Mocotó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Novembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Veja abaixo, diferentes conteúdos relacionados à "culinária"
Este artigo é parte da
temática Culinária
Técnicas de preparação dos alimentos

Utensílios
Técnicas
Pesos e medidas

Ingredientes e tipos de comida

Especiarias e ervas
Molhos - Sopas
Queijo - Massas
Outros alimentos
Sobremesas

Culinárias

Regionais:
Africana - Asiática
Baiana - Caribenha
Maranhense - Mineira
Mediterrânica - Paraense

Nacionais:
Brasileira - Chinesa
Espanhola - Estadunidense
Francesa - Israelense
Italiana - Japonesa
Libanesa - Mexicana
Norueguesa - Polonesa
Portuguesa - Russa
Sino-indiana - Sino-canadense
Sino-americana

De outras regiões...
Chefs famosos

Veja também

Cozinhas - Refeições
Culinária medieval
Wikilivros: Livro de receitas

O mocotó (no Brasil, palavra originária do quimbundo mukoto, "pata de animal" (Dicionário Houaiss), ou mão-de-vaca (em Portugal), é um prato tradicional baseado em patas cozidas sem casco ou extremidades de bovinos.

História no Brasil[editar | editar código-fonte]

Mocotó do Rio Grande do Sul com diversos acompanhamentos: salsinha, ovo picado, azeitona picada, molho de pimenta, vinho, entre outros.

O prato foi sendo criado no Brasil devido aos seus ingredientes ricos e nutritivos e de baixo custo aproveitados quando do abate de gado tanto nas regiões pecuárias como nos matadouros dos centros urbanos. Este prato tem sua origem bem remota, advindo da tradição portuguesa, que fazia o caldo de mão-de-vaca, sendo é muito conhecida as Tripas à moda do Porto. Na Espanha, por sua vez, um prato semelhante e também muito típico e antigo são os Callos a la madrileña.

No século XIX, na cidade do Rio de Janeiro era anunciado o "caldo de mão de vaca" para a primeira refeição do dia. Esse hábito virou tradição na capital carioca e até hoje é comum os bares e botequins daquela cidade oferecerem o caldo de mocotó em canecas ou pequenas tigelas de porcelana branca.

É comum encontrar outra explicação, sem fundamentação histórica de que, na época das charqueadas, os escravos a faziam para seu sustento, quando as partes do boi desprezadas pelos patrões, como pata, úbere, tripa grossa, e outros pedaços por serem considerados menos nobres, eram recolhidas pelos escravos, que as limpavam e as colocavam a ferver. Esse tipo de explicação popular também às vezes, da mesma forma se refere à criação da feijoada brasileira.

A receita básica do mocotó leva, além do mocotó cozido, pedaços de linguiça, feijão branco, ovos cozidos picados, tempero verde e outros ingredientes, como pimenta malagueta, toucinho e azeitonas.

No Rio Grande do Sul, o mocotó é especialmente saboreado no inverno, em virtude de ser um prato quente, com grande fonte de calorias e ideal para as temperaturas baixas da região sul do país. Uma característica do mocotó gaúcho é que além da pata bovina é acrescido de dobradinha (mondongo, no Rio Grande do Sul) como elemento fundamental do prato, além de tripa (intestino) e a coalheira (um dos estômagos bovinos).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.