Mobilidade urbana no município de Maceió

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Aeroviário[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares

Em setembro de 2005, Maceió passou a contar com um dos mais modernos aeroportos do país, o Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, que conta com sistema de co-geração de energia e capacidade para 1,2 milhão de pessoas. O aeroporto foi construído com recursos da Infraero, Governo Federal e Governo Estadual. Os destinos diários diretos (sem escala/conexão) saindo da capital alagoana são: Belo Horizonte (CNF), Fernando de Noronha (FEN), Recife (REC), Salvador (SSA), Aracaju (AJU), Vitória (VIX), São Paulo (GRU), Brasília (BSB), Rio de Janeiro (GIG), Campinas (VCP) e Paulo Afonso (PVA). Além disso, o aeroporto está plenamente habilitado para operar vôos internacionais, o que acontece com maior frequência na temporada de verão. Em 2009, apresentou movimento de mais de 1 milhão passageiros, dos quais mais de 22.000 provenientes de vôos internacionais vindo da Itália, Argentina, Chile,Alemanha, Portugal, Estados Unidos, Inglaterra, França, Espanha entre outros países.[1]

Ferroviário[editar | editar código-fonte]

A linha é antiga, assim como alguns vagões. A passagem, comparada com a de ônibus, é barata e liga o centro de Maceió até Rio Largo, passando pelos bairros históricos de Bebedouro e de Fernão Velho, bem como pelo município de Satuba. Diariamente, o sistema de trens metropolitanos da capital alagoana transporta cerca de 13 mil passageiros (fonte: CBTU). Atualmente, Os trens da Região Metropolitana de Maceió tem a alternatica de transporte os veículos leves sobre trilhos - VLT (ou metrô leve). Maceió é a primeira capital do país a receber esse novo transporte.

O transporte ferroviário de cargas entre Maceió e municípios do interior de Alagoas, interrompido há alguns anos em decorrência de fortes chuvas, está previsto para ser reativado nos próximos meses, com a conclusão da reforma do sistema, ora em curso. Dessa forma, o estado volta a interligar-se, por via férrea, a outros estados nordestinos.

Hidroviário[editar | editar código-fonte]

O Porto de Jaraguá, ou Porto de Maceió, está localizado no bairro de Jaraguá, entre as praias de Pajuçara e Avenida. É administrado pela Companhia Docas do Rio Grande do Norte - CODERN por meio da Administração do Porto de Maceió (ADPM) e tem o maior terminal açucareiro do mundo, além de ser um dos mais movimentados do Nordeste. O porto conta com um arado capaz de operar navios das frotas mais modernas do mundo, do tipo pós-panamax, com cerca de 200 metros de comprimento. Em 2006, o movimento acumulado foi de mais de 3,6 milhões de toneladas.[2]

Rodoviário[editar | editar código-fonte]

A Região Metropolitana de Maceió é cortada por algumas das principais rodovias federais, como as BR-101, BR-316 e BR-104, além de ser ponto de convergência de rodovias estaduais, destaque para a AL-101 Sul (Duplicada até o município de Barra de São Miguel) e AL-101 Norte. Atualmente o governo do estado tem trabalhado pela recuperação da malha asfáltica das rodovias estaduais que se encontram na categoria boa de conservação e sinalização.

Rodoviária de Maceió[editar | editar código-fonte]

O município também conta com uma rodoviária de onde diariamente partem e chegam ônibus oriundos da região metropolitana, interior do estado ou do resto do país. O terminal rodoviário João Paulo II fica situado no bairro do Feitosa e é relativamente bem localizado: Próximo do centro da cidade, orla maritima, orla lagunar, acesso pela AL-101 (Norte e Sul) e próximo das duas BRs que cortam a cidade. É considerada muito confortável, limpa e com serviços básicos e essenciais para quem está deixando a cidade ou chegando a ela, como: Lanchonetes, restaurantes, barbearia, banca de jornais, lan house, lojas de artesanato, conveniência, guichês de informações, atendimento ao turista, guarda-volumes, box da PM, ponto de táxi e de ônibus, entre outros. Hoje é administrada pela Socicam.

Destinos metropolitanos[editar | editar código-fonte]

Destinos Intermunicipais[editar | editar código-fonte]

Destinos Interestaduais[editar | editar código-fonte]

  • Frota de Veículos: 216.174 (automóveis, caminhões, ônibus…) Fonte: DENATRAN, junho de 2011.


Transporte coletivo urbano[editar | editar código-fonte]

Maceió conta com cerca de 730 ônibus (2009) e hoje já existem alguns carros dotados de ar-condicionado, carros articulados e carros com circuladores de ar. Apesar disso, grande parte dos usuários queixa-se da falta de melhores condições dos ônibus em circulação na capital. As empresas de ônibus permissionárias em Maceió são: Real Alagoas, Piedade, Cidade de Maceió, Massayó, São Francisco, Veleiro e Tropical.

Existe um sistema semi-integrado de transporte, constituído por três Terminais de Integração: um localizado no bairro Benedito Bentes, o outro no Conjunto Residencial Colina dos Eucaliptos no bairro do Tabuleiro do Martins e o último no bairro da Rotary. Na prática, a maioria das pessoas que moram longe do trabalho acaba por pagar duas ou mais passagens.

O valor da passagem é alto, R$2,30 (dois reais e trinta centavos), quase chegando ao valor da tarifa no município de Curitiba, que tem um dos melhores sistemas de transporte urbano da América do Sul.

Apesar de só existirem três ciclovias na cidade, uma na beira-mar, outra no polo multissetorial e outra na orla lagunar, a maioria dos moradores da periferia se dirige ao trabalho por meio de bicicletas, andando junto aos carros em vias arteriais como a avenida Fernandes Lima e a Via Expressa. São registrados vários acidentes diários com ciclistas, alguns fatais. A questão da ciclovia também é tratada no plano diretor, que prevê a construção de várias delas entre as principais avenidas da cidade.

Outro problema do transporte urbano em Maceió são os táxis-lotação, que não pagam impostos e concorrem diretamente com as empresas de ônibus, cobram o mesmo preço e aceitam vale-transporte. A atividade é ilegal, mas ainda assim é bastante praticada e aceita pela maioria da população, principalmente pela rapidez no deslocamento comparado ao ônibus.

Não é difícil encontrar táxis na cidade (há cerca de 3000 táxis habilitados), mas a tarifa é uma das mais caras do Brasil. Ao entrar no táxi já se paga três reais, e a maioria da frota é associada a empresas que, na sua maioria, atendem ao cliente via telefone. A maioria dos táxis da cidade está em condição boa ou ótima, devido às facilidades para compra de veículos novos, por parte das vendedoras de automóveis. Linhas especiais de táxi servem o Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares.

Referências

  1. Infraero.
  2. Dados da Adm. do Porto de Maceió