificada consumida na Bielorússia.[19]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Minsk possui mais de 200 escolas secundárias escolas, mais de 25 escolas de ensino médio, 33 escolas secundárias especializadas,[20] bem como várias escolas de nível primário. No ano letivo de 2012/2013, 273 instituições de educação secundária registraram 160 700 matrículas de estudantes. Outros 37 400 alunos matricularam-se em instituições de ensino secundário profissional.[10]

Na cidade, há 23 instituições de ensino superior de caráter pública,[21] sendo que as principais são a Academia de Direção adjunta, a Universidade Económica do Estado bielorrusso, a Universidade do Estado da Bielorrússia, Universidade Pedagógica do Estado Bielorusso Maxim Tank, a Universidade Técnica Nacional bielorussa, Universidade Estatal Bielorussa de Informática e Radioeletrônica e a Academia de Música do Estado Bielorusso.[21] Outras nove universidades privadas são encontradas na cidade.[22] Entre 2012 e 2013, o número de estudantes de ensino superior na cidade era de 223 900,[10] mais da metade do número total de alunos de nível superior na República da Bielorrússia.[23]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Rodovia M4, próxima aos limites da cidade.

Minsk é o maior centro de transportes na Bielorrússia. Ela está localizada na intersecção de corredores que ligam a Rússia com a Polónia e a Ucrânia, com os Países Bálticos. A distância rodoviária entre Minsk e Moscou é de cerca de 800 quilômetros. A cidade é responsável por cerca de 30% dos serviços de transporte ferroviário de passageiros no país, 20% do transporte rodoviário de mercadorias de importação e 40% do transporte de resíduos sólidos no país. Várias rodovias e estradas fazem parte da malha viária de Minsk, sendo que as principais são: A rodovia M1, fazendo ligação de Minsk com Brest, Orsha e Moscou, capital russa; M2, que liga a área urbana da cidade ao Aeroporto Nacional de Minsk; M3, ligando a cidade à Vitebsk; M4, com destino à Mahilou; M5, que faz ligação entre Minsk e a segunda maior cidade do país, Gomel, no sudeste da Bielorrússia; M6, ligando a cidade à Grodno; P1, que liga Minsk à Dzerzhinsk; P28, ligando a cidade à Maladziechna; P58, levando Minsk à Myadel, e outras estradas locais. O centro da cidade é totalmente cortado pela rodovia M9. Em 2010, foi anunciado a construção de um segundo anel rodoviário, previsto para ser concluído em 2017, possuindo cerca de 158 quilômetros.[24]

Transporte público[editar | editar código-fonte]

A cidade possui uma rede de transportes público bem desenvolvida. Além do Metrô de Minsk, há mais de 167 linhas de ônibus e trólebus e mais de 64 rede de eléctricos. Há um projeto para criar rede de trem na cidade, para atender os subúrbios mais próximos. Três tipos de transporte sobressaem em Minsk: O metrô, ônibus e bonde, que realizam a maior parte do transporte de passageiros. Em 2009, os ônibus transportaram 35,7% de passageiros, o metrô transportou 32,8%, os trólebus transportaram 26,4% e a rede de transporte eléctrico foi responsável pelo transporte de 5,1% dos passageiros da cidade.[25]

A primeira parte do metrô de Minsk foi aberta em 1984, e atualmente a rede consiste de duas linhas, cujas extensões estão atualmente em construção. Além disso, Minsk possui extensas redes de ônibus, trólebus e bondes.

A cidade possui dois aeroportos. O de Minsk-1 fica ao sul do centro da cidade, e atende principalmente aos voos domésticos. Deve ser desativado e tornar-se um distrito residencial no futuro. O outro aeroporto, situado a leste, é o de Minsk-2, e recebe vôos internacionais para a Áustria, Chipre, França, Alemanha, Irlanda Israel, Itália, Polônia, Turquia, Reino Unido e outros países. A estação ferroviária das cidade foi modernizada recentemente.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

O Centro Histórico de Minsk, também chamado de "Minsk antigo", está situado num vale, às margens do Svislochi, cerca de oito metros acima do nível atual do rio.[26] A região de montanha, a Praça da Liberdade e a Praça do distrito Jubileu fazem parte desta área histórica.[26] A estrutura arquitetônica mais importante do Centro Histórico de Minsk é o Castelo de Madeira. Em torno dele foi localizado o unfortified Posad. Todas as estruturas da cidade antiga eram de madeira. A maioria das casas eram de câmara única e apenas algumas tinham dossel.[27] O primeiro edifício de pedra conhecido em Minsk foi a fundação do templo inacabado, na segunda metade do século XI.[27] Construído sobre atípico para os métodos estatais russos antigos, embora o plano arquitetônico do templo é semelhante aos locais de culto da escola de arquitetura.[27] A largura é coberta de madeira, se estendendo por 3-4 metros.[26] Todas as ruas convergem nos portões do castelo. Devido ao solo pantanoso, estruturas de drenagem foram construídas no local.[26]

