Moda Italiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A Itália, juntamente com a França, são os principais polos de design de roupas e acessórios no mundo. Não é por um acaso que a moda sempre teve um papel ímpar na cultura e na sociedade italiana, sendo os italianos conhecidos mundialmente por seu modo aprimorado de se vestir. Isso faz referência ao que eles próprios chamam de "La Bella Figura", que significa "causar uma boa impressão".

O design na Itália remonta os séculos XI-XVI, quando o desenvolvimento artístico do país estava em seu grau máximo, sendo a Itália a grande referência cultural européia nessa época. Cidades como Veneza, Florença, Milão e Vicenza começaram a produzir sapatos, chapéus, cosméticos, joalheria e ricos tecidos. Durante os séculos XVII-XX a Itália perde força, passando a França ser a grande referência cultural do continente. Entretanto desde 1951-1953 a chamada Escola Italiana, inicialmente, sob o comando de Giovanni Battista Giorgini em Florença, começou a competir com a alta costura francesa. Casas como Gucci e Salvatore Ferragamo começam a competir com as francesas Dior e Chanel.

Atualmente Milão é considerada a capital da moda mundial, ocupando a 1ª posição no ranking divulgado em 2009 pela Global Language Monitor, Roma ocupa a 4ª posição. Entre as cidades que competem anualmente por essa posição estão Paris, Nova York, Londres e Tóquio.

Entre as grandes marcas italianas de hoje podemos destacar: Gucci, Giorgio Armani, Ermenegildo Zegna, Emilio Pucci, Valentino, Prada, Dolce & Gabbana, Salvatore Ferragamo, Roberto Cavalli, Trussardi, Versace, Krizia, Etro, Miu Miu, Laura Biagiotti, Max Mara, Fendi, Moschino, Missoni, Brioni, Luxottica, Bulgari e Tod's.

See also[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]