Molibdênio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde julho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Pix.gif Molibdênio Stylised Lithium Atom.svg
NióbioMolibdênioTecnécio
Cr
  Cubic-body-centered.png
 
42
Mo
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Mo
W
Tabela completaTabela estendida
Aparência
cinza metálico


Fragmento de cristal de molibdênio de pureza 99,99%, e um cubo monocristal de 1 cm3 de alta pureza (99,999%) para comparação.
Informações gerais
Nome, símbolo, número Molibdênio, Mo, 42
Série química Metal de transição
Grupo, período, bloco 6B, 5, d
Densidade, dureza 10280 kg/m3, 5,5
Número CAS 7439-98-7
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica 95,96 u
Raio atómico (calculado) 139 pm
Raio covalente 154±5 pm
Raio de Van der Waals pm
Configuração electrónica [Kr] 5s1 4d5
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 13, 1 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 6, 5, 4, 3, 2, 1, -1, -2 (óxido ácido forte)
Óxido
Estrutura cristalina cúbica centrada no corpo
Propriedades físicas
Estado da matéria sólido
Ponto de fusão 2896 K
Ponto de ebulição 4912 K
Entalpia de fusão 37,48 kJ/mol
Entalpia de vaporização 598 kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor 1 Pa a 2742 K
Velocidade do som m/s a 20 °C
Classe magnética
Susceptibilidade magnética
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie  K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling) 2,16
Calor específico 250 J/(kg·K)
Condutividade elétrica S/m
Condutividade térmica 138 W/(m·K)
Potencial de ionização 684,3 kJ/mol
2º Potencial de ionização 1560 kJ/mol
3º Potencial de ionização 2618 kJ/mol
4º Potencial de ionização 4480 kJ/mol
5º Potencial de ionização kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
92Mo 14,84% estável com 50 neutrões
93Mo sintético 4×103 a ε - 93Nb
94Mo 9,25% estável com 52 neutrões
95Mo 15,92% estável com 53 neutrões
96Mo 16,68% estável com 54 neutrões
97Mo 9,55% estável com 55 neutrões
98Mo 24,13% estável com 56 neutrões
99Mo sintético 65,94 h β

γ
0,436, 1,214
0,74, 0,36, 0,14
99mTc
100Mo 9,63% 7,8×1018 a 2β 3,04 100Ru
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

O molibdênio (português brasileiro) ou molibdénio (português europeu) (do grego molybdaina, chumbo) é um elemento químico de símbolo Mo de número atômico 42 (42 prótons e 42 elétrons) e de massa atómica igual a 96 u. Na temperatura ambiente o molibdênio encontra-se no estado sólido. É um metal de transição encontrado no grupo 6 (6B) da Classificação Periódica dos Elementos. Foi descoberto em 1782 pelo sueco Peter Jacob Hjelm. É um elemento químico essencial sob o ponto de vista biológico, e na industria é muito usado na forma de ligas metálicas, principalmente no aço.

Características principais[editar | editar código-fonte]

O molibdênio é um metal de transição. O metal puro é de coloração branco prateado e muito duro; além disso, tem um dos pontos de fusão mais altos entre todos os elementos puros. Em pequenas quantidades, é aplicado em diversas ligas metálicas de aço para endurecê-lo e torná-lo resistente à corrosão. Por outro lado, o molibdênio é o único metal da segunda série de transição cuja essencialidade é reconhecida do ponto de vista biológico; é encontrado em algumas enzimas com diferentes funções, concretamente em oxotransferases (função de transferência de elétrons ), como por exemplo a xantina oxidase, e na nitrogenase (função de fixação de nitrogênio molecular ).