O formato das ruas de Minsk foi mantid durante muito tempo, mas após um incêndio em 1547, o modelo de ruas e praças foi parcialmente revisto, e o mercado municipal (o único na cidade à época) foi transferido do antigo lugar para as proximidades da Praça da Liberdade, localizado a poucos metros desta.[28] No entanto, as ruas antigas situadas nas regiões de planície da cidade permaneceram intactas até o século XX.[29] A região pantanosa ao norte do Castelo de Madeira manteve-se praticamente desabitada até o século XVI, quando Minsk passou a crescer rapidamente, expandindo-se para o subúrbio.[29] A principal rua da zona norte da cidade, a rua Nyamiha (ou Nemigskaya), permanece com o modelo antigo, originado das rotas comerciais para o oeste.[29] Esta rua costuma ser inundada a cada primavera e outono.[30] Entre os séculos XVI e XVII, a área do Mercado Superior tornou-se densamente povoada, e no início do século XVII, novos limites da cidade foram cercados por uma muralha de barro com baluartes na linha das ruas Romanov Sloboda, Independence Avenue e Kupala.[31]

Parte da estrutura de Minsk foi erguida em madeira. Nos séculos XVII e XVIII, foi construído dois andares em pedra do prédio da prefeitura, bem como vários edifícios religiosos em pedra no estilo barroco: A Igreja Católica da Virgem Maria, em 1709, as igrejas e mosteiros Bernardine Bernardiny (este último transformado na Catedral do Espírito Santo da Igreja Ortodoxa Russa), Igreja Católica São Tomás de Aquino, a Igreja Ortodoxa de São Pedro e São Paulo, a Igreja Uniate do Espírito Santo, entre outras). Como resultado, em 1800 Minsk já possuía 39 construções em pedra e 970 casas de madeira, bem como 48 outros edifícios em outros estilos.[32] Em 1795, a cidade tinha 11 templos de pedra e 6 templos de madeira.[33] O número de construções de prédios da igreja católica começou a cair a partir do fim do século XIX, sendo realizada uma série de reestruturações nas estruturas das igrejas barrocas da Igreja Católica. Em 30 de maio de 1835, houve um grande incêndio em Minsk, o que levou a proibição da construção de casas de madeira no centro da cidade. Devido a isto, uma série de casas construídas em pedra aumentou na cidade, no relativo período. Em 1857, a Câmara Municipal de Minsk foi demolida.[34] Grande parte da terra no centro da cidade pertencia aos nobres, igrejas e mosteiros. No início do século XIX, essas terras eram ocupadas por 62% de todas as casas da cidade.[35] Nesta época, os subúrbios de Sloboda, Komarovka e Radizwill eram de propriedade privada.[35] Em 1841, todas as propriedades do clero clero católico foram confiscadas nestes subúrbios, reduzindo-se o número de mosteiros.[35]

