Moeda de um real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A moeda de um real entrou em circulação em 1 de julho de 1994, quando do lançamento do novo padrão monetário por ocasião do Plano Real. Desde 2006 a moeda vem substituindo a cédula de um real, que deixou de ser produzida em 2005.[1]

1ª família (1994-1997)[editar | editar código-fonte]

Moeda de 1 Real da primeira geração.png
Moeda de 1 real da 1ª geração (verso).png
Cara e coroa da primeira moeda de real

A moeda de 1 real dessa família foi cunhada apenas em 1994, coexistindo com a cédula de um real, de mesmo valor facial. Em 23 de dezembro de 2003 essa moeda foi retirada de circulação, devido ao alto índice de falsificação.

Diâmetro
(mm)
Peso
(g)
Espessura
(mm)
Bordo Material
24,0 4,27 1,20 liso Aço inoxidável

Anverso[editar | editar código-fonte]

Efígie da República, dístico BRASIL e ramos de louro estilizados.

Reverso[editar | editar código-fonte]

Valor facial, dístico "REAL", ano de cunhagem e ramos de louro estilizados.

2ª família (1998-hoje)[editar | editar código-fonte]

Brasil_coin_1_real-2.jpg
Brasil_coin_1_real.jpg
Cara e coroa da segunda moeda de real

Em 1 de julho de 1998 foi lançada a 2ª família de moedas, que representou uma grande mudança estilísticas nas moedas do padrão. A nova moeda de 1 real apresenta como peculiaridade o fato de ser composta de dois materiais distintos, com um núcleo prateado (disco interno) e um anel dourado (disco externo). O bordo apresenta segumentos alternados lisos e serrilhados.

Inicialmente, o anel dourado era feito de alpaca e o núcleo de cuproníquel. Contudo, devido a um aumento significativo no preço dos materiais utilizados na fabricação, a alpaca foi substituída por aço revestido de bronze (mesma composição da moeda de dez centavos) e o cuproníquel por aço inoxidável (como ocorreu com as moedas de cinquenta centavos) nas moedas cunhadas a partir de 2002. As alterações no aspecto físico foram pouco significativas, no tocante à tonalidade e brilho, e ao peso ligeiramente inferior. Em 2000 e 2001 não houve cunhagem de moedas de 1 real, em virtude dos problemas de custos de fabricação acima mencionados.

Período Diâmetro
(mm)
Peso
(g)
Espessura
(mm)
Bordo Material (núcleo) Material (anel dourado)
1998-2001 27,00 7,84 1,95 liso e serrilhado Cuproníquel Alpaca
2002-hoje 27,00 7,00 1,95 liso e serrilhado Aço inoxidável Aço revestido de bronze

Anverso[editar | editar código-fonte]

Efígie da República à direita do núcleo prateado e transpassando para o anel dourado. Referência às raízes étnicas brasileiras no anel dourado, representada pelo grafismo encontrado em cerâmicas indígenas de origem marajoara. Legenda "BRASIL" no anel dourado.

Reverso[editar | editar código-fonte]

No anel dourado, a repetição do grafismo indígena marajoara. No núcleo prateado, esfera sobreposta por uma faixa de júbilo, que, com a constelação do Cruzeiro do Sul, faz alusão ao Pavilhão Nacional, e os dísticos correspondentes ao valor facial e ao ano de cunhagem.

Anversos comemorativos[editar | editar código-fonte]

Coroa celebrando o centenário de Juscelino Kubitschek
Coroa celebrando o centenário de Juscelino Kubitschek
Coroa celebrando os 40 anos do Banco Central do Brasil
Coroa celebrando os 40 anos do Banco Central do Brasil
  • Em 1998, foi cunhada uma edição limitada de 600 mil unidades da moeda de R$1, comemorando os 50 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. No verso, um motivo com uma figura humana, representativa do logomarca oficial do evento, e o globo terrestre.[2] Por sua raridade, o valor entre colecionadores chega a R$ 40.[3]
  • Em 2002, uma moeda celebrando o centenário de nascimento de Juscelino Kubitschek (JK) (1902-1976) tinha no verso a efígie do ex-presidente e os pilares na entrada do Palácio da Alvorada no anel dourado. Teve 50 milhões de unidades cunhadas.[4]
  • Em 2005, uma moeda celebrava os 40 anos do Banco Central do Brasil com um desenho inspirado na logomarca do banco. Teve 40 milhões de unidades cunhadas.[5]
  • Em 2012, para celebrar a entrega da Bandeira Olímpica ao Brasil após o encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012, foi cunhada uma versão da moeda de um real estampando no verso a bandeira olímpica e a logomarca dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016, que serão no Rio de Janeiro. Das cerca de 2 milhões de moedas produzidas, uma parte foi comercializada em embalagens especiais para colecionadores, por R$ 9,50.[6]

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre numismática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.