Aplicações[editar | editar código-fonte]

  • Aproximadamente dois terços do molibdênio consumido é sim empregado em ligas metálicas. O uso deste elemento remonta da Primeira Guerra Mundial, quando houve uma forte demanda de wolfrâmio, que começou a escassear, e havia necessidade de aços muito resistentes. O molibdênio passou a ser usado na produção de ligas de alta resistência, que suportassem bem temperaturas elevadas e resistissem à corrosão. Estas ligas são usadas na construção de peças para aviões e automóveis.
  • O molibdênio é usado como catalisador na indústria petroquímica. É útil para a eliminação do enxofre.
  • O 99Mo é empregado na indústria de isótopos nucleares.
  • É empregado em diversos pigmentos (com coloração alaranjada) para pinturas, tintas, plásticos e compostos de borracha.
  • O dissulfeto de molibdênio (MoS2 ) é um bom lubrificante e pode ser empregado em altas temperaturas.
  • O molibdênio pode ser empregado em algumas aplicações eletrônicas, como nas telas de projeção do tipo TFT.
  • Na forma de fios podem ser utilizados para usinagem por eletroerosão de corte a fio (fast-cut).

História[editar | editar código-fonte]

O molibdênio não é encontrado livre na natureza e seus compostos foram confundidos com compostos de outros elementos (carbono e chumbo ) até o século XVIII. Em 1778 Carl Wilhelm Scheele reagiu o mineral molibdenita (MoS2 ) com ácido nítrico obtendo um composto com propriedades ácidas que chamou de "acidum molibdenae" (a palavra molibdênio provém do grego "molybdos" que quer dizer como o chumbo, pois era confundido com este elemento ). Em 1782 Hjelm isolou o metal impuro mediante a redução do composto anterior com carbono. O molibdênio foi usado muito pouco, apenas em laboratório, até finais do século XIX, quando uma empresa o empregou como agente ligante e observou as boas propriedades destas ligas contendo molibdênio.

Obtenção[editar | editar código-fonte]

A principal fonte de molibdênio é o mineral molibdenita (MoS2 ). Também pode ser encontrado em outros minerais como na wulfenita (PbMoO4) e na powellita (CaMoO4). O molibdênio é obtido da mineração de seus minerais e como subproduto da mineração do cobre; estando presente nos minérios entre 0.01 e 0.5%. Aproximadamente a metade da produção mundial de molibdênio se localiza nos Estados Unidos.

Papel biológico[editar | editar código-fonte]

É o único elemento da segunda série de transição cuja essencialidade é reconhecida. O molibdênio é encontrado na natureza na razão de partes por milhão (ppm). É encontrado numa quantidade importante na água do mar na forma de molibdatos (MoO42-), e os seres vivos podem absorvê-lo facilmente desta forma.

O molibdênio se encontra no chamado cofator de molibdênio (coMo) em diferentes oxotranserases, com a função de transferir átomos de oxigênio da água (H2O) que por sua vez produz a transferência de dois elétrons. Algumas das enzimas que contém este cofator são a xantina oxidase que oxida a xantina a ácido úrico, a aldeído oxidase que oxida aldeídos, assim como aminas e sulfetos no fígado, a sulfito oxidase que oxida sulfitos no fígado, e a nitrato redutase, importante no ciclo do nitrogênio nas plantas.

Também se pode encontrar um cofator de ferro e molibdênio em enzimas chamadas nitrogenases. Estas nitrogenases intervém na fixação do nitrogênio molecular atmosférico no ciclo de nitrogênio de bactérias e outros micro-organismos.

A deficiência de molibdênio no organismo pode produzir graves problemas, porém é encontrado em todos os alimentos tornando esta deficiência muito rara.

Isótopos[editar | editar código-fonte]

O molibdênio tem 6 isótopos estáveis e cerca de duas dezenas de radioisótopos, a maior parte com tempos de vida média da ordem de segundos. O 99Mo se usa em geradores de 99Mo / 99mTc para a indústria de isótopos nucleares. Estima-se que este mercado de produtos de 99Tc mova aproximadamente 100 milhões de euros ao ano.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Molibdênio