Referências

  1. Государственный комитет по имуществу Республики Беларусь. ГУП «Национальное кадастровое агентство». см. файл «Таблица кадастровых стоимостей земель оценочных зон г. Минск.xlsx»
  2. a b c [http://belstat.gov.by/homep/ru/indicators/regions_current_data/vol_1/11.pdf ДЕМОГРАФИЧЕСКАЯ СИТУАЦИЯ Основные демографические показатели (em português: Situação demográfica - Principais indicadores demográficos)] (em russo) Belstate.gov (2013). Visitado em 10 de janeiro de 2014.
  3. Peixoto da Fonseca, Fernando Venâncio (16 de fevereiro de 2009). A grafia da capital da Ucrânia e a da capital da Bielorrússia Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Visitado em 19 de janeiro de 2012.
  4. Porto Editora. Minsque Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Infopédia – Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Visitado em 18 de janeiro de 2012.
  5. Macedo, Vítor. (Primavera de 2013). "Lista de capitais do Código de Redação Interinstitucional". A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 41): 16. Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. ISSN 1830-7809. Visitado em 23 de maio de 2013.
  6. a b c МЕНСК.BY (Минск), Менскія міты (em russo) Mensk.by (2013). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  7. 22 íî ÿá ðÿ 2007 ã.¹ 584 (PDF) (em bielorrusso) Pravo.by (2007). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  8. 17 èþëÿ 2008 ã.¹ 15 (PDF) (em bielorrusso) Pravo.by (2008). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  9. a b c [http://pravo.by/main.aspx?guid=3871&p0=P31200141 УКАЗ ПРЕЗИДЕНТА РЕСПУБЛИКИ БЕЛАРУСЬ 26 марта 2012 г. № 141 (em português: Decreto Presidencial nº 141 de 26 de março de 2012] (em bielorrusso) Pravo.by (26 de março de 2012). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  10. a b c d e f g h i j k Регионы Ресублики Беларусь — 2013 (em português: Regiões da República da Bielorrússia - 2013) (PDF) (em russo) Comitê Nacional de Estatística da República da Bielorrússia (2013). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  11. Статистический сборник - Статистический ежегодник Республики Беларусь, 2013 (em português: Compêndio de Estatística - Anuário Estatístico da República da Bielorrússia, de 2013) (em russo) Belstate.gov (2013). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  12. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Demografia_de_Minsk_7
  13. Четвертую часть поступлений в бюджет Минска обеспечили (em português: A quarta parte da receita de Minsk) (em russo) Afn by (23 de fevereiro de 2011). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  14. a b Топ-10 крупнейших налогоплательщиков Минска (em português: Top 10 maiores contribuintes em Minsk) (em russo) Bdg by (23 de abril de 2011). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  15. a b Более 55% поступлений в бюджет Минска за первый квартал обеспечено плательщиками негосударственного сектора экономики (em português: Mais de 55% das receitas do primeiro trimestre de contribuintes em Minsk foram fornecidas pelo setor não-estatal) (em russo) Bdg by (23 de abril de 2011). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  16. Минск - основной плательщик НДС (em português: Minsk - o principal contribuinte do IVA) (em russo) Bdg by (26 de janeiro de 2010). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  17. Четверть налоговых поступлений в бюджет Минска пришло от малого бизнеса - Доля налоговых поступлений от малого бизнеса в бюджет столицы в 2010 году составила 25%, сообщил 4 февраля заместитель председателя Мингорисполкома Владимир Колотович. (em português: Receitas fiscais do trimestre em Minsk vieram de empresa de pequeno e médio porte) (em russo) Belarusian Private News Agency (4 de fevereiro de 2011). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  18. a b Социально-экономическое положение Республики Беларусь в январе-октябре 2013. (em português: Situação sócio-económica da República da Belarússia entre janeiro e outubro de 2013) (em russo) Comitê Nacional de Estatística da República da Bielorrússia (2013). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  19. Статистический ежегодник Республики Беларусь, 2013 (em português: Anuário Estatístico da República da Bielorrússia de 2013) (em russo) Comitê Nacional de Estatística da República da Bielorrússia (2013). Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  20. Учреждения образования города Минска государственной формы собственности, обеспечивающие получение среднего специального образования (em português: Instituições de ensino de Minsk por níveis de escolaridade) (em bielorusso) Ministério da Educação da República da Bielorrússia (2012/2013). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  21. a b Министерство образования Республики Беларусь (em português: Lista de universidades públicas) (em bielorusso) Ministério da Educação da República da Bielorússia (2013). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  22. Министерство образования Республики Беларусь (em português: Lista de universidades privadas) (em bielorusso) Ministério da Educação da República da Bielorússia (2013). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  23. Статистический сборник - Статистический ежегодник Республики Беларусь, 2013 (em português: Anuário Estatístico da República da Bielorrússia de 2013) (em bielorusso) Comitê Nacional de Estatística da República da Bielorrússia (2013). Visitado em 9 de janeiro de 2014.
  24. Куда ведет вторая кольцевая (em português: O segundo anel rodoviário) (em russo) Interfax.by (2010). Visitado em 10 de janeiro de 2014.
  25. В минувшем году минчане и гости столицы личным авто и такси чаще предпочитали общественный транспорт (em português: No ano passado, os cidadãos de Minsk e visitantes preferiram carros particulares e táxis à transportes públicos) (em russo) Минский курьер (2 de maio de 2010). Visitado em 10 de janeiro de 2014.
  26. a b c d Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 13
  27. a b c Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 14
  28. Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 68
  29. a b c Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 69
  30. Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 94
  31. Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 70
  32. Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 71-72
  33. Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 73
  34. Улицы города и его архитектура (em português: Ruas da cidade e sua arquitetura) (em russo) Minsk-old-new.com. Visitado em 17 de janeiro de 2014.
  35. a b c Gіstoryya Mіnska. - Minsk: Ciência e Tecnologia, 1967. - S. 92

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Minsk


Divisões administrativas da Bielorrússia Bandeira da Bielorrússia

Províncias: Brest | Homiel | Hrodna | Mahilou | Minsk | | Viciebsk

Capital: Minsk